Aço: 68% dos preços do segmento subiram nos mercados emergentes

Segundo relatório de junho divulgado pelo Meps, fraca demanda ainda é a grande restrição à recuperação do setor

SÃO PAULO – O Meps – consultoria britânica especializada no mercado de aço – divulgou nesta segunda-feira (29) que 68% dos preços de produtos siderúrgicos nos mercados em desenvolvimento subiram em junho. Analisando o desempenho das principais economias emergentes do mundo, a associação mostra que a fraca demanda ainda é a grande restrição à recuperação do setor.

Segundo o relatório, as cotações de aço longo na Turquia apresentaram estabilidade até a metade de junho. Desde então, a oferta doméstica do país tem crescido. No entanto, a demanda interna continua enfraquecida.

Outra economia cuja demanda básica segue limitada é a dos Emirados Árabes Unidos, apesar da redução significante dos seus níveis de estoque. Seus valores de transação atingiram altas margens em junho, no entanto, as fracas condições de negociação na Europa têm ameaçado esses ganhos.

PUBLICIDADE

No Brasil, a demanda segue restrita, mesmo com o crescimento da confiança em torno do setor siderúrgico. Vale destacar que o governo local anunciou nesta sessão a manutenção da redução do IPI (Imposto sobre Produto Industrializado) para automóveis entre outros produtos, notícia bem recebida pelas indústrias locais.

Índia e leste europeu dão sinais de recuperação

Na Índia, o sentimento de otimismo dos produtores de aço plano tem melhorado. Além disso, a evidente recuperação da demanda básica do país e o crescimento das embarcações de bens de capital e de produtos de linha branca contribui para a melhoria do setor. No entanto, a diminuição de barreiras para importações tem puxado os preços para baixo, devido ao menor custo de importação.

A atividade siderúrgica no leste europeu também tem avançado. Produtores russos e ucranianos estão priorizando a venda de outros produtos ao invés dos acabados, devido ao mercado saturado do último. No mercado doméstico, enquanto a Rússia tem ampliado sua capacidade de produção, anunciando que reativará alguns de seus fornos, metade dos produtores da Ucrânia espera que a produção interna mantenha níveis de ociosidade.

África do Sul e México seguem preocupantes

Segundo o Meps, as condições de negociação da África do Sul continuam “medíocres”. Enquanto as companhias siderúrgicas estão restringindo seus níveis de estoque e dando prioridade à manutenção de caixa, a demanda está receosa em adquirir produtos em excesso.

No entanto, a reação das produtoras do país não converge: enquanto a ArcelorMittal aumentou o preço do aço longo e do aço plano, a Highveld optou por manter os mesmos patamares de preço no mercado doméstico para junho e julho. Já a Cisco manteve os preços inalterados em junho, mas pretende aumentá-los no próximo mês.

Por fim, a produção de aço do México continua limitada pela deterioração das condições tanto da economia quanto do financiamento local. As quedas da confiança dos produtores e dos valores de transação atenuam o cenário pessimista. Porém, espera-se que até o final do ano o volume de vendas de produtos provenientes de aço longo mostre evolução, o que deve ser suportado pelos diversos projetos anunciados no segmento rodoviário e portuário.