EXPERIMENTE!

Clique e experimente a
versão rápida do

Em mercados / acoes-e-indices

OGX atinge a mínima desde 2008 mas Vale sobe quase 4%; veja mais destaques

Ações do Banco do Brasil recuam com "reunião surpresa" de Mantega; já a Hypermarcas atinge a máxima desde maio de 2011

Vale - mineração
(Agência Vale)

SÃO PAULO - Após ficar grande parte do dia no negativo, o Ibovespa conseguiu virar e fechar no positivo. Acelerando os ganhos no final da sessão, o índice fechou em alta de 0,72%, terminando em 59.761 pontos. Mesmo assim, o benchmark da bolsa brasileira terminou o primeiro mês de 2013 com recuo de 1,95%.

OGX vai para a mínima desde 2008 com notícia de poço seco
Na noite da última quarta-feira, a OGX (OGXP3) confirmou que no poço OGX 99, no propecto cozumel, não foi encontrado petróleo. A informação foi divulgada em uma atualização de apresentação sobre os projetos da companhia. Com isso, os papéis da empresa caíram forte nesta sessão, fechando com desvalorização de 6,18%, valendo R$ 4,10 - seu menor patamar desde o dia 15 de dezembro de 2008, quando encerraram nos mesmos R$ 4,10.

Foi o segundo dia de forte queda dos papéis da petrolífera de Eike Batista, que acumulam na semana perdas de 14,94%.

Hypermarcas: máxima desde 2011 com rumores de fusão
De acordo com informações da Exame, o BTG PActual e a família Depieri, uma das controladoras do Grupo Aché, estariam negociando a compra da participações de outros grandes acionistas, as famílias Baptista e Siaulys. A notícia afirma que a família Depieri teria o direito de preferência na compra. Além disso, a BTG já estaria negociando com João Alves de Queiroz Junior a fusão da Aché com a Hypermarcas, mas as conversas ainda seriam preliminares.

A informação animou os investidores e os papéis da companhia fecharam com a maior alta do Ibovespa na sessão - valorização de 5,01%, fechando R$ 17,20. É o maior patamar de HYPE3 desde 6 de maio de 2011. Além disso, o volume de negócios neste pregão foi quase três vezes maior que o normal, movimentando R$ 147 milhões.

Ações da Vale sobem quase 4%
Após várias sessões de queda, os papéis da mineradora voltaram a subir nesta quinta-feira. O cenário positivo na China, além da evolução nos preços do minério de ferro têm animado o mercado em relação à companhia.

As ações preferenciais da Vale encerraram o dia com alta de 3,78%, aos R$ 38,70, enquanto as ordinárias fecharam valendo R$ 40,26, com valorização de 3,90%. O desempenho ajudou a manter o Ibovespa no positivo nesta quinta-feira - tendo em vista a forte participação da mineradora na composição do índice.

Nesta manhã, a Associação de Ferro e Aço da China (Cisa) afirmou que apoiará o atracamento de supercargueiros da Vale no país se isso levar a uma queda nos custos com minério de ferro para seus membros. Além disso, durante a tarde, os preços do minério de ferro atingiram a máxima de duas semanas, apoiados por compras pontuais de siderúrgicas chinesas em um momento com poucas cargas disponíveis.

Profarma sobe 12% após comprar 50% da Tamoios
Dentre as small caps, as ações da Profarma (PFRM3) disparam 12,01%, aos R$ 16,98, depois da distribuidora de remédios fechar a aquisição de uma participação na rede carioca de farmácias Tamoios. Por R$ 104 milhões, a Profarma se tornou dona de 50% da empresa, que manterá a família Cosendey como co-controladora. A aquisição é o terceiro negócio feito pela distribuidora no varejo, sendo que a Profarma anunciou a sua entrada no setor de drogarias com a compra da Drogasmil e Farmalife há duas semanas.

A iniciativa de ingressar no varejo é vista com bons olhos pela equipe de análise da XP Investimentos, ao estimar que esta aquisição pode adicionar valor com as sinergias potenciais entre Tamoios e Drogasmil, bem como entre as operações de varejo e as operações da Profarma.

Com este fechamento, as ações da empresa atingiram sua maior cotação desde 2010. Além disso, desde o dia da primeira das três aquisições realizadas - no último dia 17 - os papéis tiveram uma valorização de 33,81%.

Banco do Brasil cai com "reunião surpresa" de Mantega
Ao contrário de seus pares, o Banco do Brasil (BBAS3) caiu nesta sessão após o ministro da Fazenda, Guido Mantega, realizar uma reunião surpresa com dirigentes do próprio banco, da Caixa e do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), segundo operadores de mercado disseram ao Portal InfoMoney.

Por causa da falta de informações e da surpresa do anúncio da reunião, o mercado gerou certa tensão, o que levou os papéis da companhia a caírem. Com isso, as ações da empresa fecharam com queda de 1,61%, aos R$ 24,40. Enquanto isso, os papéis do Bradesco (BBDC4) subiram 2,23% para R$ 36,60. Já as ações do Itaú Unibanco (ITUB4) fecharam a R$ 34,35, com avanço de 0,76%, e Santander (SANB11), que divulgou seus resultados trimestrais nesta sessão, valorizaram 0,83%, para R$ 14,65.

Contato