4 empresas brasileiras listadas no exterior podem ingressar no índice MSCI do país, aponta Morgan Stanley

Por outro lado, Carrefour Brasil, CPFL Energia, CSN, Engie Brasil e Magazine Luiza poderiam deixar o índice

Felipe Moreira

Mercado de ações (Foto: Getty Images)

Publicidade

O Morgan Stanley vê uma probabilidade crescente de que empresas brasileiras listadas no exterior, mas não no Brasil, sejam incluídas no índice padrão MSCI (Morgan Stanley Capital International) Brasil se o país atender ao requisito de materialidade de listagem estrangeira.

NU, XP, Stone e JBS nos EUA estão entre os nomes mais cotados para ingressar no índice. Segundo projeções do banco, o impacto comercial combinado para NU, XP e STNE poderia ser de US$ 3,5 bilhões, ou em média 9 dias de ADTV (Volume médio diário negociado).

Por outro lado, constituintes menores do atual índice MSCI Brasil, como Carrefour Brasil (CRFB3), CPFL Energia (CPFE3), CSN (CSNA3), Engie Brasil (EGIE3) e Magazine Luiza (MGLU3) poderiam ser eliminados do índice. O Morgan estima que a saída potencial desses 5 nomes poderia ser superior a US$ 1,1 bilhão, ou em média 8 dias de ADTV combinado.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A MSCI testa regularmente o requisito de materialidade de listagem estrangeira nas suas revisões de índice, que ocorrem em fevereiro, maio, agosto e novembro. As próximas revisões do índice estão programadas para novembro de 2023 e fevereiro de 2024.

O time análise do Morgan explica que as empresas listadas apenas no exterior precisam cumprir 2 requisitos para inclusão: Seu valor de mercado ajustado pelo free float deve ser igual ou maior que a) 5,00% do índice MSCI de mercado de investimento do país (IMI) e b) 0,05% do MSCI ACWI IMI. As ações brasileiras listadas apenas no exterior atendem ao primeiro limite, mas atualmente falham no segundo em US$ 5,0 bilhões.

Por fim, analistas comentam que continuarão monitorando o desempenho das empresas brasileiras listadas apenas no exterior e acompanhando a potencial listagem da JBS nos EUA, já que ambos os eventos poderiam ajudar a fechar a atual lacuna de capitalização de mercado ajustada pelo free float de US$ 30,9 bilhões (ou seja, cerca de +16% de retorno relativo).