B2W se livra de um grande problema, mas rival rouba a cena e ação desaba até 9% na bolsa; entenda

O movimento da companhia na bolsa é acompanhado pelas demais varejistas online: Magazine Luiza e Via Varejo afundam até 7%; já sua controladora, a Lojas Americanas, que também divulgou balanço, cai 5%

SÃO PAULO – A B2W (BTOW3) derrubou uma das principais preocupações do mercado em seu balanço do 3° trimestre. Depois de fechar o mesmo período do ano passado com uma queima de caixa de R$ 486 milhões, a dona dos sites Submarino, Americanas.com e Shoptime conseguiu gerar R$ 44 milhões de caixa entre os meses de julho e setembro – o melhor resultado, para o período, nos últimos 4 anos. 

Ainda assim, as ações da companhia caem forte nesta sexta-feira (3). Às 12h58 (horário de Brasília), os papéis da B2W desabavam 6,29%, a R$ 20,85, depois de atingirem na mínima do dia queda de 9,17%, a R$ 20,21. 

O movimento, contudo, não era isolado. As demais varejistas também afundavam hoje na bolsa.  

PUBLICIDADE

Para a controladora da B2W, a Lojas Americanas (LAME4, R$ 16,17, -5,33%), a queda tinha um motor em específico: seu próprio balanço, divulgado na noite da última quarta-feira, que não animou em nada o mercado, em uma combinação de fraco crescimento da receita líquida (+3,7% na comparação anual) e piora no capital de giro (a empresa sempre rodou entre 0 e 10 dias de capital de giro e, neste trimestre, esse ciclo piorou 31 dias, com mais de 16 dias de estoque), comentam os analistas do BTG Pactual.

Receba os “Insights do Dia” direto no seu e-mail! Clique aqui e inscreva-se.

Mas o mau humor se estendia também para Magazine Luiza (MGLU3, R$ 62,12, -7,27%) e Via Varejo (VVAR11, R$ 21,61, -4,76%) – lembrando que a primeira reportou balanço essa semana e veio ainda melhor do que as projeções mais otimistas do mercado (veja aqui). 

O que tira o sono dessas ações?
Segundo o analista Vitor Paschoal, da Perfin Investimentos, embora o balanço da B2W tenha vindo bom, o mercado já tinha antecipado uma geração de caixa um pouco melhor. Mas, além disso, o que pesa sobre os papéis é o forte crescimento da operadora de mercado eletrônico latino-americana MercadoLibre, que divulgou balanço e surpreendeu o mercado com um rápido aumento de receita no terceiro trimestre.

As vendas subiram 61% no período, para US$ 371 milhões, superando a maior estimativa dos analistas. O volume bruto de negócios da empresa ultrapassou a marca de US$ 3 bilhões pela primeira vez.

O mercado teme que essa rápida expansão impacte o crescimento da B2W, roubando seu mercado, comenta o analista. No entanto, ele aponta que não vê muito sentido na queda de Magazine Luiza e Via Varejo, que, para ele, são menos vulneráveis aos avanços do MercadoLibre.

PUBLICIDADE

Na Nasdaq, as ações do MercadoLibre disparavam 11,03%, a US$ 262,18, nesta sexta-feira. 

Tirando o “efeito MercadoLibre”
Olhando exclusivamente para o balanço, sem contar os efeitos do avanço da concorrência, a B2W conseguiu mostrar ao mercado que está bem próxima de deixar sua casa arrumada. 

Para 2018, analistas começam a falar em caixa positivo para a varejista. Nas contas do BTG Pactual, a companhia deve mostrar caixa positivo de R$ 704 milhões no 4° trimestre, o que implicará em uma redução de 53% de queima de caixa em 2017; enquanto para o ano que vem, a empresa já deve entregar um caixa positivo de R$ 20 milhões. O Credit Suisse, por sua vez, fala em caixa positivo somente para 2019, embora também aponte para uma melhora contínua nos números. Para o ano que vem, os analistas do banco comentam que esperam uma queda consistente de queima de caixa, com maiores margens, menor capex (investimentos em bens de capital) e juros mais baixos. 

Segundo o BTG, a partir de agora, com melhor leitura de fluxo de caixa livre (positivo já ano que vem), a ação pode seguir negociando bem na bolsa. “Vemos espaço para mais potencial de valorização para o papel. A B2W é uma das potenciais vencedoras no e-commerce brasileiro em nossa visão, podendo negociar a múltiplos mais próximos dos pares globais do setor”, comentam. 

No 3° trimestre, a companhia atingiu receita líquida de R$ 1,775 bilhão, queda de 14% quando comparado com o mesmo trimestre de 2016, e Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado de R$ 159,5 milhões, aumento de 13,1% utilizando a mesma base de comparação. 

“Os números operacionais continuam a indicar que a jornada em transformar a empresa em um e-commerce tradicional para um broker de marketplace está evoluindo”, comentaram os analistas do Credit Suisse. Destaque para as vendas de marketplace, que aumentaram 101% na comparação anual, atingindo 36% do GMV total (‘gross merchandise value’, ou venda bruta de mercadorias próprias). 

No período, a empresa registrou prejuízo líquido de R$ 88 milhões, redução de quase 40% sobre o resultado negativo de um ano antes; mas um pouco pior do que o esperado pelos analistas consultados pela Bloomberg, que apontavam prejuízo de R$ 79,25 milhões. 

E sobre Lojas Americanas… 

Por outro lado, o balanço da Lojas Americanas deixou a desejar. A empresa entregou um trimestre que deve ficar marcado por um número modesto de vendas, margens estáveis e queima de caixa, comentam os analistas do Credit Suisse.

Para eles, apesar do Ebtida em linha com o esperado (crescimento de 6% na comparação anual), o lucro líquido veio bem abaixo das estimativas. 

A companhia registrou lucro líquido de R$ 23,1 milhões no 3° trimestre, revertendo prejuízo líquido de R$ 70,5 milhões registrado no mesmo período de 2016; mas abaixo também da média projetada pelos analistas consultados pela Bloomberg de R$ 77,4 milhões. 

A receita líquida também decepcionou, alcançando R$ 3,839 bilhões no período, queda de 3,1% frente ao registrado no mesmo trimestre de 2016; e abaixo da projeção de R$ 4,230 bilhões da Bloomberg. Destaque negativo para o crescimento das “vendas nas mesmas lojas” (que considera os pontos abertos há mais de 12 meses), que ficou em 2,5% no período, indicam o BTG e Deutsche Bank.  

Apesar do balanço sem brilho, os analistas do Credit Suisse apontam que a melhora gradual da economia deve ajudar nos próximos trimestres e que o que parece mais importante para o case é que a gestão está bastante focada em melhorar o fluxo de caixa ao invés do Ebitda. “Ainda continuamos com recomendação ‘outperform’ (desempenho acima da média) para o papel e acreditamos que a empresa pode se beneficiar de um modelo de negócios flexível e de alto retorno além um case secular de crescimento para a B2W”, comentam.

As ações da B2W e Lojas Americanas são duas das quatro novidades da Carteira InfoMoney do mês de novembro, que será revelada na próxima quarta-feira (8/11) às 14h45 horário de Brasília na InfoMoneyTV.  Os alunos do curso “Como montar uma carteira de ações vencedora” já receberam a carteira no dia 31 de setembro. Não conhece o curso? Clique aqui!

Gostou desta análise? Clique aqui e receba-as direto em seu e-mail!

Paula Barra