Reforma tributária é positiva, mas aumenta custo do crédito, diz Rodrigo Maia

Para ex-presidente da Câmara, questão terá de ser resolvida por meio de outras reformas, como a administrativa

Estadão Conteúdo

Publicidade

O setor financeiro considera que a reforma tributária, aprovada nesta sexta-feira (15), pela Câmara dos Deputados, é positiva para a economia, mas que vai gerar um aumento do custo do crédito. Com a “trava” de arrecadação incluída pelo Senado e mantida na Câmara, a tributação do crédito deve aumentar, fazendo com que o custo do crédito ao tomador também aumente.

“Nossa expectativa é que nesse prazo de cinco anos, possamos mostrar que a indústria bancária teve um aumento de carga, porque ficou na alíquota cheia de bens e serviços”, disse o presidente da Confederação Nacional das Instituições Financeiras (CNF), Rodrigo Maia, nesta sexta.

A reforma passou a prever, após a tramitação no Senado, que serão mantidas por cerca de cinco anos a partir da entrada do novo regime em vigor as cargas do PIS e da Cofins, que serão extintos pelo novo Imposto sobre Valor Agregado (IVA). A mudança, na prática, deve fazer com que o governo arrecade mais com as operações de crédito. O texto aprovado pela Câmara em julho previa que a tributação fosse calculada para evitar um aumento no custo do crédito.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Segundo Maia, a questão terá de ser resolvida por meio de outras reformas, como a administrativa. “Para termos uma redução da alíquota e do spread (diferença entre custo de captação e juros cobrados nos empréstimos) bancário, temos que olhar outras reformas, ter uma preocupação maior com controle de despesas e a recuperação da política de superávits primários”, afirmou.

O texto acordado na noite passada entre a Câmara e o Senado, com a retirada de alguns setores beneficiados, ficou em patamar muito positivo. Temos uma reforma que melhora demais o regime tributário do IVA, que melhora muito o ambiente de negócios, reduz o contencioso tributário do negócio direto, e torna as empresas brasileiras mais competitivas. Isso certamente terá um impacto positivo para toda a economia brasileira.

Para o setor financeiro, o texto ficou melhor?

Continua depois da publicidade

Os textos da Câmara e do Senado são muito parecidos, e não havia nenhuma expectativa dos bancos de que a trava colocada pela Câmara seria diferente da trava redigida pelo Senado. Foi boa uma trava de cinco anos para que com o imposto não cumulativo, em que as pessoas começam a entender o quanto pagam de impostos, elas entendam que haverá um aumento da carga tributária e do custo do crédito no Brasil. Nossa expectativa é que nesse prazo de cinco anos, possamos mostrar que a indústria bancária teve um aumento de carga, porque ficou na alíquota cheia de bens e serviços, o que nós sempre defendemos. Mas defendíamos também que o spread bancário, que afeta a toda a atividade econômica, não é um serviço bancário, os bancos apenas captam e emprestam. Esperamos ter ao longo do tempo um Estado mais eficiente e que custe menos, para que tenhamos menos spread. Sabemos que os impostos representam 20% (do spread), e vão representar um pouco mais com a reforma. Infelizmente não se conseguiu o fim do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) sobre o crédito, mas se conseguiu nos seguros, o que mostra uma melhor relação do setor com o Congresso e o governo. Se o Estado brasileiro avançar para uma reforma administrativa, poderemos ver no futuro que os impostos pagos pela indústria financeira geram um ônus enorme para toda a economia.

Como esse aumento de carga pode ser resolvido no futuro?

Enquanto o Brasil estiver em ciclos de déficits primários, é muito difícil vermos o setor produtivo menos onerado em impostos, porque se os déficits são crescentes, é óbvio que o governo vai procurar na atividade econômica a forma de financiar o Estado. O que esperamos em cinco, dez anos, é recuperar o que perdemos há dez, no final do segundo governo do presidente Lula, e que tínhamos desde o final do governo do presidente Fernando Henrique [Cardoso], que eram governos com superávits que garantiam um Estado mais equilibrado, uma relação dívida/PIB decrescente. Para termos uma redução da alíquota e do spread bancário, temos que olhar outras reformas, ter uma preocupação maior com controle de despesas e a recuperação da política de superávits primários.

Com as discussões sobre o arcabouço fiscal e como ele será aplicado, vai ser possível retomar os superávits?

Esse arcabouço me dá a impressão de que não será muito fácil, vai depender de variáveis não apenas internas, porque garante um crescimento real das despesas que dificulta a possibilidade real de um superávit zero. Mas temos que torcer e apostar que o trabalho do ministro Fernando Haddad vai ser exitoso, apesar de que o arcabouço não vai zerar o déficit com tanta facilidade quanto se previa no início de 2023.

Ou seja: para o setor, a reforma deixa questões que terão de ser resolvidas nos próximos anos?

Se os déficits no futuro virarem superávit, se houver uma reforma administrativa e melhorar a eficiência do Estado, no longo prazo o governo pode abrir mão de uma arrecadação sobre o crédito que só existe em cinco países do mundo no IVA. Com a realidade de hoje, é impossível. O setor apoiou a reforma tributária, apoia, parabeniza o Congresso Nacional pela tramitação e aprovação, mas ficou claro que no caso da indústria bancária, vai existir um aumento de arrecadação do governo que vai impactar o custo do crédito. É uma reforma que vai melhorar o ambiente, e como a indústria financeira é o coração de todas as atividades econômicas, em um ambiente melhor, há a possibilidade de uma maior participação na economia.