Mercado de arte

O que acontece quando você compra um quadro de US$ 20 milhões?

Pintura vendida por US$ 20 milhões em 2018 volta ao mercado com preço inicial de US$ 25 milhões

arrow_forwardMais sobre

(Bloomberg) — Apenas 15 meses depois de “A casa do arquiteto na ravina” (The Architect’s Home in the Ravine, 1991), de Peter Doig, ter arrecadado US$ 20 milhões na Sotheby’s, a paisagem está de volta ao mercado.

Exibido no estande da Gagosian esta semana na Art Basel, com um preço inicial de US$ 25 milhões, é uma das obras mais caras da principal feira de arte moderna e contemporânea do mundo.

A pintura, que foi vendida com tanta frequência que um comerciante a chama de “passageiro frequente”, apareceu pela última vez na Sotheby’s em março de 2018, em Londres, onde a casa de leilões usava uma técnica de financiamento cada vez mais comum para reduzir seu risco.

PUBLICIDADE

Em troca de uma taxa de cerca de US$ 1 milhão, o cliente Abdallah Chatila fez uma oferta irrevogável que garantiu a venda do trabalho. Ninguém fez uma oferta maior e ele acabou levando a obra para casa.

“O quadro foi vendido duas vezes pelo recorde mundial do artista e eu acreditei que seria o recorde pela terceira vez”, disse Chatila, de 44 anos, um investidor de Genebra, em entrevista por telefone. “Eu acabei com isso.”

Tais resultados se tornaram mais comuns no ano passado, à medida que as casas de leilão recorrem cada vez mais a um terceiro investidor para colocar ofertas pré-arranjadas em troca de uma parcela do lucro da venda.

Dinheiro fácil

“Quando o mercado está subindo, dinheiro fácil é feito de garantias”, disse Thomas Danziger, sócio da Danziger, Danziger & Muro. “Agora que o mercado não está tão robusto, as pessoas acabam sendo as orgulhosas proprietárias dos trabalhos que não esperavam ter.”

E como a paisagem de Doig na Art Basel, que foi oferecida em leilão cinco vezes desde 2002, um número crescente de obras está fazendo a ida e volta para revenda, disse Danziger.

Uma pintura de um tapete de Rudolf Stingel, que arrecadou cerca de US$ 3 milhões na Christie’s em Hong Kong em 2017, está listada no site da Sotheby’s como parte de sua venda de arte contemporânea em 26 de junho em Londres. Estima-se entre US$ 1,5 milhão e US$ 2,3 milhões.

PUBLICIDADE

E uma pintura de Christopher Wool, com a palavra “FOOL” em letras maiúsculas, que foi comprada por um fiador por US$ 14,2 milhões na Christie’s em 2014, foi vendida no mês passado por US$ 14 milhões na Sotheby’s. Preços mais baixos para revendas não são incomuns.

“Se essas imagens retornarem ao mercado muito em breve, as pessoas perceberão que o valor não é o que os preços de leilão refletem”, disse Danziger. “Não é uma situação competitiva. Alguém apostou e acabou sendo o único concorrente.”

Para colecionadores experientes, as garantias costumavam ser uma maneira certa de fazer um bom negócio. Eles conseguiam o trabalho que queriam a um preço ligeiramente reduzido, ou recebiam uma taxa se a pintura fosse vendida para outra pessoa.

“Garantias são brilhantes se você quiser possuir o trabalho”, disse Gabriela Palmieri, que assessora colecionadores, incluindo a Berkowitz Contemporary Foundation em Miami. “Caso contrário, não vale a pena fazer nada. A menos que você conheça realmente o mercado do artista, você está brincando com fogo.”

Invista para realizar seus sonhos: abra uma conta gratuita na XP!