RADAR INFOMONEY A expansão da JBS, de olho em carne vegetal, é assunto do programa desta segunda-feira; assista

A expansão da JBS, de olho em carne vegetal, é assunto do programa desta segunda-feira; assista

Destaques da Bolsa

Ações de BR Distribuidora e RD sobem até 6,5% após resultados; exportadoras caem, varejistas avançam e Totvs recua 4,7%

Confira os destaques da B3 na sessão desta quarta-feira (10)

SÃO PAULO – A temporada de resultados guiou alguns dos maiores destaques de ações na sessão desta quarta-feira (10). A BR Distribuidora (BRDT3, R$ 20,55, +6,42%) viu seus ativos subirem mais de 6% na esteira do bom balanço. A companhia registrou lucro liquido de R$ 3,148 bilhões no quarto trimestre de 2020, ante R$ 96 milhões no mesmo período do ano passado. Em 2020, o lucro líquido somou R$ 3,905 bilhões, alta de 76,6% na comparação com 2019.

Já a Raia Drogasil (RADL3, R$ 24,35, +5,87%) também teve forte alta dos papéis. A varejista de farmácias teve lucro de R$ 198,5 milhões no último trimestre do ano passado, 38,5% superior frente igual período de 2019. Entre janeiro e dezembro, o valor foi de R$ 579,3 milhões, alta de 6,7% no comparativo anual. A receita líquida avançou 16%, a R$ 5,55 bilhões.

A sessão foi de nova queda para o minério de ferro seguindo a forte baixa da véspera, o que levou a um novo dia de baixa também para as ações da Vale (VALE3, R$ 97,15, -1,54%). O movimento foi intensificado pela baixa do dólar de 2,5% nesta sessão, afetando as ações de empresas exportadoras como um todo. Suzano (SUZB3, R$ 74,86, -5,46%), Klabin (KLBN11, R$ 29,28, -4,03%), Usiminas (USIM5, R$ 16,54, -3,22%), CSN (CSNA3, R$ 34,15, -2,87%), além dos frigoríficos, registraram baixa nesta sessão.

O mercado também repercutiu o noticiário sobre Totvs (TOTS3, R$ 28,12, -4,74%), que acertou a compra da empresa de programas de automação de marketing RD Station, com a desenvolvedora de softwares de gestão fazendo o maior negócio de sua história, fortalecendo sua aposta no negócio de performance empresarial.

O acordo anunciado nesta terça-feira prevê o pagamento de R$ 1,86 bilhão, sujeito a ajustes, a ser pago na conclusão da transação, por cerca de 92% do capital da RD, avaliada em cerca de R$ 2 bilhões. Criada em 2011, a RD tem receita líquida prevista para 2021 de cerca de R$ 206 milhões. A ação TOTS3 chegou a subir forte no início do pregão, seguindo a alta de 4% registrada no leilão de fechamento da última terça-feira, mas amenizou os ganhos e, durante a tarde, virou para queda forte, de mais de 4%.

Enquanto isso, as ações de varejistas e de outras companhias ligadas ao setor de consumo subiram forte, caso de Via Varejo (VVAR3, R$ 12,11, +10,29%), Magazine Luiza (MGLU3, R$ 24,90, +6,46%), também com as atenções voltadas para as discussões na Câmara dos destaques da PEC Emergencial, que abre caminho para a volta do auxílio emergencial no país, gerando perspectivas mais positivas para o consumo. Também vale destacar que, nesta semana, as ações registraram queda em meio às revisões da Selic para cima (veja mais clicando aqui).

Confira mais destaques:

Vale (VALE3, R$ 97,15, -1,54%) e minério de ferro

Os futuros do minério de ferro na China caíram para o menor nível em quatro semanas nesta quarta-feira, pressionados por medidas mais duras contra poluição no principal polo siderúrgico de Tangshan, além de alívio em preocupações quanto à oferta da matéria-prima.

O contrato mais negociado do minério de ferro na bolsa de commodities de Dalian, para entrega em maio, encerrou o pregão diurno em baixa de 5,2%, a 1.040,50 iuanes por tonelada (US$ 159,82), após ter recuado mais cedo ao menor nível desde 8 de fevereiro, a 1.022 iuanes. Na bolsa de Cingapura, o primeiro contrato operava praticamente estável, a US$ 157,60 por tonelada após queda de 5,9% na véspera.

PUBLICIDADE

“A política de restrição à produção de alto-fornos na área de Tangshan se tornou mais rígida, mas prazo envolvido é relativamente curto, e o impacto na demanda por matérias-primas pode ser relativamente limitado”, disseram analistas da Sinosteel Futures em nota.

O governo de Tangshan, na província de Hebei, ao norte do país, editou diversas regras de controle de emissões desde fevereiro, restringindo a operação de usinas siderúrgicas. Do lado da oferta, persistentes preocupações com o fornecimento de minério de ferro foram aliviadas com um aumento nos estoques de produto importado nos portos chineses, que atingiram máxima de três meses de 129,50 milhões de tonelada na semana passada, segundo dados da SteelHome.

Os estoques de minério de ferro brasileiro na China subiram para uma máxima histórica, disse Robert Rennie, chefe de estratégia para mercados financeiro da Westpac na Austrália. A oferta da Austrália também aumentou pela ausência de ciclones, segundo Erik Hedborg, analista da CRU em Londres.

Ainda no radar do mercado, um mês após a assinatura do acordo R$ 37,68 bilhões entre Vale, autoridades de Minas Gerais e da União, para reparar e indenizar os danos provocados pela tragédia na cidade de Brumadinho, o governo mineiro é alvo de pressão das empreiteiras que devem colocar as obras em andamento.

O acordo prevê o uso de R$ 11,06 bilhões para retomar obras de infraestrutura paralisadas nos últimos anos por falta de verba. Mas as empreiteiras afirmam que as licitações ocorreram há entre quatro e cinco anos, e que, desde então, houve disparada dos preços. As informações são do jornal Valor.

Ainda no radar da companhia, o Bradesco BBI divulgou uma avaliação após reunião com o diretor executivo da Vale para minério de ferro, Marcello Spinelli. Ele afirmou que o retorno das operações está de acordo com os planos e que a Vale acredita que entregará a guidance (documento com previsões e planos da empresa) de entre 315 e 335 megatoneladas de minério de ferro.

Além disso, o banco destaca que inventários do mercado de ferro estão baixos, as margens das fabricantes de aço, fortes, a demanda da China, também forte, assim como a de outros países. A oferta adicional do mercado vem principalmente da Vale. Assim, o banco mantém avaliação de outperform, e preço-alvo de US$ 24 para os ADRs da empresa na bolsa de Nova York, com potencial de alta de 39% frente o fechamento da véspera.

BR Distribuidora (BRDT3, R$ 20,55, +6,42%)

A BR Distribuidora registrou lucro liquido de R$ 3,148 bilhões no quarto trimestre de 2020, ante R$ 96 milhões no mesmo período do ano passado. Em 2020, o lucro líquido somou R$ 3,905 bilhões, alta de 76,6% na comparação com 2019.

PUBLICIDADE

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, amortizações e depreciação) ajustado ficou em R$ 1,616 bilhão, avanço de 70,6% em relação ao quarto trimestre de 2029. Em todo o ano, o Ebitda ajustado atingiu R$ 3,811 bilhões, aumento de 21,7% na comparação com 2019. Sem o ajuste, o Ebitda ficou em R$ 3,421 bilhões no quarto trimestre de 2020, avanço de 656% em um ano. Em 2020, o Ebitda atingiu R$ 5,103 bilhões, ante R$ 1,841 bilhões em 2019, segundo dados divulgados nesta noite.

A receita líquida no quarto trimestre de 2020 ficou em R$ 24,294 bilhões, avanço de 0,6% na comparação com o mesmo período de 2019. Já em todo o ano de 2020, a receita atingiu R$ 81,501 bilhões, uma queda de 14,2% em relação a 2019.

No relatório que acompanha os resultados financeiros, a BR explica que o lucro líquido no trimestre ultrapassou os R$ 3 bilhões em razão do reconhecimento do crédito do Pis/Cofins (+ R$ 647 milhões) e o ganho atuarial pela mudança no plano de saúde da companhia (+ R$ 2,132 bilhões).

A companhia explica que 2020 foi o primeiro ano completo desde a sua privatização e, mesmo com todos os desafios impostos pela pandemia, conseguiu avançar rapidamente em sua agenda de transformação. “A maior prova de que estamos no caminho certo é que conseguimos entregar já no ano passado a rentabilidade que era esperada apenas para 2021”, diz a empresa.

A BR conseguiu um Ebitda unitário de R$ 104/metro cúbico, um marco histórico para a Companhia, que nos três anos anteriores à privatização operou com margem média de R$ 66/metro cúbico. O resultado será essencial para que a BR siga firme em direção a sua ambição de longo prazo: tornar-se uma companhia cada vez mais relevante nas áreas de energia, mobilidade e conveniência.

A BR diz ainda que não há como avaliar o ano de 2020 sem uma reflexão sobre a pandemia da covid-19, que trouxe profundos impactos no mercado de combustíveis e lubrificantes. A empresa explica que chegou a ver a demanda por alguns de seus principais produtos cair cerca de 85% no início da pandemia, como no caso dos produtos de aviação, e cerca de 60% como no caso do ciclo Otto.

“Nossa resiliência foi colocada à prova. Ao mesmo tempo em que precisávamos manter a agenda de transformações e nosso ecossistema operando, era preciso garantir a segurança de todos os quase 3.400 colaboradores – tanto os que foram para home office quanto os que continuaram na linha de frente”, diz a empresa.

O Credit Suisse classificou os resultados como “fortes”, com uma performance superior a de outros atores do setor. O banco aponta que a ação da empresa está “extremamente descontada”. O banco mantém recomendação de outperform (expectativa de valorização acima da média do mercado), com preço-alvo de R$ 32, frente aos R$ 19,31 negociados na terça (9).

PUBLICIDADE

O Morgan Stanley comentou os resultados apresentados pela BR Distribuidora, afirmando que a alta dos volumes e do Ebitda na comparação anual são uma conquista, e que o comentário da gestão de que pretende aumentar os ganhos com investimentos a partir da tomada de empréstimos, o que pode representar novos negócios e dividendos maiores no futuro.

Na avaliação do banco, o consumo de combustíveis está aumentando mais rápido do que o esperado, e a BR se beneficia de iniciativas próprias para elevar a credibilidade sob a nova estratégia gerencial. O banco diz, no entanto, que uma nova onda de Covid pode ser um risco, apesar de estar precificada, em sua maior parte, na visão do banco.
O Morgan Stanley mantém avaliação overweight (expectativa de valorização acima da média do mercado) para a BR Distribuidora, com preço-alvo de R$ 32, frente aos R$ 19,31 negociados na terça (9).

RD, Raia Drogasil (RADL3, R$ 24,35, +5,87%)

A Raia Drogasil registrou lucro líquido de R$ 198,492 milhões no quarto trimestre de 2020, alta de 38,5% em relação ao mesmo período do ano anterior. Em todo o ano, a rede de drogarias somou lucro de R$ 579,259 milhões, alta de 6,7% ante 2019.

Já o lucro ajustado somou R$ 213,672 milhões entre outubro e dezembro do ano passado, avanço de 26,6% na comparação anual. Já em todo 2020, os ganhos ajustados somaram R$ 600,984 milhões, avanço de 2,3%.

O Ebitda ajustado da companhia atingiu R$ 430,843 milhões no trimestre, crescimento de 22,9% na comparação com igual intervalo de 2019. No acumulado de 2020, a empresa somou R$ 1,429 bilhão de Ebitda, avanço anual de 6,3%. Já o Ebitda sem ajuste ficou em R$ 407,8 milhões no quarto trimestre, alta de 13,6% na comparação anual.

A rede fechou o ano com 2.299 lojas, 229 a mais do que no final de 2019. A receita bruta somou R$ 5,868 bilhões e R$ 21,180 bilhões no quarto trimestre e em todo o ano de 2020, com respectivas altas de 16,6% e de 15,1%.

A empresa diz que a penetração de seus canais digitais atingiu 6,3% no trimestre, ante 2,3% no mesmo período de 2019. Além disso, registrou crescimento de 10,2% e de 7,4% de vendas nas mesmas lojas (SSS) na comparação entre trimestres e anual.

Segundo a companhia, a dívida líquida encerrou o ano em R$ 773,1 milhões, recuo de 6,5%. A alavancagem caiu de 0,7 vez ao fim de 2019 para 0,6 vez em dezembro de 2020.

Para 2021, a Raia Drogasil diz que pretende avançar na digitalização. “A Nova Farmácia seguirá sendo a nossa grande prioridade para 2021, ao passo em que estaremos construindo os alicerces do marketplace e da plataforma de saúde. Nossas lojas são a porta de entrada tanto para aquisição do cliente como para sua adesão ao digital”, diz a mensagem da administração.

A Raia Drogasil ainda informou ter firmado um contrato para compra de 50,75% da participação acionária da Healthbit, com a opção de compra das ações remanescentes a partir de 2026. A Healthbit é uma “startup de tecnologia focada em big data como solução para redução da sinistralidade em saúde nas grandes empresas e para a promoção da saúde e prevenção de doenças” de funcionários por meio de novas tecnologias, destacou a RD.

A compra faz parte da RD Ventures, iniciativa de investimento em start-ups da Droga Raia. Outros investimentos da divisão foram Manipulaê e tech.fit. A Raia afirma que certas obrigações formais ainda devem ser cumpridas para efetivar a compra.

O Credit Suisse avalia que os resultados ficaram em linha com a expectativa. O banco afirma que a empresa alcançou novamente seus objetivos estabelecidos na guidance para 2020, com a abertura de 240 lojas, e reiterou o mesmo guidance para 2021 e 2022.

O banco enxerga boa perspectiva para o longo prazo, com o crescimento do mercado, e que vê com bons olhos a atual posição defensiva do setor de farmácias, devido às preocupações com a pandemia. Contudo, a recomendação segue neutra (perspectiva de valorização dentro da média do mercado) para a ação, por acreditar que já precifica os bons resultados, que eram esperados pelo mercado. O banco mantém preço-alvo de R$ 25, frente aos R$ 23 negociados na terça (9).

A XP Investimentos destaca que a RD reportou sólidos resultados referentes ao quarto trimestre de 2020, em linha com as estimativas e consenso da Bloomberg. O forte desempenho de vendas mesmas lojas (alta de 10,2%na base anual, sendo alta de 6% de lojas maduras) e ganho de participação de mercado para um nível recorde de 14,7% foram os principais destaques positivos do resultado. A recomendação segue neutra e preço alvo de R$ 27,0 por ação para o fim de 2021 para RADL3.

O Morgan Stanley afirmou que os resultados da RaiaDrogasil estão em linha com sua expectativa, em tendência de recuperação. As receitas estão se acelerando e as margens ajustadas estão se expandindo conforme a empresa executa sua estratégia de se tornar mais digital e um hub do setor de saúde, com 1.135 lojas em 256 cidades oferecendo testes para Covid, tendo realizado 900 mil testes em 2020. Ainda assim, a pandemia impactou o faturamento.

Apesar de ser uma companhia de alta qualidade, o Morgan Stanley diz avaliar que a Raia já está bem precificada, por isso dá preferência para a Hypera no setor, cujos papéis estão menos valorizados. O banco mantém avaliação equal weight (expectativa de valorização dentro da média do mercado), com preço alvo de R$ 23,60.

Allpark (ALPK3, R$ 7,34, +2,66%)

A Allpark, dona da rede de estacionamentos Estapar, teve prejuízo líquido de R$ 15,9 milhões no quarto trimestre, alta de 150,8%, ante o prejuízo de R$ 6 milhões reportados em igual período de 2019. No ano, as perdas somaram R$ 170,7 milhões, quatro vezes maior do que os R$ 42,6 milhões reportados um ano antes.

A receita caiu 33%, a R$ 184,6 milhões; em 2020, a queda foi de 39,9%, a R$ 278,7 milhões. Todas as divisões de estacionamentos registraram recuo na receita no período entre outubro e dezembro.

O Ebitda foi R$ 95,2 milhões, 16,5% menor frente igual período de 2019. A margem Ebitda teve alta de 10,7 pontos percentuais, a 51,6%.

Vulcabras (VULC3, R$ 7,41, +3,06%)

A Vulcabras, dona das marcas Azaleia, Olympikus, Under Armour e Mizuno, viu o lucro crescer 21,1% no quarto trimestre de 2020 ante mesmo período do ano anterior, para R$ 54,6 milhões.

Já a receita líquida foi de R$ 459,1 milhões no trimestre, alta de 22,8% na base de comparação anual, enquanto o Ebitda totalizou R$ 73,9 milhões, também uma alta de 22,8% na base de comparação anual.

Segundo o Bradesco BBI, no geral, este foi um trimestre forte, com resultados melhores do que o esperado pelos analistas. As vantagens competitivas de ter um processo de produção ágil e relacionamentos com uma ampla gama de varejistas de pequeno e médio porte no país foram claramente demonstrados no trimestre, apontam os analistas.

Além disso, a empresa está bem posicionada em um ambiente de moeda fraca, o que significa que as importações tendem a reduzir e / ou se tornar mais caras para o consumidor. No curto prazo, há claramente algumas incertezas em torno da demanda, visto que vários estados estão impondo restrições relacionadas à Covid mais uma vez. As ações estão sendo negociadas a múltiplo de preço sobre o lucro esperado para 2021 de 9 vezes, um pouco abaixo da estimativa dos analistas de valor justo de 10 a 11 vezes.

“Dentro de nossa cobertura para o setor, continuamos preferindo nomes cujas ações são negociadas com descontos maiores frente seus múltiplos, como Guararapes e C&A”, avaliam. A recomendação é neutra para o papel, com preço-alvo de R$ 9.

Latam Airlines 

A Latam Airlines LTM.SN, maior companhia aérea da América Latina, divulgou nesta terça-feira que encerrou o quarto trimestre com prejuízo de US$ 962,5 milhões, atingida pela segunda onda da pandemia. A Latam pediu recuperação judicial em maio passado e ainda atravessa o processo nos Estados Unidos.

Em 2020, a companhia acumulou prejuízo de US$ 4,6 bilhões ante lucro de US$ 196 milhões em 2019.

A companhia encerrou o ano passado com US$ 1,7 bilhão em caixa e equivalentes, apoiada em emissão de novas dívidas durante o processo de recuperação judicial.

O banco destaca a queda na demanda por voos de 71% na comparação anual, queda de 30% nos preços médios e relevância dos voos de cargas. A empresa deve apresentar seu plano de reorganização em 30 de junho. A proposta deverá ser votada até 23 de agosto. O Bradesco BBI mantém avaliação de underperform (perspectiva de valorização abaixo da média do mercado) para 2021, e preço-alvo de US$ 1 para as ADRs, negociadas por US$ 1,81 na terça (9) no fechamento da véspera.

Totvs (TOTS3, R$ 28,12, -4,74%)

A Totvs  acertou a compra da empresa de programas de automação de marketing RD Station, com a desenvolvedora de softwares de gestão fazendo o maior negócio de sua história, fortalecendo sua aposta no negócio de performance empresarial.

O acordo anunciado nesta terça-feira prevê o pagamento de R$ 1,86 bilhão, sujeito a ajustes, a ser pago na conclusão da transação, por cerca de 92% do capital da RD, avaliada em cerca de R$ 2 bilhões. Criada em 2011, a RD tem receita líquida prevista para 2021 de cerca de R$ 206 milhões. Veja mais clicando aqui. 

O anúncio ocorre quase quatro meses após sido vencida na tentativa de comprar a produtora de software para o varejo Linx, que acabou sendo adquirida pela empresa de pagamentos Stone por cerca de R$ 6,8 bilhões.

Segundo o presidente-executivo do Totvs, Dennis Herszkowicz, a companhia vai captar recursos para ajudar a pagar a operação, visto que seu caixa líquido era de cerca de R$ 1 bilhão no final de 2020. Mas o instrumento de captação ainda não foi definido.

Segundo o executivo, a Totvs segue atenta a chances de aquisições, dentro da estratégia de se reforçar nas áreas de recursos humanos, tecnologia financeira e performance empresarial.

“Não existe uma empresa no mercado que individualmente enderece todas as oportunidades de business performance. O M&A (fusões e aquisições) é para nós é uma arma permanente e vamos seguir essa rota”, disse ele à Reuters.

Ainda de acordo com Herszkowicz, a compra da RD, que já tem operações na Europa, abre nova frente para internacionalização da Totvs. “A nossa capacidade de levar ofertas para outros países é muito maior”, concluiu.

O Bradesco BBI avalia que a aquisição abre espaço para vendas e crescimento mais fortes e destaca que o negócio representa um forte “goodwill” (valor intangível de um negócio, como marca ou reputação, por exemplo). Além disso, o negócio pode levar a maior crescimento consolidado, que poderia levar a uma reavaliação positiva para as estimativas da empresa.

Além disso, a Totvs assimilará 600 funcionários, 50% deles do setor de tecnologia da informação, principalmente desenvolvedores, importantes para empresas de tecnologia. O Bradesco BBI mantém recomendação outperform para a Totvs, e preço-alvo de R$ 36, frente aos R$ 29,52 negociados na terça (9).

O Credit afirma que a aquisição da RD Station pela Totvs a insere no segmento de marketing digital. Na avaliação do banco a “nova Totvs” tem metade de suas receitas dos segmentos de software como serviço, techfin e performance de negócios, combinando juventude e experiência por muitos anos. O valor de R$ 1,86 bilhão ficou acima da expectativa do mercado.

Mas há perspectiva de ganhos com sinergias como benefícios fiscais, fusão de despesas gerais e administrativas, distribuição e mercado de vendas maior. Assim, a empresa estaria posicionada para crescer exponencialmente. O Credit mantém preço-alvo de R$ 35 e recomendação outperform.

Petrobras (PETR3, R$ 22,29, +4,21%; PETR4, R$ 22,34, +3,47%)

A Petrobras comunicou ao mercado na manhã desta quarta-feira (10) que recebeu ofício do Ministério de Minas e Energia com mais duas indicações de conselheiras de Administração para a próxima Assembleia Geral Extraordinária da estatal.

As indicações são de  Cynthia Santana Silveira e Ana Silvia Corso Matte. Os dois nomes, juntamente com as seis indicações divulgadas ao mercado em 8 de março, completam as indicações pela União de membros ao Conselho de Administração da companhia para a próxima Assembleia Geral de Acionistas.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

Estagnado em sua profissão? Série gratuita do InfoMoney mostra como você pode se tornar um Analista de Ações em 2021. Clique aqui para se inscrever.