Com baixa cotação, brasileiro compra mais dólares e destina a viagens e consumo

Em 2010, Anac registrou aumento nas viagens internacionais, enquanto BC viu aumento nos gastos feitos no exterior

SÃO PAULO – Nos últimos anos, a desvalorização do dólar frente ao real surpreendeu boa parte dos brasileiros. Não é para menos, a moeda que fazia com que as viagens ao exterior e a compra de produtos importados pesasse no nosso bolso caiu 28,70% desde janeiro de 2009.

Diante desse cenário, os brasileiros não perderam tempo e, com a possibilidade de viajar mais e poder gastar mais em solo estrangeiro, estão comprando mais moeda americana. De acordo com a TOV Corretora, a procura por dólar aumentou significativamente nos últimos meses. 

“Nos últimos 6 meses, a TOV teve um aumento de 70% no volume de negócios e o principal motivo foi a queda do preço da moeda em relação ao real e o aumento de renda do brasileiro”, diz o gerente de câmbio turismo, Alexandre Milanov. 

Turismo
Números da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mostram que a compra de dólares não foi feita para deixar a moeda guardada. Em 2010, as rotas internacionais feitas pelas empresas aéreas brasileiras cresceram 28,10% em relação ao mesmo período de 2009.

Os gastos de brasileiros em viagem ao exterior também cresceram. Segundo dados divulgados em dezembro de 2010 pelo Banco Central, essas despesas chegaram a US$ 1,515 bilhão e acumularam US$ 14,675 bilhões nos onze primeiros meses do ano. Esses resultados são maiores do que os observados nos mesmos períodos de 2009,  US$ 983 milhões e US$ 10,898 bilhões, respectivamente. 

Bom momento não deve durar
Porém, tal desvalorização não deve continuar acontecendo. No último dia 6, o Banco Central divulgou uma circular determinando que os bancos que apresentarem uma posição vendida em dólar – ou seja, que tenham um passivo cambial excessivo – terão de recolher dinheiro ao BC sem qualquer remuneração sobre esse volume. O intuito da instituição é conter a valorização do real em relação ao dólar.

Portanto, quem está de viagem marcada ao exterior pode antecipar a compra da moeda norte-americana para segurar a baixa cotação. “Não recomendaria aquisição de dólares como reserva de valor para ganho futuro. Mas para quem tem uma viagem programada no curto prazo entendo que seria previdente adquirir os dólares já, desde que para tanto não fosse necessário assumir empréstimos em reais”, aconselha o diretor da NGO Corretora, Sidnei Nehme. 

Vale lembrar que, na hora de comprar a moeda, é preciso escolher uma instituição de confiança. Também vale a pena fazer a cotação em mais de uma casa de câmbio, porque há diferenças de valores. Mesmo que a diferença seja pequena, na compra de grande quantidade, a diferença fica bastante significativa.