Imunização

Vacina contra Covid-19: Sputnik V tem novo pedido de uso emergencial na Anvisa

Agência afirma que já começou a triagem dos documentos presentes no novo pedido; previsão para conclusão da análise é de até sete dias úteis

arrow_forwardMais sobre
Sputnik V, vacina russa contra a Covid-19 REUTERS/Agustin Marcarian
Sputnik V, vacina russa contra a Covid-19 (REUTERS/Agustin Marcarian)

SÃO PAULO – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recebeu nesta sexta-feira (26) um novo pedido de uso emergencial da Sputnik V, vacina russa contra a Covid-19.

O pedido foi feito pela União Química, laboratório brasileiro que representa o Fundo Russo de Investimentos Diretos, desenvolvedor do imunizante.

Segundo comunicado da Anvisa, essa solicitação de análise do uso emergencial da vacina representa um segundo pedido. A solicitação anterior, protocolada também pela União Química em 15 de janeiro, será cancelada.

A Anvisa afirma que já começou a triagem dos documentos presentes no novo pedido. A previsão para conclusão da análise é de até sete dias úteis.

Segundo a agência, as primeiras 24 horas serão usadas para fazer uma triagem do processo e checar se os documentos necessários estão disponíveis. Se houver informação importante faltando, a Anvisa pode solicitar informações adicionais ao laboratório.

“A Anvisa atua conforme os procedimentos científicos e regulatórios, os quais devem ser seguidos por aqueles que buscam a autorização de vacinas para serem utilizadas na população brasileira”, escreve a agência.

Sputnik V nos planos do Ministério da Saúde

Mesmo sem autorização para uso emergencial ou registro definitivo, a vacina russa contra a Covid-19 faz parte dos planos do Ministério de Saúde para imunizar toda a população brasileira em 2021. A pasta espera receber 400 mil doses do imunizante em abril; 2 milhões de doses em maio; e 7,6 milhões de doses em junho.

Leia mais
Quando a população brasileira será vacinada contra a Covid-19? Veja os cenários otimistas e pessimistas

A Anvisa concedeu registro definitivo apenas aos imunizantes produzidos pelas instituições britânicas AstraZeneca/Oxford e pelo laboratório americano Pfizer. O uso emergencial foi aprovado para a CoronaVac.

PUBLICIDADE

Participe do Treinamento gratuito Scalper Pro e entenda como extrair lucro e controlar riscos na Bolsa em operações que duram minutos ou segundos! Inscreva-se aqui.