Em mercados / acoes-e-indices

Após abrir em queda, Ibovespa tenta se manter em alta nesta manhã

Bateria de indicadores norte-americanos e resultados negativos de siderúrgicas brasileiras estão em foco

ações - bolsa - cotações - mercados 4
(Getty Images)

SÃO PAULO - Às vésperas do feriado do Dia de Finados, a volatilidade dá o tom à abertura do pregão na bolsa brasileira nesta quinta-feira (1). Depois de abrir em queda, o Ibovespa virou e, por volta de 10h30 (horário de Brasília), subia 0,31%, aos 57.246 pontos. 

Além da cautela antes de dados sobre a economia norte-americana, as operações são impactadas pelo desempenho negativo de ações do setor siderúrgico, após a publicação de balanços corporativos. CSN (CSNA3), Usiminas (USIM3USIM5) e Gerdau (GGBR4) lideram a ponta negativa do índice. 

Dentre os papéis que são negociados nesta manhã, destaque para B2W Varejo ON (BTOW3, R$ 10,03, +1,52%),  Fibria ON (FIBR3, R$ 17,50, +1,51%),  OGX ON (OGXP3, R$ 4,78, +1,49%),  MRV (MRVE3, R$ 10,42, +1,17%) e Brookfield ON (BISA3, R$ 3,59, +1,13%).

O principal índice da bolsa paulista fechou o pregão de quarta-feira em baixa de 1,07%, atingindo 57.068 pontos e registrando uma alta acumulada no ano de 0,55%. O volume financeiro foi de R$ 5,91 bilhões.
 

Referências do dia
No Brasil, a safra de resultados corporativos do terceiro trimestre tem continuidade, com os números de CSN, Gerdau, Metalúrgica Gerdau (GOAU4), Usiminas, Eletropaulo (ELPL4) e Pão de Açúcar (PCAR4). Os dados saíram entre a noite de quarta e a manhã desta quinta.

Do lado econômico, em função da tempestade Sandy, que paralisou as bolsas de Nova York na segunda e terça, a publicação de dados importantes nos EUA, como a confiança do consumidor e o relatório ADP de emprego no setor privado, foi reprogramada para este pregão.

Além destes indicadores, a agenda norte-americana também reserva o ISM, que mede o nível de atividade industrial; o relatório semanal sobre a quantidade de pedidos de auxílio-desemprego; bem como o índice que mensura as despesas com a atividade de construção de imóveis.

PMI chinês
No continente asiático, onde os mercados já estão fechados, o sinal positivo foi predominante, após um indicador apontar a primeira expansão da indústria chinesa em três meses. O PMI (Índice de Gerentes de Compra) da China, medido pelo HSBC, subiu para 49,5 em outubro - seu maior nível em oito meses - em comparação com a leitura final de 47,9 em setembro. Ainda que o índice continue em território contração, a alta é o mais recente sinal de recuperação da economia chinesa. 

Pouco antes, o governo chinês publicou o PMI oficial do país, o qual aumentou para 50,2 em outubro, de 49,8 em setembro. Neste caso, o indicador sugeriu expansão da atividade, uma vez que ficou acima dos 50.

Dados nacionais
No mercado doméstico, a agenda econômica traz o IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor - Semanal) da FGV (Fundação Getulio Vargas), a produção industrial do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), além de números sobre a balança comercial. 

 

Contato