Controle da pandemia

Sob alta pressão de infecções por Covid, SP distribui mais de 1,5 milhão de testes

Governo recomenda que os kits de testagem sejam usados em pacientes com sintomas severos

Por  Giovanna Sutto -

No momento em que os casos de Covid-19 não param de aumentar devido à disseminação da ômicron, variante do coronavírus, o estado de São Paulo anunciou ter recebido pouco mais de 1,5 milhão de testes para detectar a doença.

Os kits para diagnóstico da Covid-19 serão distribuídos aos 645 munícipios, conforme informou Jean Gorinchteyn, secretário da saúde da gestão Doria, em coletiva à imprensa realizada no Palácio dos Bandeirantes, nesta quarta-feira (9).

“No segundo bimestre de 2021, distribuímos 2,2 milhões de testes. Somente em fevereiro já distribuímos 1,5 milhão de testes e ontem [terça-feira, 8] chegaram mais 1,5 milhão que também serão distribuídos aos 645 municípios”, disse o secretário.

O Ministério da Saúde faz semanalmente entregas para abastecer o estoque dos estados. A recomendação do secretário, no entanto, é que apenas pacientes já hospitalizados e com sintomas façam os testes, ou ainda pacientes que tenham sintomas leves, mas que estejam no grupo de risco.

“Existe a necessidade de testar quem tem sintomas respiratórios mais agravados e já necessitem de internação ou pacientes que estão no grupo de risco e que, mesmo com sintoma leve, possa evoluir para algo grave”, disse.

A priorização se faz necessária porque não só São Paulo, mas várias estados lidam com a escassez de testes devido à alta procura após as festas de fim de ano.

No início de janeiro, farmácias não tinham mais estoque para oferecer testes e metade dos laboratórios privados de SP tinham kits somente para curto prazo.

Diante do risco de desabastecimento de insumos para testes de Covid-19, a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) já havia recomendado, em nota técnica, a priorização de pacientes graves para a realização dos exames.

Mais tarde, a diretoria da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou a possibilidade de comercialização de testes de Covid-19 que podem ser aplicados por qualquer pessoa, em si mesmos ou amigos e familiares, os chamados autotestes.

A agência ainda analisa quais autotestes poderão ser comercializados no país em breve.

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe