Consumidor quer saber: depois de disparada, preço do azeite vai melhorar em 2024?

Valor do produto subiu 37,11% em 2023, segundo o IPCA

Maria Luiza Dourado

Publicidade

Quem aguarda pela normalização do preço do azeite vai esperar — e muito por isso. Os preços do óleo proveniente das azeitonas nas gôndolas do Brasil e do mundo deve seguir elevado, pelo menos até o fim do primeiro trimestre de 2024.

A seca que há mais de um ano assola a Espanha, maior produtora de azeite do mundo e responsável pela exportação de 16% do azeite consumido no Brasil, não parece ter data para acabar.

A Agência Meteorológica da Espanha (Aemet) informou que fevereiro seria um mês mais seco. A situação poderia ter sido abafada pela nova previsão da Aemet de chuvas 50% mais abundantes que o normal durante o inverno europeu. Contudo, a maior pluviosidade não parece ser suficiente para que o país de ser afetado pela ausência de chuvas.

Planilha Gratuita

O seu bolso vai agradecer

Organize a sua vida financeira com a planilha de gastos do InfoMoney; download liberado

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Para que a seca meteorológica seja superada nos próximos meses, seria necessário que houvesse um dos outono e inverno mais chuvosos da série histórica”, segundo o porta-voz da Aemet, Rubén del Campo.

Da mesma forma, as notícias não são boas em Portugal, que produz menos azeite que a Espanha, mas é responsável por 58% das exportações do produto ao Brasil.

No extremo sul português, a falta de previsão de melhora na seca sem precedentes que assola a região de Algarve – logo abaixo de Alentejo, área que concentra a olivocultura – fez o ministério do ambiente do país anunciar um racionamento de água, de 15% no consumo do setor urbano e de 25% no consumo agrícola – cifra alta, mas menos alarmante que o corte de 70% cogitado, segundo o jornal português Observador.

Continua depois da publicidade

Ainda que Alentejo tenha encerrado dezembro de 2023 como uma região de seca moderada, a localidade passou um período de seca severa de março a setembro, que impactou significativamente as safras.

Por que o azeite ficou tão mais caro?

“Por conta do clima, países tradicionais na produção, como Espanha, Itália, Portugal e Grécia – responsáveis por quase 70% de todo azeite do mundo segundo dados do Conselho Oleícola Internacional – tiveram safras bem menores, gerando disparada de preços, além de preocupação sobre os estoques que atendem a demanda de diversos países”, afirma Luiz Eduardo Batalha, proprietário da marca nacional Azeite Batalha.

O cenário ilustra perfeitamente a lei de oferta e demanda. Com uma oferta de azeite insuficiente para atender a demanda global, o preço do produto disparou. Segundo a IBRAOLIVA, uma embalagem de 500 ml de azeite classificado como virgem na Europa e extravirgem no Brasil saiu de US$ 6, em janeiro de 2023, para US$ 10.

O consumidor sentiu o impacto no bolso: o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de dezembro, mostrou que o azeite de oliva subiu 37,11% em 2023.

As gôndolas brasileiras ficam ainda mais expostas à variação dos preços internacionais considerando que quase todo o azeite consumido no país é importado. Insuficiente para atender a demanda do país, a cultura do produto em território nacional gira em torno de 1%, segundo o estudo “O mercado de azeite de oliva no Brasil”, da entidade pública empresarial espanhola ICEX España Exportación e Inversiones.

“Falando dos importados, uma garrafa de 250 ml de um azeite que há um ano custava R$ 20 hoje sai por mais de R$ 35 para o consumidor”, explica Renato Fernandes, presidente do Instituto Brasileiro de Olivicultura (IBRAOLIVA), associação que reúne toda a cadeia oleícola do Brasil.

Maria Luiza Dourado

Repórter de Finanças do InfoMoney. É formada pela Cásper Líbero e possui especialização em Economia pela Fipe - Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas.