Pandemia

Anvisa busca informações sobre possíveis eventos adversos relacionados à vacina da AstraZeneca no exterior

Anvisa informou que, até o momento, não há evidências que apontem relação entre o uso da vacina e a ocorrência dos casos de reações relatados

(Pixabay)

BRASÍLIA (Reuters) – A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) acompanha e busca informações junto às autoridades internacionais sobre possíveis eventos adversos relacionados ao uso da vacina contra Covid-19 da AstraZeneca-Oxford, informou o órgão no início da noite desta quinta-feira à Reuters.

A manifestação da Anvisa ocorre após autoridades de saúde da Dinamarca e da Noruega terem suspendido temporariamente nesta quinta o uso de vacinas da AstraZeneca depois de relatos de casos de formação de coágulos sanguíneos em pessoas que foram vacinadas.

A medida dos países escandinavos vem depois de a Áustria parar de usar um lote da vacina da AstraZeneca enquanto investiga uma morte provocada por disfunções relacionadas a coágulos e um caso de embolia pulmonar.

A Anvisa informou que, até o momento, não há evidências que apontem relação entre o uso da vacina e a ocorrência dos casos de reações relatados por pacientes na Áustria.

“O lote da vacina que foi suspenso de uso pelas autoridades da Áustria não veio para o Brasil. O lote é o ABV5300, fabricado pela Astrazeneca”, acrescentou.

Segundo o órgão regulador brasileiro, por meio da área internacional, já foi solicitada informações sobre a investigação dos eventos adversos relatados no país europeu.

“Nas bases nacionais que reúnem os eventos ocorridos com vacinas não há registros de termos de embolismo e trombose associados às vacinas para Covid”, finalizou a agência brasileira.

Até o momento, o Ministério da Saúde não se manifestou sobre os relatos quanto à vacina dos países europeus.

A vacina da AstraZeneca-Oxford, que tem uma parceria no país com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ligado ao governo federal, é uma das principais apostas para a imunização em massa dos brasileiros diante da lentidão da aplicação de doses no país e com os sucessivos recordes recentes de casos e mortes por Covid-19.

PUBLICIDADE

Até o momento, a vacina da AstraZeneca só tem autorização para uso emergencial em grupo prioritários no Brasil, mas o laboratório já pediu registro de uso definitivo.

Estagnado em sua profissão? Série gratuita do InfoMoney mostra como você pode se tornar um Analista de Ações em 2021. Clique aqui para se inscrever.