Classe B é a que deve gastar mais com livros e material didático neste ano, diz Ibope

No total, esse segmento da população deve gastar R$ 5,98 bilhões com os itens - 48% do total a ser gasto pelos brasileiros

SÃO PAULO – A classe B é a que deve gastar mais com livros e material didático em 2011. Ao todo, espera-se que esse segmento da população desembolse R$ 5,98 bilhões com os itens.

Os dados do Ibope Inteligência mostram ainda que o montante que deve ser gasto pela classe B neste ano representa 48% do total a ser gasto pelos brasileiros de todas as classes sociais, de R$ 12,5 bilhões.

A classe C, por sua vez, tem um potencial de consumo desses itens que alcança 30% do total dos gastos previstos. No total, esse segmento da população deve gastar R$ 3,71 bilhões com livros e material escolar.

PUBLICIDADE

O potencial de consumo da classe A representa 16% do total e deve somar R$ 2,06 bilhões em 2011. E é nas classes D e E que se encontra o menor potencial de consumo. Esses segmentos, juntos, representam 6% do total das despesas previstas, devendo ser despender R$ 750 milhões.

De acordo com o Ibope, a população da classe B representa 23,5% dos domícilios urbanos do País, a C representa 50,4% da população, a A, 2,5% dos domícilios e as classes D e E representam 23,6% dos domícilios urbanos do País.

Gasto médio de R$ 65
A pesquisa ainda mostra que cada brasileiro deve gastar, em média, R$ 65 com livros e material didático neste ano. O valor total chega a R$ 12,5 bilhões.

Apenas com livros e publicações impressas, cada brasileiro deve gastar R$ 44 neste ano. Ao todo, somente com esses itens, a população deve gastar cerca de R$ 7,1 bilhões.

Considerando o material escolar e itens de papelaria, o total gasto deve alcançar os R$ 5,4 bilhões. Em média, cada brasileiro deve gastar R$ 33 neste ano com esses produtos.

A pesquisa aponta ainda que os consumidores da região Sudeste são os que apresentam o maior potencial de consumo desses produtos. Na região, devem ser gastos em torno de R$ 7,01 bilhões com os itens e, em média, cada consumidor deve desembolsar R$ 86 com os itens.