Motoristas da Uber e outras plataformas farão greve no dia dos namorados nos EUA por salários justos

As manifestações estão programadas para ocorrer cerca de uma semana depois que a Lyft disse que garantiria ganhos semanais para os motoristas, uma novidade no setor de caronas dos EUA

Reuters

Publicidade

(Reuters) – Milhares de motoristas das plataformas de compartilhamento de caronas Uber, Lyft e do aplicativo de entrega de alimentos DoorDash devem entrar em greve nos Estados Unidos no dia dos namorados, comemorado em 14 de fevereiro no país, por uma remuneração justa, informaram grupos de motoristas na segunda-feira.

As manifestações estão programadas para ocorrer cerca de uma semana depois que a Lyft disse que garantiria ganhos semanais para os motoristas, uma novidade no setor de caronas dos EUA, que busca atrair mais motoristas para sua plataforma.

“Estamos trabalhando constantemente para melhorar a experiência do motorista”, disse a Lyft, que deve divulgar resultados trimestrais na terça-feira, à Reuters na segunda-feira.

Conteúdo XP

Peça o melhor cartão de crédito do Brasil e tenha acesso à Salas vip e Investback nas compras

Os motoristas, considerados contratados independentes, acusaram as plataformas de receberem valores desproporcionalmente altos como comissões.

“Esta é a maior greve que já vi, milhares e milhares de motoristas… será nacional”, disse Jonathan Cruz, motorista em Miami e parte da coalizão Justiça para Trabalhadores de Aplicativos, que representa mais de 100 mil motoristas.

A Uber disse que apenas uma minoria de seus motoristas participa de tais greves, que raramente têm impacto sobre os negócios.

Continua depois da publicidade

O CEO do Uber, Dara Khosrowshahi, disse na semana passada, em uma chamada de resultados com analistas, que os motoristas nos EUA ganharam cerca de 33 dólares por hora utilizada no quarto trimestre.

Embora muitos motoristas se inscrevam nessas empresas para complementar sua renda de outros empregos, alguns dirigem em tempo integral para as plataformas.

“Um ano após o início da precificação algorítmica, os motoristas têm visto uma redução incrível dos salários… quaisquer que sejam os cálculos e algoritmos que estejam usando, são absolutamente inúteis”, disse Nicole Moore, presidente do sindicato Rideshare Drivers United, com sede na Califórnia, à Reuters no domingo.

Em 2023, os ganhos brutos médios mensais dos motoristas da Uber caíram 17,1%, enquanto os dos motoristas da Lyft aumentaram 2,5%, de acordo com a Gridwise, que analisa dados de mobilidade de shows.

“Ao não pagar aos motoristas um salário digno, os motoristas mal conseguem arcar com as necessidades básicas”, disse Shantwan Humphrey, um motorista em Dallas, Texas.

A DoorDash não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.