Dia da Pizza: qual é o sabor favorito do brasileiro? E quanto ele paga? Veja estudo

Levantamento mostra também o jeito mais popular de preparar e pedir pizza, a bebida preferida para acompanhar e mais

Maria Luiza Dourado

Pizza marguerita (Foto de Aurélien Lemasson-Théobald /Unsplash)
Pizza marguerita (Foto de Aurélien Lemasson-Théobald /Unsplash)

Publicidade

Nesta quarta-feira, 10 de julho, celebra-se o Dia da Pizza e, em comemoração à data, a VR realizou um levantamento com os dados mais curiosos sobre o consumo da pizza, o prato favorito de muitos brasileiros.

A preferida

De acordo com o levantamento, a pizza marguerita é a mais consumida, representando 20% das escolhas, seguida pela pizza calabresa, com 17,3%, e em terceiro lugar, a pizza de quatro queijos, com mais de 12% de preferência entre os participantes. Quando estão em dúvida sobre o sabor, a maioria (92%) opta por pedir uma pizza meio a meio.

Continua depois da publicidade

Sabores diferentes

A pesquisa revelou que aproximadamente 18,5% dos apreciadores de pizza optam por sabores diferentes, como estrogonofe, sushi, hot dog e outros sabores inusitados.

Preços

Continua depois da publicidade

Cerca de 37% dos entrevistados gastam em média entre R$ 31 e R$ 70 em uma pizza, de acordo com a VR. O preço é um fator decisivo na hora de comprar uma pizza, sendo que 50,5% dos entrevistados já deixaram de comer pizza devido ao valor cobrado.

A pizza não está na cesta do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mas a maioria de seus ingredientes, sim – e muitos deles estão mais caros. Em junho, no último levantamento disponível do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), o azeite acumulava alta de 50,74% em 12 meses e o tomate, 19,98%.

Do lato dos ingredientes que baratearam está a farinha de trigo, que acumulava redução de 12,40% no período, e o queijo, 2,26% mais barato.

Continua depois da publicidade

Formas de pagamento

Na hora de pagar a conta, os meios mais utilizados são cartão de crédito (59,5%), vale-refeição (56%) e cartão de débito (48%).

Baixe uma planilha gratuita para calcular seus investimentos em renda fixa e fuja dos ativos que rendem menos

Continua depois da publicidade

Para 68% dos entrevistados, a massa da pizza deve ser fininha, enquanto 23% preferem uma massa mais grossa. Quanto ao tamanho ideal, a maioria (80%) prefere a pizza grande, com oito fatias, e 40% costumam comer três pedaços.

Congelada não tem graça?

Já sobre nutrição, segundo os critérios utilizados pelo Guia Alimentar para a População Brasileira, publicado pelo Ministério da Saúde, os ingredientes da pizza tradicional são os alimentos in natura, ou seja, aqueles que não tenham sofrido qualquer alteração após deixarem a natureza, como folhas e frutos ou ovos e leite; e os minimamente processados, que são os alimentos in natura que foram submetidos a alterações mínimas como grãos moídos na forma de farinhas, raízes e tubérculos lavados, cortes de carne resfriados ou congelados e leite pasteurizado.

Continua depois da publicidade

O levantamento apontou que a pizza congelada é comprada apenas por 19% dos respondentes.

Para comer acompanhada – e com a famosa “coquinha”

Para acompanhar a refeição de pizza, 62% disseram optar por refrigerante de cola e 23% por vinho.

Como um alimento de integração social, 95% dos respondentes comem acompanhado da família enquanto 46% dividem com amigos.

Frequência de consumo

Sobre a frequência do consumo do alimento, cerca de 37% comem a cada 15 dias enquanto 27,8% consomem semanalmente. Os dias preferidos de consumo são aos sábados (75%), sextas-feiras (61%) e domingos (48%).

Pedir pelo app ou telefone?

Cerca de 65,5% costumam pedir via aplicativo de delivery enquanto 45,5% fazem os pedidos pelo WhatsApp. Mas há ainda quem utilize o telefone, 35,5% ou os que preferem ir até o estabelecimento fazer o pedido no balcão, 26%.

Invista no Tesouro Direto com a XP. Facilidade, segurança e liquidez. Abra sua conta! 

Maria Luiza Dourado

Repórter de Finanças do InfoMoney. É formada pela Cásper Líbero e possui especialização em Economia pela Fipe - Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas.