Em forte baixa

Ação da Alpargatas (ALPA4) fecha com queda de mais de 10% após balanço, mas BBI mantém visão positiva para ação

Para o BBI, embora esses resultados não representem um catalisador para o call, a tese de investimento continua no caminho certo

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – Mesmo em meio à alta do lucro e vendas nos EUA se destacando, as ações da Alpargatas (ALPA4), dona da Havaianas, registram forte queda após o resultado. Os ativos fecharam com queda de 10,56%, a R$ 38,63, também em meio ao cenário mais negativo para a Bolsa como um todo, com o Ibovespa fechando esta sexta-feira (29) em baixa de 2,09%.

De acordo com o Bradesco BBI, o volume de vendas de Havaianas ficou em linha com as estimativas dos analistas da casa, mas com algumas diferenças.

A receita líquida cresceu 12,7%, saindo de R$ 943,5 milhões há um ano, para R$ 1,062,9 bilhão no trimestre encerrado em 30 de setembro de 2021.

A alta no Brasil foi ainda maior, 13,9%, superando a estimativa de alta de 5% da casa, enquanto o mercado internacional cresceu 8,3% na receita líquida, esse ponto sim decepcionando as projeções do banco.

Entretanto, em termos de volume, as vendas no Brasil avançaram só 1,1% e no exterior 23,4%. No total, o volume de peças vendidas cresceu 1,7%, para 69,477 milhões, chegando a 186,451 milhões no acumulado do ano.

Já o Ebitda ficou ligeiramente abaixo da estimativa dos analistas devido à pressão na margem bruta, algo que se tornou uma preocupação significativa para os investidores.

Porém, avaliam os analistas, os resultados se mostraram resilientes (apesar de um pouco abaixo do previsto). Na
linha final, o lucro de R$ 155 milhões foi 6% superior à estimativa deles.

O Bradesco BBI destaca que, apesar de acreditar que os resultados seriam neutros para a companhia, poderia haver  alguma decepção pelo fato de o negócio internacional não ter apresentado números mais fortes. O volume de vendas subiu 8% na comparação com o terceiro trimestre de 2019, em desaceleração ante a alta de 18% no primeiro semestre.

Contudo, os analistas da casa mantiveram recomendação de compra e visão otimista para Alpargatas, dada a forte história focada em 1) crescimento internacional, 2) otimização de mix e preço no Brasil, e 3) expansão de margem, impulsionada pelos pontos 1 e 2, também como ganhos de produtividade e eficiência. Já o preço-alvo caiu de R$ 63 para R$ 58 devido a uma taxa de desconto um pouco mais alta.

Para o BBI, embora esses resultados não representem um catalisador para o call, a tese de investimento continua no caminho certo. Os analistas ressaltam que os múltiplos das ações não estão baixos, mas são razoáveis para uma ação de qualidade que esperamos entregar uma taxa de crescimento anual composta (CAGR, na sigla em inglês) para o lucro líquido de 20% entre 2021 e 2024, além de ser uma ação que fornece um porto seguro no meio do mercado atual de maior volatilidade.

Curso inédito “Os 7 Segredos da Prosperidade” reúne ensinamentos de qualidade de vida e saúde financeira. Faça sua pré-inscrição gratuita.

Compartilhe