China bane influenciadores “à la Kardashian” das redes por ostentarem demais

Segundo o Financial Times, as ações fazem parte da campanha do governo contra conteúdo de ostentação de artigos de luxo nas redes sociais

Equipe InfoMoney

Influenciador Wang Hongquanxing e sua mãe (Reprodução: Douyin)

Publicidade

Um grupo de influenciadores chineses das categorias de luxo e lifestyle, incluindo Wang Hongquanxing, influenciador conhecido como “a Kim Kardashian da China”, foram banidos do Douyin, o TikTok chinês, e de outras redes sociais do país por ostentarem demais. As informações são do jornal Financial Times.

A Administração do Ciberespaço da China, órgão regulador chinês da internet, anunciou uma campanha ainda em abril contra a “criação de personas ostentosas”, diretriz usada para banir influenciadores que ostentam artigos de luxo das redes sociais, incluindo, além do TikTok chinês, as redes sociais Weibo e Xiaohongshu, acusados de “apresentar deliberadamente um estilo de vida luxuoso baseado na riqueza”, informa o veículo.

Segundo o FT, os banimentos fazem parte de uma ação do governo chinês para manter o domínio sobre a cultura das redes sociais no país.

Continua depois da publicidade

As plataformas, por sua vez, alegaram que combateriam a “extravagância, o desperdício, a ostentação e o materialismo” – como as postagens de Wang Hongquanxing, que já afirmou nunca sair de casa vestindo roupas e acessórios avaliados em menos de US$ 1,4 milhão (cerca de R$ 7,24 milhões). Entre os influenciadores banidos, também estão a socialite “Sister Abalone” e “Mr Bo”.

Segundo o FT, o governo chinês deve encontrar algum apoio à sua campanha anti-ostentação, já que a população tem vivido os efeitos da desaceleração econômica no país e muitos devem considerar o tipo de conteúdo postado por influenciadores como o Kim Kardashian da China como “vulgar”.