Imunizante

Anvisa suspende análise de uso emergencial da vacina Covaxin por falta de documentos

Pedido de uso do imunizante foi apresentado ontem em meio às investigações da CPI da Covid no Senado

Por  Reuters -

(Reuters) – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu nesta quarta-feira o prazo para concluir a análise do pedido de uso emergencial da vacina indiana contra a Covid-19 Covaxin por falta de documentos obrigatórios e essenciais para a avaliação da eficácia e da segurança do imunizante, informou o órgão regulador.

A Anvisa disse em nota oficial que notificou a Precisa Medicamentos, autora do pedido, para que as informações pendentes sejam providenciadas em caráter de urgência.

A agência citou uma série de documentos ausentes, incluindo relatório de estudos pré-clínicos de segurança e imunogenicidade e diversos dados de eficácia e de segurança.

Leia também:
“Venda da Covaxin ao Brasil teve melhores condições do que para outros países”, afirma farmacêutica indiana Bharat Biotech

O pedido de uso do imunizante fora apresentado na véspera em meio às investigações da CPI da Covid no Senado e de demais órgãos de controle sobre suspeitas de irregularidades envolvendo as tratativas com o governo federal para compra da Covaxin. No mesmo dia, o contrato foi suspenso pelo Ministério da Saúde para investigação das suspeitas.

Essas suspeitas levaram o presidente Jair Bolsonaro para o centro do debate na CPI. Ele teria sido informado das alegadas irregularidades, conforme depoimento do deputado Luís Miranda (DEM-DF) e do irmão dele, o servidor do Ministério da Saúde Luís Ricardo Miranda, à CPI na semana passada.

As estratégias dos melhores investidores do país e das melhores empresas da Bolsa, premiadas num ranking exclusivo: conheça os Melhores da Bolsa 2021

Compartilhe