IPO: como funciona a estreia de uma empresa na Bolsa

As ofertas públicas iniciais podem ser uma oportunidade tanto para investidores de longo prazo quanto para os que estão interessados em obter ganhos rápidos

IPO
(Crédito: Getty Images)

Um dos eventos do mercado financeiro acompanhados mais de perto pelos investidores são os IPOs. Eles marcam a estreia de uma empresa na Bolsa de Valores e costumam despertar curiosidade e interesse — além da ambição de obter ganhos. Mas o que exatamente é um IPO, e como é possível lucrar com ele?

Este guia do InfoMoney foi elaborado para explicar esses detalhes e tirar as principais dúvidas dos investidores sobre IPOs. Você vai saber quais são as etapas envolvidas no processo e também para quem é indicado participar de uma abertura de capital. Confira:

• O que é IPO?
• Por que empresas fazem IPOs?
• Requisitos para fazer um IPO
• Passo a passo do IPO
• Tipos de ofertas
• Vale a pena investir em IPOs?
• Como participar de um IPO

O que é IPO?

Em inglês, IPO é a sigla para “initial public offering”, ou “oferta pública inicial” em português. Representa a primeira vez que uma empresa receberá novos sócios realizando uma oferta de ações ao mercado. Ela se torna, então, uma companhia de capital aberto com papéis negociados no pregão da Bolsa de Valores.

Normalmente, as empresas que fazem um IPO estão em um estágio de maturidade avançado dos seus negócios. Essas operações no Brasil, historicamente, são bastante grandes, podendo atingir a casa das centenas de milhões de reais.

Por que empresas fazem IPOs?

Para as empresas, o IPO é um processo complexo e muitas vezes caro. Ele envolve uma mudança de mentalidade da gestão, que passará a ter de fornecer informações próprias para o mercado e a conviver com novos acionistas. Por que, então, muitas delas optam por abrir o capital? Entenda algumas das principais razões:

Acesso a capital

Emitir ações é uma das maneiras que as empresas têm para levantar recursos. Para se tornarem acionistas de uma companhia — e, com isso, poderem participar dos seus resultados — os investidores precisam comprar os papéis, entregando dinheiro em troca deles. Esses valores em geral financiam investimentos necessários para que a empresa cresça e prospere.

Existem outras formas de as empresas obterem recursos, é claro. As mais clássicas são as receitas geradas pelo próprio negócio ou os empréstimos bancários. Levantar dinheiro emitindo ações, porém, envolve algumas vantagens. Diferentemente de um financiamento, ações não têm vencimento, nem preveem um retorno específico. Com isso, a empresa fica livre de precisar ter os valores disponíveis, com certa rentabilidade, numa data definida.

Além disso, dado o tamanho das operações e o prazo de retorno dos investimentos financiados por meio delas, o custo de emitir ações pode ser bem menor do que o dos financiamentos bancários ou outros tipos de operações de crédito.

Liquidez

Abrir o capital também pode representar uma maneira de as empresas darem liquidez a seus empreendedores ou sócios — ou seja, é uma possibilidade para que eles vendam suas ações a outros investidores do mercado, transformando papéis em dinheiro no bolso.

Você pode estar se perguntando por que um empreendedor poderia querer se desfazer das suas próprias ações. Por uma variedade de fatores. Ele pode estar interessado em criar outros novos negócios, por exemplo — e para isso precisa ter recursos em caixa. Ou pode perceber que, diante dos resultados e perspectivas para a empresa, suas ações estão valendo muito. Embolsar esse dinheiro, portanto, é uma ótima ideia.

Há ainda o caso dos fundos de venture capital e private equity, que se tornam sócios de empresas quando elas estão em um estágio inicial justamente vislumbrando vender suas ações com lucro mais tarde, em um IPO.

Imagem

Quando abre o capital, uma empresa precisa adequar seus processos internos e elevar tremendamente o nível de transparência sobre suas operações e resultados. Isso tudo para que os investidores tenham acesso detalhado ao que acontece nela e, assim, possam decidir sobre manter seus recursos aplicados ou não.

Isso normalmente tem dois resultados. O primeiro, um ganho de credibilidade, já que o mercado entende que uma companhia aberta apresenta um grau de governança corporativa mais elevado. O segundo, mais projeção e reconhecimento público, decorrentes da maior visibilidade na mídia e do acompanhamento recorrente por investidores e analistas.

Requisitos para fazer um IPO

Para fazer um IPO, uma empresa deve cumprir uma série de requisitos legais e regulatórios. Precisa, por exemplo, estar juridicamente constituída como uma “S/A”, ou sociedade anônima, em que seu capital é dividido em ações (e não em cotas, como no caso das companhias limitadas).

A empresa deve ainda apresentar uma série de exigências relacionadas à emissão de relatórios financeiros auditados externamente, a aspectos fiscais, a governança corporativa, a controles internos, a conformidade, a recursos humanos e também à sua própria estrutura societária.

Passo a passo do IPO

Realizar um IPO não é algo que se possa fazer de uma hora para outra. Do início ao fim, o processo pode tomar mais de um ano. Confira as principais etapas:

Planejamento e auditoria

O planejamento e a preparação de uma empresa para a abertura de capital costumam ser as etapas mais longas do processo. Tipicamente, um IPO pode levar de oito meses a três anos até acontecer, segundo cálculos de consultorias como a PWC, que atuam em operações do tipo.

Uma das razões que normalmente alongam o processo diz respeito à auditoria das finanças da empresa. A legislação exige que, para abrir o capital, a empresa apresente três anos de balanços auditados. Se a companhia já tinha por hábito auditar seus resultados – ou seja, submetê-los ao exame minucioso por uma empresa externa e independente – essa etapa fica mais fácil. Mas se esse não for o caso, pode ser necessário aguardar o período inteiro se completar para ter os números certos em mãos.

Ainda na fase de planejamento, a companhia e seus assessores financeiros definem todas as características da operação. Isso abrange desde o volume de recursos que serão captados até a composição das ações que serão oferecidas ao mercado (se serão emitidos novos papéis ou se os antigos investidores venderão parte dos que possuem) e a valoração da companhia.

Roadshow

Assim são chamadas as reuniões de apresentação da empresa e da oferta para o mercado. Esses encontros – realizados pelas instituições financeiras que assessoram a operação – costumam ser com analistas financeiros, corretoras e potenciais investidores. Eles têm a função justamente de despertar o interesse de grandes investidores a participar do negócio.

O roadshow costuma contar com a presença dos principais executivos da empresa nas reuniões, incluindo seu presidente. Elas podem acontecer no país e fora dele também, já que os investidores estrangeiros são um público importante para o mercado brasileiro. Durante os encontros, espera-se que os executivos consigam esclarecer as dúvidas dos participantes, de modo a deixá-los confortáveis com a empresa e interessados na operação.

É comum que o roadshow acabe sendo um momento cansativo do processo de IPO, porque normalmente ele dura algumas poucas semanas, com a realização de várias reuniões diárias.

Registro e listagem

Há uma série de procedimentos burocráticos a cumprir para realizar um IPO. O primeiro deles é solicitar o registro de companhia aberta junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), entidade que regula o mercado de capitais. Em paralelo, as empresas normalmente solicitam autorização para realizar uma venda de suas ações ao público. É exatamente por se tratar de uma operação de captação de poupança popular que ela precisa ser acompanhada pela CVM.

Ao mesmo tempo, a empresa também precisa solicitar a sua listagem na B3, a bolsa brasileira. Apenas quem está devidamente listado pode ter seus papéis negociados no pregão.

Nesse processo, a companhia pode escolher em que “segmento de listagem” da B3 pretende ingressar. São cinco (Nível 1, Nível 2, Novo Mercado, Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2), e cada um faz exigências específicas de governança corporativa – como a quantidade e o tipo de informações que devem divulgar, a estrutura societária que podem ter, o tipo de ações que podem emitir e a quantidade de papéis que devem permanecer em circulação no mercado.

Prospecto

O prospecto é o documento mais importante de um IPO. Muitas vezes ele tem centenas de páginas. Isso porque a proposta é que ele apresente informações essenciais para que o investidor entenda a companhia que está abrindo o capital, de modo que possa tomar uma decisão de investimento bem embasada.

As informações contidas no prospecto são, basicamente, de dois tipos: uma parte é sobre a empresa e outra, sobre a oferta em si. Elas envolvem, por exemplo, perspectivas e planos da companhia, dados sobre a situação do mercado em que ela atua, os riscos do negócio, seu quadro administrativo, as condições da operação, entre outras. Ao elaborar o documento, as companhias precisam seguir uma estrutura pré-estabelecida que determina tanto o conteúdo quanto a sua forma de apresentação.

Especificamente sobre a oferta, uma seção do prospecto acompanhada de perto pelos investidores é a que elenca os fatores de risco – seja das ações, da companhia, do ambiente econômico ou da própria operação.

Período de reserva e bookbuilding

Grandes investidores – como fundos e fundações de previdência – costumam demonstrar seu interesse por participar de um IPO durante os roadshows. Mas para os investidores não institucionais (pessoas físicas, por exemplo), as ofertas preveem um período de reserva, que é um prazo de alguns dias em que eles podem enviar seus pedidos, indicando quantas ações da nova empresa gostariam de adquirir. Isso é feito por meio das corretoras de valores que foram cadastradas para participar do procedimento.

Uma outra etapa muito importante de um IPO é o bookbuilding, mecanismo que considera a quantidade de ações que os investidores institucionais indicaram que querem comprar (e a que valor) para estabelecer o preço a que os papéis serão efetivamente lançados. O procedimento permite que a empresa tenha uma noção da receptividade da oferta pelo mercado. Com isso, consegue fixar um preço condizente com as expectativas gerais sobre ela.

Em uma data também prevista nos documentos da oferta, esse valor é divulgado, bem como a quantidade de ações que os investidores não institucionais de fato vão conseguir comprar. Dependendo da demanda, pode ser necessário realizar um rateio.

Dia D: a estreia na Bolsa

O Dia D representa a data em que as ações da nova empresa efetivamente começarão a ser negociadas no pregão. O desempenho dos papéis nesse dia costuma ser acompanhado com entusiasmo pelos investidores, porque é um indicativo de como o mercado recebeu a operação e a companhia que passou a ser listada. Muitas vezes, as cotações disparam, um bom sinal. Em outros casos, elas podem cair.

Tipos de ofertas

A oferta de ações em um IPO pode ser classificada de formas diferentes, dependendo da origem dos papéis e do destino dado aos recursos levantados. Saiba mais:

Ofertas primárias

Representam a venda de novas ações emitidas pelas companhias no mercado. O dinheiro obtido nesse tipo de operação vai para o caixa das empresas, que aumentam seu capital social. Os recursos normalmente são usados para a expansão dos negócios, por meio de novos investimentos.

Ofertas secundárias

Diferentemente das primárias, as ofertas secundárias são uma venda de ações que já existiam. As empresas, nesses casos, não realizam um aumento de capital. Os papéis normalmente pertencem a sócios que, por alguma razão, querem reduzir ou se desfazer de sua participação no negócio. Em vez de ir para o caixa da companhia, como acontece nas ofertas primárias, o dinheiro da operação vai para o bolso dos proprietários dos papéis vendidos.

Vale a pena investir em IPOs?

Quem está pensando em comprar ações lançadas em um IPO precisa, em primeiro lugar, avaliar o tipo de investimento que pretende fazer. Seus objetivos estão focados no longo prazo, e o IPO seria uma oportunidade de garantir papéis de uma companhia para mantê-los por bastante tempo, ou são de curto prazo, pensando em uma venda imediata?

Para quem pensa no IPO como uma chance de se tornar sócio de uma empresa e crescer junto com ela, é preciso considerar alguns aspectos. Normalmente, não se possui um histórico longo de informações de uma empresa que está abrindo o capital, justamente porque ela é nova no mercado. O regramento sobre ofertas públicas estabelece a necessidade de apresentar informações sobre os três últimos anos, o que pode dificultar saber como a empresa reage em períodos econômicos distintos.

Também deve-se levar em conta que, por conta disso, os atuais sócios da empresa sabem muito mais sobre ela do que o mercado em geral. Isso representa uma assimetria de informações. É difícil, ainda, saber como a empresa que está estreando na bolsa está em relação a seus concorrentes, principalmente se ela pertencer a um setor com poucas companhias já listadas no pregão.

Por isso tudo, os interessados em investir em um IPO precisam acompanhar de perto as análises elaboradas por especialistas. Eles têm acesso às mesmas informações disponíveis para o público, mas como conhecem profundamente o mercado conseguem entender melhor a situação das companhias e emitir opiniões embasadas sobre elas.

Há, no entanto, investidores interessados em participar de IPOs com o objetivo de rapidamente se desfazerem das ações – no mesmo dia em que elas começam a ser negociadas no pregão. Eles são o que se costuma chamar de “flippers”.

Os flippers existem porque é bastante comum que as ações de uma empresa que faz IPO subam no primeiro dia de negociação. Isso acontece porque, em geral, a companhia só avança com o processo de abertura de capital quando sente que o mercado está aquecido. E se esse é o caso, é possível (ou até provável) que a demanda pelos papéis continue grande mesmo depois do período de reserva e do bookbuilding.

Quanto mais interessados houver em comprar as ações, maior é a tendência de que as cotações subam logo no início da negociação. No Brasil, há casos de papéis cujos preços avançaram mais de 20% só no primeiro dia.

Passo a passo; como participar de um IPO

Se depois de ler tudo isso você ficou interessado em participar de um IPO, confira o passo a passo abaixo e se prepare para os próximos:

1. Abra conta em uma corretora

As corretoras de valores são as instituições que fazem a intermediação dos negócios na bolsa de valores. Elas também são as responsáveis pela distribuição das ações vendidas durante os IPOs. Se você está de olho em uma abertura de capital específica, verifique quais corretoras estão envolvidas no processo de distribuição e opte por uma para poder participar.

Participe de IPOs com taxa ZERO para corretagem de ações: abra uma conta gratuita na Clear!

2. Verifique que empresas estão abrindo o capital

Você pode consultar nos sites da CVM, da B3 ou junto à sua corretora que empresas estão realizando IPOs. Faça essa escolha com consciência e atenção. Procure conhecer o que cada companhia faz e analisar as perspectivas dos seus negócios. É importante saber os detalhes para evitar comprar ações e depois arrepender-se disso.

3. Faça um pedido de reserva

Na corretora que você tiver escolhido, solicite os documentos para fazer um pedido de reserva de ações. Nele você indicará o volume financeiro que gostaria de investir e a que valor das ações. Encaminhe o pedido e outros documentos que forem necessários e aguarde as próximas etapas do processo acontecerem. Pode ser necessário depositar garantias para assegurar a participação no IPO.

4. Realize o pagamento

Quando o processo de bookbuilding for finalizado, você será informado sobre o preço final dos papéis e também sobre o número exato deles que conseguirá adquirir. Transfira os recursos para sua conta para que o pagamento aconteça.

5. Acompanhe o início das negociações

Os papéis começarão a ser negociador no pregão da B3 em seguida. Acompanhe o desempenho deles e também a performance da empresa, como você faria com qualquer outra.

  • Os Pregões que fizeram história – Conheça o podcast que conta os bastidores de pregões marcantes para a Bolsa brasileira, seja por uma queda drástica ou por uma disparada.
Listen to “Os Pregões que fizeram história” on Spreaker.