Em mercados / acoes-e-indices

Mudança no índice MSCI foi uma péssima notícia para Itaú e Bradesco, mas uma ótima para três ações

Bancos serão os principais prejudicados com alteração nas regras de composição

bovespa2
(bovespa)

SÃO PAULO - O MSCI (Morgan Stanley Capital International), que é responsável pelo índice MSCI Brazil Index, que seria uma espécie de Ibovespa para os investidores estrangeiros e que quando alterado movimenta bilhões no mercado brasileiro, abriu uma consulta pública com objetivo de alterar a composição de seus índices e isso pode ter impacto negativo para as ações brasileiras.

Uma das propostas do MSCI tem como objetivo dar menos peso em seus índices para companhias de capital aberto com duas classes de ações (ON E PN), composição que afeta diretamente os papéis de Itaú Unibanco (ITUB3; ITUB4), Bradesco (BBDC3; BBDC4), Vivo (VIVT3; VIVT4), Gerdau (GGBR3; GGBR4) e Itaúsa (ITSA3; ITSA4), todos ativos que fazem do índice de ações brasileiro, segundo avaliação dos estrategistas do BTG Pactual, Carlos Siqueira e Bernardo Teixeira.

Uma vez implementada essa mudança, cujo resultado será publicado no final de junho, ela reduziria o peso das ações sem direito a voto (PN), ao mesmo tempo que daria mais "poder" para os papéis ordinários (com direito a voto). Pelas contas do BTG, as ações mais impactadas seriam ITUB4 (que perderia 10 pontos percentuais de participação, equivalente a 10 dias de negociação), BBDC4 (4 dias de giro), VIVT4 (1,3 dia), GGBR4 (1,2 dia) e ITSA4 (1 dia).

Os ganhadores com a medida

Por outro lado, como já fazem parte do Novo Mercado e fizeram as conversões para ON, a participação das ações da Ambev (ABEV3) devem crescer em 3,9 pontos percentuais (5 dias de giro), enquanto dos papéis de Vale (VALE3) e B3 (BVMF3) subiram para 3,8 pontos percentuais (2 dias de giro) e 1,5 ponto percentual (2,5 dias de giro), respectivamente.

Segundo os estrategistas do banco, com o investimento passivo cada vez mais ganhando espaço entre os investidores, muitas empresas terão de ajustar suas estruturas de acionistas para manter sua relevância, o que justifica essa consulta. Uma vez aprovada essa alteração, o MSCI propõe um período de carência de 3 anos para que as empresas se ajustem, ou seja, migrem para ações com direito a voto, enquanto para os novos entrantes essa será uma exigência.

Quer aproveitar a queda recente dessas ações para comprar e ainda pagar a menor corretagem do Brasil? Clique aqui e abra sua conta na Clear

 

Contato