Em mercados / acoes-e-indices

Cielo sobe 3% e "derruba" PagSeguro em NY; Vale sobe 2% com recomendação e Cosan salta com aquisição

Confira os destaques da B3 na sessão desta terça-feira (24)

Cielo 01 - Fachada empresa
(Divulgação Cielo)

Santander (SANB11)

As units do Santander Brasil chegaram a subir forte com uma "prévia" dos números do primeiro trimestre de 2018 que serão divulgados nesta terça-feira após o fechamento do mercado. Contudo, amenizou os ganhos durante a sessão e fechou com leve alta. 

O Santander global divulgou seus números nesta manhã, com o resultado superando a expectativa ao reportar lucro líquido de 2 bilhões de euros (US$ 2,5 bilhões), 4% acima do consenso e 10% maior que o mesmo período do ano passado. Esse crescimento foi impulsionado pelos bons resultados na matriz, filiais latino-americanas, como Brasil e México e melhor desempenho nos EUA. No Brasil, a alta do lucro foi de 7% na base anual, 5% acima do esperado; na Espanha, a expansão foi de 26% ano contra ano, 3% acima do esperado; no México, de 7%, 3% acima do esperado, e, nos Estados Unidos, de 32%, 20% acima do esperado.

Segundo Ana Botín, presidente-executiva do conglomerado financeiro espanhol, as perspectivas para 2018 permanecem positivas.  

Vale (VALE3) e siderúrgicas

As ações de Vale avançaram apesar do dia de leve queda do minério de ferro.  Vale destacar que as bolsas chinesas tiveram uma forte recuperação nesta data, favorecidas por promessas de que Pequim aprofundará suas reformas econômicas.

Ontem, o colegiado de 25 membros do comitê de supervisão do Partido Comunista da China, a legenda que governa o país, emitiu um pronunciamento afirmando que manterá uma política fiscal “proativa” e uma política monetária neutra, e prometeu também colocar em prática medidas “de mercado” para reduzir o excesso de capacidade. Segundo analistas, uma redução nas recentes tensões comerciais entre China e EUA, antes de uma possível reunião de autoridades dos dois países em Pequim, também ajudou a melhorar o sentimento.

No noticiário da Vale, o Credit Suisse elevou o preço-alvo para os ADRs de US$ 16,00 para US$ 17,00, seguindo recomendação outperform. De acordo com os analistas, o resultado do primeiro trimestre de 2018 não deve trazer nenhuma grande surpresa com um Ebitda de US$ 3,9 bilhões.

"A Vale deve continuar como um player de dividendos nos próximos anos (5% de yield nas estimativas) e não descartamos eventuais dividendos extraordinários", apontam os analistas do banco suíço.

As siderúrgicas tiveram ganhos no início da sessão, mas amenizaram e fecharam entre leves perdas e ganhos, caso de Usiminas (USIM5), Gerdau (GGBR4) e CSN (CSNA3). 

Vale destacar que o Inda (Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço) divulgou os números de março, destacando que as  compras de aço pela rede de distribuição em março somou 283,7 mil toneladas, recuo de 1,3% em relação ao visto um ano antes. 

Esse volume considera chapas grossas, laminados a quente, laminados a frio, chapas zincadas a quente, chapas eletro-galvanizadas, chapas pré-pintadas e galvalume. Já as vendas pelos distribuidores subiram 3,5% em março, ainda na relação anual, para 262,9 mil toneladas. Em relação ao mês imediatamente anterior houve alta de 1,2%. Com isso, os estoques da rede subiram 2,4% na relação anual para 887,3 mil toneladas. O giro avançou em março para 3,4 meses.

As importações no mês passado somaram 123,6 mil toneladas, alta de 12,3% na relação anual. Ante o visto em fevereiro, o aumento foi de 103,2%. Para abril, a projeção da entidade é de que tanto as compras quanto as vendas subam 10%.

Cosan (CSAN3)

As ações da Cosan chegaram a subir 6% na máxima desta sessão. Raízen, joint venture entre a Cosan e a Shell, anunciou compra de negócio downstream da Shell Argentina por US$ 950 milhões.

A  Raízen Combustíveis e sua subsidiária Raízen Argentina assinaram contrato para comprar 100% das ações de emissão da Shell Compañía Argentina de Petróleo e da Energina Compañía Argentina de Petróleo, segundo comunicado.

As companhias adquiridas atuam na Argentina nos negócios de refino de petróleo; distribuição de combustíveis; operação de postos revendedores de combustíveis; fabricação e comercialização de lubrificantes automotivos e industriais; e fabricação e comercialização de gás liquefeito de petróleo (GLP), entre outros. As ações compradas são de titularidade da Shell Overseas Investments e da B. V. Dordtsche Petroleum Maatschappij. A Shell continuará presente no mercado de downstream da Argentina como acionista da Raízen, segundo o comunicado.

Notre Dame Intermédica (GNDI3

Em seu segundo dia de negociação e após disparar 22% na estreia, os papéis da Notre Dame Intermédica tiveram mais um dia de ganhos na bolsa. 

A ação da operadora de planos de saúde foi precificada em R$ 16,50 em seu IPO, um pouco acima do centro da faixa indicativa de preço, de R$ 14,50 a R$ 17,50. A demanda dos investidores foi elevada e superou em cinco vezes a oferta.

Carrefour (CRFB3)

As ações do Carrefour chegaram a subir 3,9%, maior alta desde 28 de fevereiro, no 6º dia seguido de alta, após dizer que também venderia itens alimentícios em sua plataforma de comércio eletrônico, que até agora continha apenas itens não alimentícios, como eletrodomésticos e eletrônicos.

As vendas de comércio eletrônico mais do que duplicaram no primeiro trimestre, de acordo com dados preliminares de vendas não auditados do trimestre. 

Vale destacar que a companhia divulga os resultados do primeiro trimestre totalmente auditados após 14 de maio . "Esperamos um bom trimestre para o Carrefour, impulsionado em grande parte pelo persistente momento de rentabilidade no Atacadão", escreveram analistas do Itaú BBA, liderados por Thiago Macruz, em um relatório para clientes de 23 de abril.

Os resultados na unidade brasileira do Carrefour serão positivos, apesar de um trimestre modesto para os varejistas em geral, "principalmente devido a um descompasso nas expectativas do mercado e uma recuperação na economia que está demorando mais do que o esperado", afirmou o Itaú BBA. 

 

Eletropaulo (ELPL3)

A italiana Enel continuará até o fim em sua tentativa de adquirir a Eletropaulo, disse o CEO Francesco Starace em comentários ao jornal espanhol Expansión. O grupo não está disposto a se render facilmente à Iberdrola na guerra de OPAs pela Eletropaulo, disse ele, apontando que a companhia tem condições de superar os R$ 29,4 oferecido pela Iberdrola e chegar a R$ 31, segundo o diário. 

Starace disse que Enel está estudando uma resposta à oferta lançada pela Iberdrola na sexta-feira, dia 20. No dia 27, a companhia tem Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária, que poderá ser decisiva para se determinar de que lado estão os acionistas. 

Ainda sobre a Eletropaulo, a companhia respondeu a ofício da CVM, que solicitou manifestação pública sobre o sentido econômico para a empresa e seus acionistas de seguir adiante com follow-on. O follow-on proposto pela Eletropaulo tem por objetivo não somente atender ao plano de investimentos da companhia, mas também representar um passo importante para a melhoria do seu perfil de endividamento, através do alongamento de prazos de suas dívidas, redução de custos e redução substancial da necessidade de apresentação de garantias, disse a empresa. 

O follow-on faria com que a Eletropaulo recebesse os recursos em curtíssimo prazo -- permitirá, até 3 de maio, a obtenção de recursos para a companhia. O próprio follow-on elevou significativamente o padrão de competição pela Eletropaulo e reconheceu a legitimidade do mesmo, segundo o fato relevante.

"Não se justifica, a nosso ver, que a Enel reclame, junto à CVM e a outros órgãos, dos efeitos de uma condição que ela própria estabeleceu," afirmou a empresa no documento.

Eletrobras (ELET3)

O noticiário sobre o setor elétrico também é movimentado por conta das notícias sobre a privatização da Eletrobras que, segundo a Eurasia, é improvável que aconteça em 2018. 

O ritmo lento das reformas significa que a agenda legislativa do governo não avançará muito e nem a privatização da Eletrobras, nem a reforma do PIS/Cofins devem ser aprovadas em 2018, diz a Eurasia no relatório. Isso porque, com a aproximação das eleições, os congressistas ficaram mais avessos ao risco de votar em medidas controversas. 

Por outro lado, uma boa notícia para o setor. Segundo o Valor Econômico, o governo e o Congresso Nacional se alinharam em busca de uma solução para o risco hidrológico - conhecido pela sigla em inglês GSF - dos geradores de energia. Eles pretendem ressuscitar, em linhas gerais, um artigo que foi retirado de última hora da MP 814.

A medida provisória, que ainda está em tramitação, deve ser alterada para garantir aos donos de usinas hidrelétricas a possibilidade de estender a vigência dos seus contratos como forma de compensação às perdas acumuladas nos últimos anos.

BRF (BRFS3)

A companhia informou o mercado que José Aurélio Drummond Jr. apresentou sua carta de renúncia ao cargo de diretor presidente global e membro do Conselho de Administração da companhia. Ele ocupava o cargo de CEO (Chief Executive Officer) desde dezembro do ano passado.

Em seu lugar, foi designado interinamente o executivo Lorival Nogueira Luiz Jr., que conciliará o cargo com suas funções atuais de diretor financeiro e de relações com os investidores. Antes de entrar na BRF, Nogueira Luiz Jr. atuou como vice-presidente de finanças e de RI da Votorantim Cimentos.

Na semana passada, o conselho de administração da BRF aprovou a indicação de Pedro Parente, presidente da Petrobras (PETR4), para assumir o comando da companhia. Em cinco pregões, os papéis BRFS3 acumularam uma disparada de 17%. Mesmo assim, amargam perdas de 30% neste ano. 

O BTG Pactual classificou a notícia como inesperada e a princípio negativa. "Detectamos uma crescente percepção no mercado de que o novo Conselho de Administração (a ser eleito na próxima quinta-feira, provavelmente com Pedro Parente como presidente) ajudaria a dar paz e tranquilidade à empresa e pôr fim às disputas entre diferentes grupos de acionistas. Essa percepção foi principalmente
apoiada pelo fato de que Drummond estava fazendo um bom trabalho liderando a empresa durante a crise e que o novo Conselho, pelo menos inicialmente, apresentaria alguma continuidade na gerência. O anúncio de ontem sugere que as incertezas não vão parar por aqui", apontam os analistas. 

Segundo os analistas do banco, se a BRF estivesse em uma posição mais forte, não haveria tanta preocupação com a saída do CEO.

"Mas os resultados e eventos recentes foram dramáticos e a nossa sensação é que outra rodada de mudanças gerenciais é a última coisa que a BRF precisa. Com tudo isso dito, sabendo que Drummond não teve o apoio total de todos os principais acionistas (sua nomeação pelo Conselho em novembro não era consensual), a BRF poderia explorar a oportunidade de um novo, sem dúvida mais unificado Conselho de Administração para integrar um nome ainda mais 'forte' como CEO, ou alguém que realmente tem o total apoio dos acionistas e do mercado. Até que tenhamos clareza sobre isso, continuamos a ver a história da BRF como de alta alavancagem, fraco momento operacional e grande incerteza nas frentes de estratégia e execução", apontam os analistas. Assim, os analistas estão cautelosos e seguem com recomendação neutra. 

Petrobras (PETR4)

Em um dia de queda de mais de 1% dos preços do petróleo após Donald Trump e Emmanuel Macron sinalizarem um acordo mais amplo com o Irã, os papéis da Petrobras fecharam perto da estabilidade. 

No radar da companhia, a Petrobras anunciou a elevação da gasolina para R$ 1,7727 e do diesel para R$ 2,0576. Os preços antes de impostos válidos a partir de 25 de abril. 

A companhia ainda anunciou fase vinculante para cessão dos campos de Piranema
e Piranema Sul, segundo comunicado. A fase inclui orientações para realização de due diligence e para envio de propostas vinculantes. 

Cielo (CIEL3)

Conforme destaca a Coluna do Broad, do Estadão, a Cielo se aliou aos seus sócios, Bradesco e Banco do Brasil, para reforçar a sua força de distribuição em um momento de concorrência elevada no setor de cartões por conta dos novos entrantes, como PagSeguro, do Uol, e banco Safra, e reforçar a venda de maquininhas. A aposta é em um terminal co-branded – ou seja, as tradicionais maquininhas da adquirente ganharão uma nova roupagem com a marca do sócio. A estreia da ofensiva, um projeto conjunto da Cielo com os seus acionistas, está sendo com o Bradesco. Na sequência, também virá o BB.

Ao se unir à marca de seus sócios, a Cielo espera ampliar o engajamento da sua operação e ainda o próprio senso de propriedade da operação.

Com a notícia,  a PagSeguro chegou a cair até 14% para US$ 30,72 em Nova York e fechou em baixa de 5,35% (US$ 33,81). A mudança aumentará a concorrência com a PAGS, que focou seu modelo de negócios fornecendo máquinas de POS que processam transações de cartão de crédito para empresas de pequeno e médio porte. 

 

Kroton (KROT3)

As ações da Kroton subiram novamente após os ganhos da véspera com o anúncio da aquisição da Somos Educação (SEDU3). Após o anúncio, o Bradesco BBI elevou o preço-alvo para Kroton de R$ 19 para R$ 21 e manteve recomendação outperform. Para a Somos, o preço-alvo foi de R$ 23 para R$ 23,75. 

Ontem, em coletiva de imprensa, o presidente da Kroton, Rodrigo Galindo, estimou que a alavancagem chegue a 2 vezes o Ebitda (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) após o negócio envolvendo a compra do controle da Somos Educação, por R$ 4,6 bilhões. A Kroton espera realizar um empréstimo ponte ou emitir debêntures como parte do financiamento da aquisição.

 

Embraer (EMBR3)

A Embraer assinou um acordo com a Belavia Airlines para prestação de serviço e suporte à frota de E-Jets da companhia aérea.

Ainda sobre a companhia,  a Widerøe, da Noruega, fez 1º voo comercial com E190-E2. O voo desta terça-feira marca a entrada oficial em serviço do primeiro dos três novos E-Jets E2 que a Embraer desenvolveu para suceder os E-Jets da atual geração, segundo comunicado.

A aeronave partiu do aeroporto de Bergen às 7h35 da manhã e chegou ao aeroporto de Tromsø duas horas depois, no horário local, com todos os assentos do voo vendidos. Widerøe receberá mais dois E190-E2s em 2018 e detém direitos de compra para mais 12 jatos E2, diz a Embraer no comunicado. O valor total do pedido é de aproximadamente US$ 873 milhões, caso sejam exercidos todos os direitos de compra. A companhia disse ainda que as entregas dos outros E-Jets estão planejadas para começar em 2019, no caso do E195-E2, em em 2021 para o E175-E2. 

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

 

Santos Brasil (STBP3)

A Santos Brasil informou não ter conhecimento de qualquer negociação ou transação envolvendo a aquisição do seu controle, respondendo assim a notícias veiculadas na imprensa de que Daniel Dantas estaria sendo assediado para vender sua fatia na empresa. “Igualmente, a companhia esclarece que não recebeu nenhuma informação ou notificação de qualquer acionista sobre eventual venda de participação acionária na companhia, como mencionado na referida notícia”, destacou. 

Banco do Brasil (BBAS3)

O governo abriu crédito especial de R$ 162 milhões para o Banco do Brasil. O decreto que prevê reabertura de crédito suplementar do Orçamento de Investimento em favor do Banco do Brasil está no Diário Oficial.

(com Bloomberg e Agência Estado)

 

Contato