Mineração cripto

Como é uma fazenda de mineração de Bitcoin? Veja fotos impressionantes de instalações na Rússia e outros 5 países

Os repórteres do CoinDesk viajaram pela Europa, Ásia e América do Norte para visitar mineradoras de criptomoedas

Por  CoinDesk -

A mineração de criptomoedas tem muitas formas e tamanhos, e é realizada tanto em mega instalações sob o sol escaldante do Texas, nos Estados Unidos, como em pequenas usinas nos Alpes nevados da Itália.

Os repórteres do CoinDesk viajaram pela Europa, Ásia e América do Norte para capturar a diversidade das fazendas que produzem cripto. A atividade é uma indústria pouco compreendida, em grande parte porque os mineradores tendem a ser extremamente secretos. As preocupações com a segurança, juntamente com a incerteza regulatória, tornaram esse setor cauteloso com os holofotes. O fato de muitos mineradores terem começado como empreendedores independentes conectando-se diretamente a usinas hidrelétricas na China não ajudou a reputação do setor.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Como resultado, a imagem muitas vezes evocada quando se pensa em mineradoras de criptomoedas é a de instalações gigantescas queimando combustíveis fósseis ou roubando eletricidade da rede – o que está longe de ser toda a verdade. O debate público em torno da atividade, compreensivelmente, depende dessa imagem, por mais incompleta que seja.

Não há dúvida de que a mineração de criptomoedas requer energia. As mineradoras a convertem em “hashes”, sequências de letras e números produzidas por algoritmos. Eles representam os “palpites” que cada plataforma de mineração faz ao tentar “encontrar” um novo bloco de Bitcoin (BTC). As melhores mineradoras podem produzir mais de 100 terahashes por segundo (TH/s). O modelo mais recente da Bitmain, maior fabricante de hardware especializado em mineração, pode chegar a 255 TH/s. (Um terahash equivale a 1 trilhão de hashes. Um petahash representa 1 quatrilhão de hashes. Um exahash representa 1 quintilhão de hashes.)

Leia também:
A mineração de Bitcoin pode ser sustentável e ajudar a tornar o mundo mais verde?

A indústria hoje emprega uma grande diversidade de abordagens para essa tarefa, e cresceu em inovação e sofisticação ao longo dos anos.

O objetivo deste ensaio fotográfico é mostrar como é a mineração de criptomoedas em diversas partes do mundo. Aqui vai um spoiler: muitas das instalações visitadas são alimentadas por energia renovável.

Kryptovault – Hønefoss, na Noruega

mineração bitcoin
Legenda foto 1: Subestação de eletricidade que alimenta uma fazenda de mineração de Bitcoin nos subúrbios de Hønefoss, na Noruega. (Eliza Gkritsi)

A apenas uma hora de Oslo, capital da Noruega, fica Hønefoss, cidade com cerca de 14 mil habitantes. Quando o CoinDesk visitou o local no final de fevereiro, durante o inverno europeu, o dia estava ensolarado, o que não é comum, e a neve estava derretendo lentamente. O clima frio é perfeito para uma fazenda de mineração de criptomoedas, pois diminui o custo de resfriamento das máquinas.

mineração bitcoin
Legenda foto 2: Equipamentos ASICs, da Bitmain, “aposentados” nas instalações da Kryptovault na Noruega. (Eliza Gkritsi)

A Kryptovault, com sede em Oslo, administra uma fazenda de mineração de 40 megawatts (MW) nos subúrbios. Dessa capacidade, apenas 18 megawatts estão funcionando atualmente, disse o CEO Kjetil Pettersen ao CoinDesk durante nossa turnê. A empresa desligou todos os seus equipamentos Bitmain Antminer S9s no final de 2021, e está substituindo todos por S19s mais novos e com maior eficiência energética.

Essa é uma prática comum entre as mineradoras de criptomoedas: à medida que as máquinas mais novas ficam online, os modelos mais antigos não conseguem manter os lucros, a menos que a operação tenha acesso à eletricidade muito barata.

mineração bitcoin
Legenda foto 3: A Kryptovault instalou painéis de cancelamento de ruído, vistos à esquerda, em sua mina em Hønefoss após reclamações de vizinhos. (Eliza Gkritsi)

Devido à proximidade da instalação com a área residencial e às reclamações dos vizinhos, a Kryptovault teve que gastar cerca de US$ 2 milhões para instalar painéis de redução de ruído.

mineração bitcoin
Legenda foto 4: Secagem de madeira em um contêiner usando o calor produzido pelas plataformas de mineração de BTC da Kryptovault, na Noruega. (Eliza Gkritsi)

 

Legenda foto 5: O calor é bombeado da sala onde os ASICs de mineração de Bitcoin estão trabalhando para dentro de contêineres com madeiras. (Eliza Gkritsi)

 

Legenda foto 6: Pilhas de madeira esperando para serem secas, do lado de fora da fazenda de mineração de Kryptovault, na Noruega. (Eliza Gkritsi)

A mina Kryptovault também está oferecendo um subproduto da mineração de BTC para uma empresa local gratuitamente: calor. Uma madeireira está usando o excesso de calor da computação para secar a madeira que depois vende. O calor das plataformas de mineração é bombeado para recipientes fora da instalação onde o material é seco.

 

PoW Energy, PoW Containers, Meatze – Sul da Espanha

Legenda foto 7: Painéis solares alimentam as plataformas de mineração em um contêiner. (Eliza Gkritsi)

 Dirigimos de Madri para o sul da Espanha por cerca de quatro horas para visitar a fazenda de mineração PoW Containers. Passamos por inúmeras amendoeiras e oliveiras, fizemos várias curvas por estradas rurais, incluindo uma longa estrada de terra, para chegar à mina, que é movida a energia solar.

A Espanha tinha 14 gigawatts (GW) de energia produzida por painéis solares em 2020, a maioria na parte sul do país, segundo a Agência Internacional de Energias Renováveis.

A fazenda de energia solar tem uma capacidade máxima de 10 MW, e a mineradora de Bitcoin consome cerca de 500 quilowatts (KW) – uma pequena porção. A mina de BTC é como uma garantia para a fazenda, que, de outra forma, só teria a opção de vender a energia para o sistema conectado à rede de distribuição, disse Jon Arregi, fundador da Meatze e da Proof of Work Containers, duas empresas que estão construindo minas modulares de contêineres e implantando-as em locais em todo o mundo. Europa. Da mesma forma, à noite a mina extrai sua energia da rede.

Legenda foto 8: À esquerda, o transformador de eletricidade que fornece energia diretamente ao contêiner de mineração localizado à direita da foto, em uma pequena fazenda de mineração no sul da Espanha. (Eliza Gkritsi)

A eletricidade da fazenda solar é convertida de baixa para alta tensão e é bombeada diretamente para as máquinas, disse Arregi.

As máquinas de mineração, que produzem cerca de 12 petahashes por segundo no total, são alojadas em um recipiente sem identificação para evitar olhares indiscretos – a segurança é uma grande preocupação em um setor em que uma máquina individual pode custar mais de US$ 10 mil. Essa mina em particular não é visitada com frequência, exceto em emergências, e está longe de qualquer instalação residencial, tornando a segurança um desafio ainda maior.

Foto 9: As ASICs de mineração de Bitcoin são submersas em um líquido de resfriamento em uma instalação no sul da Espanha. (Eliza Gkritsi)

 Para evitar o superaquecimento das máquinas sob o sol quente espanhol, a empresa PoW usa resfriamento por imersão. Essa tecnologia envolve colocar as máquinas em gavetas e depois encher essas gavetas com um óleo mineral especializado. Quando as máquinas estão funcionando, o óleo quente sobe à superfície e é resfriado ao passar por uma série de tubos com água fria. O óleo frio é então bombeado de volta para a gaveta.

Blockchain HIVE – Boden, na Suécia

Foto 10: Mover-se pelas instalações de mineração de Ethereum da HIVE Blockchain, em Boden, na Suécia, é como se teletransportar do Ártico para uma praia tropical a cada poucos metros. (Sandália Handagama)

Em março, o CoinDesk visitou uma das maiores fazendas de mineração de criptomoedas da HIVE Blockchain localizadas em Boden, uma cidade militar no norte da Suécia. A extensa instalação de quase 600 metros quadrados, montada no que costumava ser um hangar de helicóptero militar, agora abriga mais de 15 mil rigs de mineração. Quando o CoinDesk fez a visita, a instalação estava sendo expandida ainda mais, e em breve irá abrigar mais de 17 mil máquinas e 120 mil unidades de processamento gráfico (GPU). A maioria dos GPUs são modelo RX580s da empresa AMD.

Foto 11: A ampla instalação da HIVE Blockchain, em Boden, na Suécia, costumava ser um hangar de helicóptero militar (Sandali Handagama)

 A instalação de 30 MW extrai energia de duas usinas hidrelétricas próximas. A maior parte de sua energia é comprada da Vattenfall, uma empresa multinacional de energia estatal sueca. O Ethereum (ETH) representa cerca de 80% da criptomoeda extraída do local. O resto é BTC.

Foto 12: A instalação da HIVE de Boden extrai energia de dois produtores locais de energia hidrelétrica, incluindo a Vattenfall, uma das maiores empresas estatais de energia da Suécia. (Sandália Handagama)

 

Foto 13: A instalação da HIVE extrai energia de dois produtores locais de energia hidrelétrica, incluindo Boden, o produtor regional de energia. (Sandália Handagama)

 A fazenda de mineração de Boden é um impressionante labirinto de máquinas, organizadas de forma a otimizar os sistemas de refrigeração e as condições de pressão para alta eficiência. À medida que nos movíamos pelas instalações, a cada poucos metros a temperatura mudava drasticamente, como se estivéssemos nos teletransportando entre o Ártico e uma praia tropical a cada vez. A área do lado de fora através da qual o ar quente deixa a instalação é apelidada de zona “sem neve”, e é o único espaço na propriedade que não está coberto de gelo ou neve.

Foto 14: Além da mineração de Ethereum, a HIVE Blockchain, de Boden, também abriga ASICs para mineração de Bitcoin. (Sandália Handagama)

 

Foto 15: A instalação abriga cerca de 15 mil rigs de mineração, a maioria delas minerando Ether. (Sandália Handagama)

 A instalação está em constante evolução para melhorar a eficiência do processo de mineração, disse um representante da HIVE ao CoinDesk. A equipe está sempre testando novas máquinas, substituindo equipamentos antigos pelos mais recentes, e procurando maneiras de empilhar mais máquinas em um espaço menor. “Até usamos o mesmo ar duas vezes”, falou ele.

Foto 16: A instalação da HIVE Blockchain em Boden é um labirinto complexo de máquinas e fiação. (Sandália Handagama)

 A HIVE Blockchain é uma empresa de capital aberto, com instalações de mineração na Suécia, Islândia e Canadá. A fazenda de mineração de ETH de Boden foi criada em 2017.

Alta Novella, Borgo d’Anaunia – Alpes italianos

 

Foto 17: Alta Novella, uma pequena usina hidrelétrica pertencente a um município do norte da Itália chamado Borgo d’Anaunia começou recentemente a minerar Bitcoin (Sandália Handagama)

Depois de uma curta viagem de trem panorâmico saindo das famosas cidades dos Alpes da Itália, e um passeio de carro de 20 minutos pelas estradas geladas das montanhas, chegamos a Alta Novella, uma pequena usina hidrelétrica pertencente ao município de Borgo d’Anaunia, onde vivem 2.500 pessoas.

Alta Novella recentemente se tornou lar da primeira fazenda de mineração de BTC da Itália administrada por um município. Há 40  mineradores ASIC encostados em uma parede atrás da turbina do local. O prefeito de Borgo d’Anaunia, o millenial Daniele Graziadei, convenceu seus eleitores a investir nas mineradoras como forma de diversificar a renda da usina.

Foto 18: A usina hidrelétrica de Alta Novella abriga 40 mineradores ASIC na sala de turbinas. (Sandália Handagama)
Foto 19: Trabalhadores municipais gerenciam a usina enquanto a startup de tecnologia Alps Blockchain cuida da manutenção das mineradoras. (Sandália Handagama)

O local extrai água de um pequeno rio. Dependendo da vazão, a usina pode gerar de 120 a 600 quilowatts-hora. Se a produção total chegar a 600 KW, cerca de um quinto dela vai para as mineradoras.

No inverno, a chuva foi escassa. Durante tempos de baixa produção, pequenas fábricas como essa normalmente fecham porque não podem cobrir os custos. Mas Graziadei disse ao CoinDesk que, graças às mineradoras, a planta pode permanecer em operação durante as baixas temporadas, com cerca de metade de sua produção canalizada para os equipamentos.

Quando o CoinDesk visitou o local em fevereiro, apenas um punhado dos 40 ASICs estava funcionando. É uma pequena operação; uma que pode facilmente caber em um porão médio. No entanto, está projetada para causar um impacto significativo na sustentabilidade da usina, disse Graziadei.

Foto 19: O prefeito Daniele Graziadei disse que faltou neve e chuva no inverno, paralisando a produção de energia da Alta Novella como resultado. (Sandália Handagama)
Foto 20: Graças à falta de chuva, apenas alguns equipamentos ficaram ligados. (Sandália Handagama)

 A Alps Blockchain, a startup de mineração italiana que configurou as máquinas e agora cuida da manutenção, compra o poder de computação produzido pelos mineradores da Alta Novella por cerca de 35% a mais do que o governo oferece por quilowatt-hora de energia. O poder de computação é então vendido para pools de mineração em todo o mundo. Os lucros da mineração ajudam a Alta Novella a cobrir os custos de manutenção, disse Graziadei.

Valstagna, Vêneto – Norte da Itália

Foto 21: A usina hidrelétrica de Valstagna, localizada na região de Veneto, na Itália, abriga 300 mineradores ASIC configurados pela Alps Blockchain. (Sandália Handagama)

 Em fevereiro, o CoinDesk visitou Valstagna, uma usina hidrelétrica histórica centenária localizada na região de Vêneto, na Itália. Localizada em um vale emoldurado por montanhas gigantescas, Valstagna, que fornecia energia para a indústria siderúrgica local, agora fornece energia para a rede nacional. É também uma das 18 usinas hidrelétricas no norte da Itália que fizeram parceria com a startup de tecnologia Alps Blockchain para minerar Bitcoin no local.

Foto 22: As plataformas de mineração ficam em duas prateleiras que se erguem sobre as turbinas. (Sandália Handagama)
Foto 23: A instalação abriga 300 mineradores ASIC e atualmente está adicionando mais 150. (Sandália Handagama)

 O contraste entre o antigo e o novo é gritante: elevando-se sobre as turbinas da usina há duas prateleiras com 300 ASICs. Quando o CoinDesk visitou o local, a instalação estava se preparando para montar outra prateleira com mais 150 rigs de mineração. Os moradores da cidade vizinha não têm ideia de que a usina de energia do bairro está minerando Bitcoin, disse um representante.

Foto 24: A histórica usina de Valstagna tem cerca de um século e é usada para fornecer energia à indústria siderúrgica local. (Sandália Handagama)

 A Valstagna tem capacidade máxima de 10 MW, mas a produção varia significativamente. Uma parcela de cerca de 1MW é constantemente usada para minerar BTC. A Alps Blockchain compra o poder de computação produzido nas usinas por preços mais competitivos. A Valstagna é uma instalação pertencente a um grande produtor de energia local, que está procurando expandir as operações de mineração para outras regiões em parceria com a startup.

Bitfarms – Québec, no Canadá

 O CoinDesk visitou três instalações de mineração da Bitfarms, uma das maiores operações de mineração de BTC no Canadá. A empresa de capital aberto tem um total de seis locais para produção de cripto no Canadá; outros três estão sendo montados no estado de Washington, nos Estados Unidos, no Paraguai e na Argentina. A empresa pretende atingir um hashrate de 3 exahashes por segundo (EH/s) até o final do primeiro trimestre deste ano e 8 EH/s até o final de 2022.

Foto 25: O presidente da Bitfarms, Geoff Morphy, na frente das fileiras de equipamentos para mineração. (Aoyon Ashraf)
Foto 26: Um funcionário da Bitfarms inspecionando mineradores em Cowansville. (Aoyon Ashraf)

 O CoinDesk visitou as três instalações da Bitfarms na província de Québec, no Canadá. Um deles, na pequena cidade de Cowansville, está totalmente operacional. Os outros dois, ambos em Sherbrook, estão em construção. Todos os locais operam com energia hidrelétrica a um custo médio de cerca de US$ 0,04 por quilowatt-hora. Para comparação, a Marathon Digital, uma das maiores mineradoras de capital aberto do mercado, disse recentemente que para hospedar suas mais de 100 mil mineradores nos EUA, o custo total será de cerca de US$ 0,042 por quilowatt-hora. Enquanto isso, o custo médio de eletricidade no varejo no Texas, lar de muitos “fabricantes” de BTC, foi de US$ 0,0858 por quilowatt-hora em 2020, de acordo com a Global Energy Institution.

Foto 27: Instalação de mineração de Bitcoin da Bitfarms na cidade de Cowansville, na província de Québec (Aoyon Ashraf).
Foto 28: Equipamentos para mineração nas instalações da Bitfarms em Québec. (Aoyon Ashraf)

 A instalação em Sherbrook – chamada de “Bunker” – foi projetada pelos inquilinos anteriores para ser uma destilaria de etanol, e é uma planta à prova de bombas (daí o nome). Terá 18MW na fase um, outros 18MW na fase dois e mais 12MW na fase três durante o verão do hemisfério norte. Quando concluída, a instalação produzirá quase 1 EH/s somente nesta instalação.

Foto 29: A instalação de mineração “Bunker”, em Sherbrooke, no Quebec, é à prova de bombas. (Aoyon Ashraf)

A instalação “Leger”, que fica a cerca de 3 quilômetros da “Bunker”, terá potência de mineração de 30 MW e 800 PH/s. Ambas as instalações de Sherbrook são totalmente alimentadas por energia hidrelétrica, sendo 99% de energia verde, o que significa uma fonte renovável de energia.

Foto 30: Fora da instalação “Leger” da Bitfarms, em Sherbrooke, no Québec (Aoyon Ashraf).

Além da energia hidrelétrica, outra grande vantagem de estar em Québec é o gerenciamento de calor “passivo”. Para neutralizar o calor gerado pela operação massiva da Bitfarms, as instalações não precisam de um sistema de refrigeração de ar ativo. Em vez disso, devido ao clima mais frio, a Bitfarms pode usar o ar externo para resfriar os computadores de mineração, limitando o custo operacional e o uso de energia.

Foto 31: Sistema de refrigeração de ar da Bitfarms em Québec (Aoyon Ashraf).
Foto 32: Usina hidrelétrica que fornece energia para as instalações da Bitfarms em Cowansville (Aoyon Ashraf)

BitCluster – Norilsk, Rússia

As estepes congeladas do norte da Rússia são perfeitas para mineradoras de criptomoedas (apesar do clima geopolítico), com amplo espaço e temperaturas frias em um local que poucas outras indústrias desejam habitar.

Foto 33: A mineradora da BitCluster, em Norilsk, na Sibéria, está localizada acima do Círculo Polar Ártico. O aquecimento das máquinas de mineração às vezes é uma preocupação, disse um representante da empresa. (BitCluster)

“Às vezes, nossa tarefa não é resfriar os dispositivos, mas aquecê-los”, disse um representante do BitCluster ao CoinDesk. A empresa também treina seus próprios funcionários para operar as minas, contratando de cidades locais, disseram os representantes.

Foto 34: Um técnico inspeciona plataformas de mineração na mina da BitCluster em Norilsk, na Sibéria. (BitCluster)

 Em Norilsk, a segunda maior cidade acima do Círculo Polar Ártico, as minas de BTC coexistem com a indústria metalúrgica. A cidade, onde as temperaturas podem cair para – 20 graus Celsius, obtém a maior parte de sua renda do processamento de níquel, cobre, cobalto, platina, paládio e carvão extraídos em depósitos próximos.

A mineradora de Bitcoin está alojada em uma antiga planta de processamento de níquel e tem capacidade de 31 MW, disse a empresa ao CoinDesk.

“Todos os nossos data centers estão localizados em zonas industriais especiais”, falou um representante. Na Rússia, esses locais são muitas vezes inacessíveis ao público, e os jornalistas precisam de permissão especial para entrar.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe