Mesmo se dólar aumentar, brasileiro continuará viajando, diz Braztoa

Presidente da entidade, Eduardo Barbosa, diz que renda é fator mais importante para brasileiro decidir uma viagem

SÃO PAULO – Em 2010, os brasileiros viajaram mais para o exterior, e um dos motivos para esse fato foi o fortalecimento do real frente a algumas moedas internacionais, como o dólar. 

Mas, com o governo criando estratégias para que a moeda nacional não fique em um patamar tão acima da norte-americana, será que as viagens para fora do Brasil continuarão em 2011? 

“Ainda é difícil avaliar, pois não sabemos ao certo qual será o impacto dessas medidas que o governo está adotando no câmbio”, afirma o presidente da Braztoa (Associação Brasileira das Operadoras de Turismo), Eduardo Barbosa. 

Otimismo
No entanto, o executivo se mostra otimista e diz não acreditar que o brasileiro deixe de viajar por esse motivo. 

“Já vimos o brasileiro viajando quando o dólar custava R$ 2. Talvez no primeiro momento de elevação da moeda norte-americana, ele se impacte, mas acho que esse não é o fator crucial na hora de decidir uma viagem”. 

Para Barbosa, é o crescimento da renda que faz com que o brasileiro viaje mais. “Quando o brasileiro ganha mais, sobra mais dinheiro no fim do mês, ele viaja. Esse é o fator mais decisivo”, garante. 

Gastos
Mesmo diante das perspectivas de elevação do dólar e redução da economia brasileira, o presidente afirma que os brasileiros devem gastar mais com turismo em 2011. 

“Os gastos devem continuar crescendo. Nós estimamos um crescimento de aproximadamente 10%, considerando viagens internacionais e nacionais. Teremos novas companhias aéreas no País, novos destinos e maior competitividade em termos de preços e serviços. Isso fará com que o brasileiro gaste mais em viagens”.

Vale ressaltar que, de acordo com números do Banco Central, os brasileiros gastaram US$ 16,422 bilhões no exterior no ano de 2010.

PUBLICIDADE