RADAR INFOMONEY Vale (VALE3) pagará R$ 4,26 em dividendos e JCP; Minerva sobe pós-balanço; Assaí e PDA se separam

Vale (VALE3) pagará R$ 4,26 em dividendos e JCP; Minerva sobe pós-balanço; Assaí e PDA se separam

Road trip de fim de ano

Sem Parar, ConectCar, Veloe… Faça a melhor escolha entre as tags de pagamento de pedágios e estacionamentos

Esse tipo de serviço começou a ser oferecido no Brasil em 2000, pelo Sem Parar. Hoje, há diversas empresas operando no setor. Conheça planos e custos

arrow_forwardMais sobre
Pedágio
Fila de pedágio

SÃO PAULO – Com a chegada do verão e as férias cada vez mais próximas, os brasileiros que querem cair na estrada e viajar no fim do ano já precisam estar com o planejamento em dia. E as viagens de carro ganharam tração durante esse período de pandemia.

O relatório do conselho global de turismo (WTTC, na sigla em inglês) mostra que a busca por destinos próximos de grandes cidades se tornou uma tendência no mundo todo e estimulou o renascimento das road trips, viagens longas de carro, principalmente pelos seguintes fatores: o conforto familiar e o medo do contágio e de ficar em quarentena forçada em outro país (saiba mais aqui).

Para aqueles que querem evitar o estresse de pegar fila no pedágio, comprar uma tag pode ser vantajoso. A tag é um serviço de pagamento automático de pedágios e estacionamentos, e também auxiliam aquele motorista que não costuma carregar dinheiro na carteira ou guardar moedas no porta-luvas.

Leia também: Ano Novo 2020: como planejar a viagem em meio à pandemia? Veja preços e destinos para fugir de aglomerações

Esse tipo de serviço começou a ser oferecido no Brasil em 2000, pela empresa Sem Parar. Hoje, diversas companhias operam no setor, com diferentes preços e planos — e alguns serviços gratuitos.

Para ajudar o consumidor que quer economizar ao pegar a estrada, o InfoMoney compilou os preços de todos os planos e serviços das principais empresas de pagamento automático em atividade no Brasil: Sem Parar, ConectCar, Veloe, Move Mais e Taggy.

Sem Parar

Pioneira no serviço das tags, a Sem Parar já está há 20 anos no mercado brasileiro. É a empresa que cobra mais caro, mas, em compensação, oferece a maior gama de serviços.

Planeje seus gastos
Baixe de graça a planilha de controle financeiro com todos os cálculos para monitorar seus gastos mensais e veja um resumo sobre a evolução do seu orçamento ao longo do ano:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Existem dois tipos de plano: pré-pago e pós-pago. No plano pré-pago, o usuário coloca previamente algum valor na tag. A cada pedágio, estacionamento ou outro serviço usado, haverá um desconto dessa cobrança na tag. No plano pós-pago, o usuário paga uma mensalidade, valor usado apenas para ter acesso ao plano, não para pagar pedágios, estacionamentos etc. O valor que seria cobrado nos pedágios e estacionamentos aparecerá acumulado na fatura do cartão de crédito uma vez por mês, junto com a mensalidade da tag.

O plano pré-pago da Sem Parar permite recargas a partir de R$ 50. A recarga é automática ou manual, via cartão de crédito ou débito. Ele é aceito em pedágios, lava-rápidos, postos, estacionamentos, drive-thrus e shoppings. Tem uma taxa de adesão de R$ 20 e uma taxa de inatividade de R$ 3 por mês após três meses sem uso.

PUBLICIDADE

A Sem Parar ainda tem cinco planos pós-pagos: “Flex Pedágio”, “Em Todo Lugar”, “Família”, “Na cidade” e “Flex na Cidade”.

O Flex Pedágio é aceito em pedágios. Custa R$ 19,90 por mês. Não há taxa de adesão, mas há uma taxa de inatividade de R$ 9,90 após três meses sem uso. Pode ser usado para pagar estacionamento também, mas há uma taxa de R$ 12 ao mês se usado dessa forma.

O plano Em Todo Lugar tem custo mensal de R$ 29,90 por mês, sem taxas adicionais. Ele é aceito em todos os estabelecimentos que aceitam pagamentos via Sem Parar, desde pedágios e estacionamentos até lava-rápidos, shoppings e drive-thrus.

O Família seria para aqueles que têm mais de um carro. O preço é de R$ 12,90 por mês, a partir do segundo carro cadastrado no Sem Parar em planos pós-pagos. Ele não possui taxas de adesão e é aceito em todos os estabelecimentos que o plano Em Todo Lugar cobre (pedágio, lava-rápidos, postos, estacionamentos, drive-thrus e shoppings).

O plano Na Cidade é para o consumidor que não pega estrada regularmente. O plano tem dois preços diferentes. Custa R$ 16,90 por mês caso o cliente não utilize nenhum pedágio, ou R$ 31,80 por mês caso o cliente passe por um pedágio. O plano não tem taxa de adesão e é aceito em todos os estabelecimentos que o plano Em Todo Lugar cobre (pedágio, lava-rápidos, postos, estacionamentos, drive-thrus e shoppings).

Já o plano Flex na Cidade custa R$ 19,90 por mês, mas possui uma taxa de inatividade de R$ 9,90 por mês após três meses sem uso. O plano é aceito em todos os estabelecimentos que o plano Em Todo Lugar cobre (pedágio, lava-rápidos, postos, estacionamentos, drive-thrus e shoppings) – com uma taxa adicional de R$ 12 por mês caso o cliente passe por algum pedágio.

ConectCar

Assim como a Sem Parar, a ConectCar oferece um plano pré-pago e outros pós-pagos. Um diferencial da ConectCar, em comparação com as outras companhias, é o cashback na taxa de adesão e um desconto de até 5% em combustível nos Postos Ipiranga para os planos “Completo”, “Urbano” e “Rodovias”. O cashback da taxa de adesão é revertido como crédito na conta do usuário após um mês de uso do tag.

O Plano Básico da ConectCar, pré-pago, permite recargas entre R$ 11,30 e R$ 41,30. Ele pode ser utilizado para pagar pedágios, estacionamentos e pedidos em drive-thru das unidades do Burger King. A recarga é feita via cartão de crédito e há uma taxa de adesão de R$ 40 (com cashback) e uma taxa de inatividade de R$ 2 por mês após três meses sem uso.

PUBLICIDADE

O Plano Completo é pós-pago. Custa R$ 20,90 ao mês para veículos leves e R$ 26,90 para veículos pesados. Pode ser utilizado para pagar pedágios, estacionamentos e pedidos em drive-thru. A recarga é automática, feita via cartão de crédito, e há uma taxa de adesão de R$ 25 (com cashback).

O Plano Rodovias, também pós-pago, é recomendado para clientes que pegam estrada com certa frequência. O custo é de R$ 14,90 ao mês e é utilizado apenas para pagar pedágios, embora possa ser usado para pagar estacionamento com uma taxa extra de R$ 1,90. A recarga é automática, feita via cartão de crédito, e há uma taxa de adesão de R$ 25 (com cashback).

O último plano pós-pago da ConectCar é o “Plano Urbano”, recomendado para clientes que usam o serviço para pagar estacionamentos e pedidos em drive-thru. Por R$ 9,90, o plano permite ainda duas passagens por pedágio dentro do mesmo mês. Se o cliente realizar mais passagens neste período, a mensalidade tem um acréscimo de R$ 17 exclusivamente no mês da ocorrência. A recarga é automática, feita via cartão de crédito, e há uma taxa de adesão de R$ 25 (com cashback).

Veloe

A Veloe também oferece um plano pré-pago e outros pós-pagos. O maior diferencial da Veloe é oferecer um ano sem mensalidade para novos assinantes. Além disso, clientes do Banco do Brasil e do Bradesco têm dois anos de isenção de mensalidade.

O plano “Pedágios e Estacionamentos” tem um custo de R$ 18,90 no modelo pré-pago ou um custo de R$ 20,90 por mês no pós-pago. Ele pode ser usado para pagar pedágios e estacionamentos pelo Brasil.

A Veloe também oferece planos separados, que cobrem apenas estacionamentos ou pedágios de forma separada, oferecendo melhores condições para clientes que utilizam apenas um desses serviços com mais frequência.

O plano de Estacionamento da Veloe tem uma recarga mínima de R$ 50 mais uma mensalidade de R$ 9,90. Caso o cliente use um pedágio, o valor mensal sobe para R$ 21,90.

Há ainda o plano de Pedágios da Veloe. O modelo é pré-pago e há a recarga mínima de R$ 50 (assim como o de Estacionamento).

PUBLICIDADE

No final fica a recarga de R$ 50 + a mensalidade de 14,90 (após o 13º mês). Um adicional de R$ 1,90 é cobrado por cada uso em estacionamentos.

Move Mais

Diferentemente das outras empresas, a Move Mais não tem a modalidade de assinatura pós-paga. Ela apenas oferece o serviço pré-pago, com base na recarga do tag. A Move Mais permite recargas entre R$ 50 e R$ 500, com taxas de até 10% por recarga (quanto maior o valor carregado, menor a taxa). Já a cobrança por adesão ao serviço é de R$ 39,90.

O serviço da Move Mais é aceito em pedágios e estacionamentos. A recarga pode ser manual ou automática, via cartão de crédito.

Taggy

O modelo de negócio da Taggy tem como diferencial vincular o serviço da tag a empresas parceiras – como asteroidepass, C6, ecotaggy, efrete, Eucard e Zul+ Digital. O consumidor que for cliente de algumas dessas empresas pode solicitar o tag gratuitamente.

Como a Taggy é vinculada à conta do usuário nessas empresas, não há taxa de adesão ou manutenção, nem necessidade de recarga. O valor do pedágio é debitado diretamente da conta corrente do usuário. A Taggy também não possui taxas de adesão, manutenção ou inatividade.

Outro ponto que difere a Taggy das outras companhias é pouca abrangência dos serviços. Ao menos por enquanto, o Taggy é aceito apenas em pedágios.

Qual serviço assinar, afinal?

Como mostrado, todos os serviços têm diferenciais que atraem consumidores com necessidades diferentes.

Enquanto o serviço da Sem Parar é mais caro em comparação aos competidores, ele também é o mais completo na oferta de serviços extras, para além do pagamento de pedágios ou estacionamentos. Pode compensar para aquele consumidor que faça viagens longas com certa frequência, mas que também use bastante o carro e esteja buscando outros benefícios além da comodidade no pagamento do pedágio ou estacionamento.

Caso a rotina do usuário seja mais urbana e o uso de pedágios/estacionamentos seja mais esporádico, planos mais baratos de assinatura ou os planos pré-pagos da Veloe e da ConectCar são alternativas mais acessíveis.

Os serviços da Move Mais podem ser interessantes para usuários que não utilizam o carro com tanta frequência, por conta do modelo de recarga pré-pago, mas altas taxas de adesão podem afastar o consumidor.

No caso da Taggy, o diferencial está na comodidade. Caso o usuário também seja cliente das empresas parceiras da Taggy, pode compensar assinar o serviço, já que ele não possui nenhuma taxa de adesão ou manutenção e os custos com pedágio são debitados diretamente da conta corrente do usuário.

Apenas 11% dos brasileiros têm uma tag

Segundo uma recente pesquisa realizada pela Ibope e pelo banco digital C6, apenas 11% dos brasileiros têm uma tag para passar em cancelas automáticas nas praças de pedágio. O levantamento também mostrou que 58% dos brasileiros que têm veículos nunca utilizaram o serviço. Ou seja, é um mercado ainda a ser explorado.

A pesquisa ouviu 2 mil brasileiros, das classes A, B e C, com acesso à internet, em todas as regiões do país.

Governo de São Paulo entrega mais de 25 mil tags para caminhoneiros

No começo de abril, o governo de São Paulo anunciou uma parceria para a distribuição gratuita de 25.850 adesivos eletrônicos para o pagamento de pedágios nas rodovias do estado. Doadas por Conect Car, Sem Parar e Veloe, as tags foram entregues aos caminhoneiros junto de um kit contendo álcool em gel e folheto informativo.

Segundo a Secretaria Estadual de Logística e Transportes, a tarifa de pedágio é que garante tanto a conservação das rodovias sob concessão quanto os atendimentos de socorro médico e mecânico.

Planeje seus gastos
Baixe de graça a planilha de controle financeiro com todos os cálculos para monitorar seus gastos mensais e veja um resumo sobre a evolução do seu orçamento ao longo do ano:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.

Para a Secretaria Estadual de Logística e Transportes, o uso de tags tornou-se essencial na pandemia, como uma forma de “reduzir a exposição dos funcionários e evitar aglomeração e contato físico”. “A distribuição não fideliza o usuário de forma obrigatória. Ao final do período de gratuidade, ele poderá fazer o cancelamento do plano sem nenhum custo. Além da economia nesse período de crise, o caminhoneiro ganha tempo na viagem, uma vez que a estimativa é que ele economize cinco minutos em cada passagem pela praça de pedágio”, afirmou a Secretaria em nota.