Vacina indiana

Clínicas privadas têm acordo para 5 milhões de vacinas contra Covid-19, diz jornal

Acordo é para doses da Covaxin, vacina da indiana Bharat Biotech. Imunizante ainda não teve uso emergencial nem registro definitivo aprovados pela Anvisa

arrow_forwardMais sobre
(Reprodução/Bharat Biotech)

SÃO PAULO – A Associação Brasileira das Clínicas de Vacinas (ABCVAC) e a importadora Precisa Medicamentos concluíram uma negociação para a compra de 5 milhões de doses da Covaxin, vacina desenvolvida pela farmacêutica indiana Bharat Biotech, segundo o jornal Valor Econômico.

O jornal afirma que a ABCVAC já está negociando a venda do imunizante para clínicas privadas. Elas têm até a próxima sexta-feira (29) para confirmar pedidos com a Precisa Medicamentos. A associação representa 200 clínicas, que equivalem a 70% do mercado privado nacional.

Vale lembrar que a Covaxin não teve uso emergencial nem registro definitivo aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A agência aprovou apenas o uso de doses da CoronaVac (vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan e pelo laboratório chinês Sinovac) e da Oxford/AstraZeneca (vacina desenvolvida pela universidade e pela farmacêutica britânicas).

Segundo o acordo relatado pelo Valor Econômico, as clínicas poderão adquirir entre 2 mil e 400 mil doses da Covaxin. O valor por dose depende da quantidade comprada, mas vai de US$ 32,71 até US$ 40,78 (entre R$ 174,25 e R$ 217,24, na cotação atual). Os estabelecimentos privados precisam depositar 10% do valor de contrato como adiantamento, que será devolvido caso a Anvisa não aprove a Covaxin.

Leia mais
AstraZeneca afirma que não consegue disponibilizar vacinas para o setor privado

Ainda de acordo com o jornal, a Bharat Biotech espera terminar até 25 de fevereiro sua fase 3 de testes clínicos. Essa é a última etapa das pesquisas com vacinas contra Covid-19. No caso da Covaxin, os ensaios envolvem 26 mil voluntários indianos.

A Bharat Biotech entrará com o pedido de uso emergencial na Anvisa após a conclusão dos estudos, com expectativa de fornecer doses à iniciativa privada brasileira a partir de abril. A vacina indiana, porém, pode enfrentar a ausência de testes clínicos realizados em solo nacional.

Ao Valor Econômico, a importadora Precisa Medicamentos informou que “todas as negociações são desenvolvidas dentro de um ambiente privado e cobertas por termos de confidencialidade. Todas as estratégias e condições comerciais são discutidas exclusivamente dentro do ambiente legítimo, e cobertas por contratos entre as partes, envolvendo apenas clientes e fornecedores. Não reconhecemos nenhum documento que esteja fora do ambiente formal das negociações”.

O InfoMoney entrou em contato com a ABCVAC e com a Precisa Medicamentos. A ABVCAV afirmou em comunicado: “Todas as negociações são desenvolvidas dentro de um ambiente privado e cobertas por Termos de Confidencialidade e todas as estratégias e condições comerciais são discutidas exclusivamente dentro do ambiente legítimo, e cobertas por contratos entre as partes, envolvendo apenas clientes e fornecedores. A ABCVAC não comentará nenhum documento que esteja fora do ambiente formal das negociações”. A Precisa Medicamentos não respondeu até o fechamento desta matéria.

PUBLICIDADE

É importante ressaltar que o governo federal já havia demonstrado interesse na vacina indiana, já que a Covaxin faz parte do Plano Nacional de Operacionalização da Vacina contra a Covid-19 no Brasil. No documento, o governo diz ter firmado um memorando de entendimento com o laboratório indiano para demonstrar a intenção de compra da vacina.

Segundo o Valor Econômico, o governo brasileiro negocia a aquisição de 50 milhões de doses da Covaxin, mas aguarda os resultados da fase 3 de testes clínicos.

Histórico da Covaxin

A negociação das 5 milhões de doses entre ABCVAC e Bharat Biotech já havia sido reportada no começo de janeiro. Na época, a associação afirmou que o imunizante é administrado em duas doses, com intervalo de duas semanas entre elas. A vacina induz um anticorpo neutralizante, “provocando uma resposta imune e levando a resultados eficazes em todos os grupos de controle, sem eventos adversos graves relacionados.”

O método de produção escolhido pela Bharat Biotech para confeccionar sua vacina é o mesmo que está sendo utilizado para produzir a CoronaVac. A Covaxin recebe o vírus inativado por agentes químicos ou físicos no organismo, fazendo com que o sistema imunológico identifique o invasor e produza defesas contra ele.

Assim, quando o corpo entrar em contato com o vírus real, o sistema imune já terá criado as defesas necessárias para combater a doença. Segundo o Instituto Butantan, a estratégia de trabalhar com o vírus inativo já foi utilizada para o desenvolvimento de várias outras vacinas conhecidas, como o imunizante contra a pólio e contra o vírus do sarampo, por exemplo.

Onde Investir 2021
Baixe de graça o ebook e participe do evento com os melhores especialistas do mercado:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.