Tensão continua

Chile é palco de novos protestos após troca de ministros

Cidades registraram confrontos entre manifestantes e policiais

(Shutterstock)

Em mais um capítulo da atual crise deflagrada no Chile, novas manifestações violentas foram registradas em Santiago após o presidente Sebastián Piñera anunciar a reestruturação de seu gabinete. Em Santiago, as estações de metrô foram fechadas e alguns locais foram incendiados.

Manifestantes também chegaram a saquear estabelecimentos, como uma loja McDonald’s, enquanto um incêndio de grandes proporções atingiu um centro comercial localizado perto do Palácio La Moneda, sede do governo.

Segundo a imprensa local, foram registrados confrontos entre a polícia e os militantes em Valparaíso, Antofagasta, Concepción e Temuco. Pelo menos 25 pessoas teriam ficado feridas no ato.

PUBLICIDADE

A mobilização iniciada na noite desta segunda-feira (28) foi organizada para pressionar o governo, além de rejeitar a troca dos oito ministros da administração de Piñera e demonstrar o descontentamento social.

Leia também:
• América Latina: o desafio de superar o baixo crescimento e a desigualdade

Os protestos foram desencadeados pelo aumento das tarifas de metrô de Santiago, medida que já foi revogada.

Ao todo, ao menos 20 pessoas morreram desde o dia 18 de outubro. Uma equipe da Organização das Nações Unidas (ONU) foi enviada para analisar denúncias de violação de direitos humanos durante as manifestações.

Quer saber o que esperar da política nos próximos meses? Insira seu e-mail abaixo e receba, com exclusividade, o Barômetro do Poder – um resumo das projeções dos principais analistas políticos do país: