Criptoativos

A mineração de Bitcoin parece ter sobrevivido à proibição na China

De setembro de 2021 a janeiro deste ano, a contribuição do país à rede de mineração da criptomoeda só ficou atrás da dos Estados Unidos

Por  CoinDesk -

Segundo o Centro de Finanças Alternativas da Universidade de Cambridge (CCAF, na sigla em inglês), a China está contribuindo mais uma vez com operações significativas de mineração de Bitcoin (BTC), apesar da proibição do ano passado.

Dados do Índice de Consumo de Eletricidade do Bitcoin (CBECI), do CCAF, indicam que, de setembro de 2021 a janeiro deste ano, a contribuição da China à rede de mineração da criptomoeda só ficou atrás da dos Estados Unidos. O CBECI monitora a atividade de mineração ao redor do mundo com base nos dados de geolocalização relatados por pools parceiras.

Após as severas sanções a mineração de BTC no país no ano passado, a atividade da China foi reduzida a 0% em julho e agosto. No entanto, dados recentes do CCAF indicam que a atuação subiu para 22,29% em setembro e se manteve a 20% entre outubro de 2021 e janeiro deste ano.

Leia mais: 

Isso indica que a atividade de mineração secreta segue seu curso na China. “O acesso a redes de eletricidade independentes e as operações de baixa escala geograficamente espalhadas são um dos principais recursos utilizados por mineradores para esconder as operações das autoridades e contornar a proibição”, declarou o CCAF, segundo relatado pelo jornal South China Morning Post.

A súbita queda para 0% em julho e agosto seguida de um rápido aumento nos meses seguintes sugere que as empresas de mineração podem estar operando secretamente e escondendo sua localização, usando serviços estrangeiros de proxy para afastar atenção indesejada e escrutínio.

O Cazaquistão, por exemplo, foi um dos destinos favoritos dos mineradores. Segundo o CBECI, a porção da rede do país atingiu mais de 18% em agosto do ano passado.

Em setembro, mineradores devem ter percebido que os serviços estrangeiros de proxy estavam funcionando e que não precisavam se esforçar tanto para esconder suas operações na China.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe