Spread bancário ainda está seletivo, diz presidente

Lula afirmou, em seu programa de rádio, que irá manter todo o esforço para controlar a inflação e que ainda é necessário que o spread bancário diminua

SÃO PAULO – “O spread ainda está muito alto, o spread ainda está seletivo”. A afirmação foi feita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na manhã desta segunda-feira (15), em seu programa de rádio Café com o Presidente, ao comentar a queda da taxa Selic, ocorrida na última quarta-feira (10).

De acordo com Lula, a queda de 100 pontos base da Selic é importante, mas ainda é necessário que o spread bancário (diferença entre os juros que o banco pa aos investidores e o que cobra dos clientes) diminua.

“Nós vamos manter todo o esforço para controlar a inflação, porque quem vive de salário sabe perfeitamente bem que a inflação baixa é um ganho extraordinário na vida de uma dona-de-casa, na vida de um trabalhador”, disse.

PUBLICIDADE

Lula espera que com a queda da Selic os bancos públicos e privados reduzam a taxa de juros para facilitar o crédito para a população. O presidente lembrou ainda que, desde que foi criada, pela primeira vez a Selic está abaixo de dois dígitos.

Taxa selic

O novo valor da selic, 9,25% ao ano, está publicado no comunicado 18.564 da edição desta segunda-feira (15) do Diário Oficial da União. Segundo a Agência Brasil, o texto afirma que a redução da taxa leva em conta as mudanças sobre a atividade econômica ao longo do tempo.

Após o anúncio do Copom, na noite do dia 10 de junho, Banco do Brasil, Bradesco, HSBC e Itaú anunciaram reduções em suas taxas de juros em diversas modalidades.

No caso do Banco do Brasil, por exemplo, foram reduzidas as taxas de oito modalidades às pessoas físicas, sendo que, no cheque especial, por exemplo, o juro máximo caiu para 7,69% ao mês e o mínimo, para 1,25% a.m.

A Caixa Econômica Federal, por sua vez, já contando com o corte na taxa básica, anunciou, um dia antes, pela sexta vez seguida, reduções nas taxas de oito modalidades para pessoas físicas e dez para jurídicas.