O que vem por aí

De olho em público gamer, TIM acelera instalação de antenas para 5G

Empresa diz que tecnologia vai ampliar experiência de clientes que utilizam ‘jogos na nuvem’

Por  Estadão Conteúdo -

Com a chegada do 5G, a operadora TIM tem feito investimentos robustos na instalação de antenas, numa disputa palmo a palmo com as concorrentes Vivo e Claro. Na última semana, a companhia instalou 77 equipamentos em Belo Horizonte (50% do total do mercado). Em Porto Alegre, foram 40 (38%) e, em João Pessoa, 22 (43%).

“Estamos procurando cobrir as principais áreas de preferência dos clientes para melhorar a sua experiência”, afirmou o presidente da TIM, Alberto Griselli.

A operadora criou uma oferta especial para os clientes que quiserem navegar no padrão 5G “puro-sangue” (standalone), que oferece a menor latência (tempo de resposta). Para o usuário comum, há pouca diferença. Já para certas aplicações, como os jogos online, pode ser um diferencial.

Os clientes pós-pagos terão um pacote para “turbinar” os planos com mais 50 GB de internet e navegação ilimitada no Twitch, serviço de streaming de vídeo ao vivo com foco em jogos. O novo pacote estará disponível em breve nas capitais, e a adesão nos primeiros três meses após o seu lançamento garantirá gratuidade pelo período de 12 meses. Após esse período, custará R$ 20 mensais.

“Hoje, é grátis para o cliente experimentar e ver se gosta. Lá na frente, poderemos monetizar”, disse Griselli. “Quem não ativar esse booster vai perder a vantagem da latência. Não muda praticamente nada para o usuário comum. É importante para quem usa o cloud gaming (jogos na nuvem).”

Balanço

A TIM fechou o segundo trimestre de 2022 com lucro líquido de R$ 313 milhões, montante 54,1% menor na comparação com o mesmo período de 2021. A operadora, no entanto, teve um aumento expressivo no seu faturamento graças à incorporação de clientes da rede móvel da Oi (a empresa foi adquirida e fatiada entre TIM, Vivo e Claro), bem como pelo reajuste dos planos de telefonia e ganho de clientes.

Por outro lado, teve aumento dos custos operacionais, despesas maiores com pagamento de juros e impostos.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu R$ 2,486 bilhões, crescimento de 18,3% na mesma base de comparação. A margem recuou 1,3 ponto porcentual, para 46,3%.

Já a receita líquida totalizou R$ 5,368 bilhões, um aumento de 21,8%. Se fossem desconsiderados os efeitos da aquisição dos ativos móveis da Oi, a receita líquida teria totalizado R$ 4,961 bilhões, o equivalente a uma expansão de 12,6%.

Griselli considerou positivo o balanço do segundo trimestre da companhia a despeito da queda de 54% do lucro na comparação anual. “Nosso momento é extremamente positivo. Várias peças foram se encaixando nos últimos anos para chegarmos até aqui”, disse.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Compartilhe