Inflação sobe acima do esperado em agosto e preocupação dos economistas se estende para 2022

No último mês, oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta, com destaque para transportes, que tiveram a maior elevação nos preços

Mariana Zonta d'Ávila

(Shutterstock)

Publicidade

SÃO PAULO – Pressionada pelo aumento dos preços de combustíveis, automóveis, alimentação e energia elétrica, a inflação voltou a apresentar em agosto desempenho acima do esperado pelo mercado financeiro, elevando as preocupações de economistas que a alta dos preços perdure em 2022.

No último mês, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,87% ante julho, acima da alta de 0,71% esperada por economistas consultados pela Refinitiv, e o maior resultado para o mês desde 2000. Com isso, o indicador acumula altas de 5,67% no ano e de 9,68% nos últimos 12 meses.

No período, oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta, com destaque para os transportes, que tiveram a maior elevação nos preços. Puxado pelos combustíveis, o grupo registrou a maior variação (1,46%) e o maior impacto (0,31 p.p.) no índice geral.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A gasolina, por exemplo, subiu 2,80% e teve o maior impacto individual (0,17 p.p.). Etanol (4,50%), gás veicular (2,06%) e óleo diesel (1,79%) também ficaram mais caros no mês.

Na avaliação de economistas do mercado financeiro, o dado traz um viés negativo, principalmente por conta da rápida disseminação e generalização de aumento dos preços no índice.

Com isso, os juros curtos avançam cerca de 45 pontos-base na sessão, precificando uma chance maior de alta de 125 pontos-base da Selic na próxima reunião e juros acima de 10% já em julho de 2022.

Continua depois da publicidade

“As pressões não foram concentradas em um único componente, o que é uma grande preocupação pensando em política monetária. Vimos que a inflação é bem disseminada e atinge quase todos os setores da economia”, afirma João Leal, economista da Rio Bravo Investimentos.

Segundo ele, o risco é de que essa alta generalizada continue pressionando a inflação de 2022, impulsionando as expectativas e forçando o Comitê de Política Monetária (Copom) a colocar a Selic em níveis acima de 8% ao ano.

Leia mais:
Confira 3 investimentos para proteger sua carteira da alta da inflação

Leal conta que as expectativas para o IPCA na Rio Bravo, atualmente em 8,1% para 2021 e em 4%, para 2022, estão em revisão, com viés para cima.

Diante de dados de inflação mais elevados em agosto, o Credit Suisse já elevou suas projeções para o IPCA este ano, de 7,7% para 8,1%.

Na avaliação dos economistas do banco, os números divulgados nesta quinta reforçam uma dinâmica “muito negativa” para a inflação e mostram que as pressões inflacionárias no país continuam altas e não devem diminuir nos próximos meses.

“O processo de desinflação no país será difícil, pois a inércia está alta e as expectativas de inflação para 2022 continuam aumentando”, escreve o Credit Suisse.

Apesar de elevar as estimativas para o índice este ano, a casa mantém a projeção de inflação em 5,0% em 2022, com os riscos concentrados na alta.

Para a política monetária, o banco espera que o Banco Central aumente a taxa de juros em 100 pontos base nas próximas três reuniões consecutivas, atingindo 8,25% ao ano em dezembro de 2021.

O Bank of America também revisou nesta quinta suas projeções e agora vê alta de 8% da inflação em 2021, acima dos 7,75% esperados anteriormente.

Em relatório, o banco americano diz esperar uma desaceleração da inflação nos números mensais de setembro, diante da expectativa de um alívio nos preços de combustíveis e alimentos, embora os preços de energia e passagens aéreas devam aumentar significativamente, na visão dos economistas.

Segundo o BofA, as pressões de alta dos alimentos e combustíveis devem se dissipar até o final do ano. Além disso, os economistas acreditam que o ciclo de aperto monetário em curso pelo BC possa evitar que as pressões de alta persistam no médio prazo.

Na XP, o time de macroeconomia afirma que a surpresa no indicador também deve ser incorporada à projeção para a inflação este ano, ficando acima de 7,7%, que é o cenário-base atual.

A casa chama atenção ainda para o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) divulgado na quarta-feira (9), que trouxe uma preocupação adicional com a pressão sobre os preços dos produtos, com maior repasse aos consumidores. Segundo a XP, isso deve elevar as projeções da casa para o IPCA de setembro e outubro.

Já Alberto Ramos, diretor de pesquisa econômica para América Latina do Goldman Sachs, avalia que o cenário atual de alta pressão inflacionária, maiores riscos políticos e fiscais devem levar o Banco Central a antecipar o caminho para uma taxa de juros acima de neutra.

“Pressões significativas de preços de custo e insumos, aumento da inflação de serviços, riscos político e fiscal persistentes, bem como a rápida generalização de efeitos de segunda ordem e forças inerciais já estão contaminando as perspectivas para a inflação em 2022”, escreveu, em relatório.

Neste cenário, Ramos espera alta de pelo menos 100 pontos-base da taxa Selic na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), a ser realizada neste mês.

O relatório Focus, do BC, mais recente, também espera elevação de 1 ponto percentual da Selic no próximo encontro, para 6,25%, com a taxa básica de juros encerrando este ano em 7,63% ao ano. Já para o IPCA, as expectativas apontam para alta de 7,58% em 2021.

“Em geral, a dinâmica recente (incluindo aumento das expectativas de inflação para 2021 e 2022 e o grande aumento nos preços dos combustíveis) requerem um acompanhamento atento e uma taxa de política acima do neutro”, completa Ramos.

Conheça o plano de ação da XP para você transformar os desafios de 2022 em oportunidades de investimento.