Stock Pills: Ir ou não IRB?

A empresa de resseguros IRB (IRBR3) e a renomada gestora carioca Squadra, foram protagonistas de um intenso debate no mercado financeiro sobre contabilidade

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
IRB
IPO de IRB

Fazia tempo que não via tanta gente do mercado financeiro engajada em um assunto ‘polêmico’. Meu termômetro para avaliar a temperatura das discussões é o fintwit, comunidade do mercado financeiro no twitter conhecida por seus debates acalorados em torno de assuntos relacionados a finanças. Entre os protagonistas das discussões estavam a empresa de resseguros IRB e a renomada gestora carioca Squadra.

Para facilitar o entendimento: se o fintwit fosse a plateia de uma luta de boxe, IRB e Squadra seriam os lutadores.

No meio da trocação, o Stock Pills dessa semana trouxe Carlos Daltozo, chefe de renda variável da Eleven Financial que há 5 anos acompanha IRB de perto e foi um dos responsáveis por ‘vender’ a história da resseguradora aos investidores no IPO, para ser o juiz desse ringue.

PUBLICIDADE

Para quem chegou agora e não sabe do que estou falando, a Squadra publicou em seu site no domingo (2/fev) uma carta de 30 páginas, mais um relatório de análise com outras 154, detalhando todos os motivos da sua posição vendida (apostando na queda) nas ações do IRB desde meados de 2018.

Vale dizer que a mesma Squadra já havia sinalizado em anos anteriores que a IRB era a sua posição short. Retirei o trecho abaixo da carta que eles soltaram em fev/2019:

“Ainda sobre nosso portfólio short, mais recentemente, têm nos intrigado a excepcional rentabilidade, baixa volatilidade e alta previsibilidade guiada para uma empresa do setor de seguros. Em um business que, tal como o setor de educação superior discutido acima, possui natureza commodity, chama atenção que tenhamos no Brasil a empresa distanciadamente mais rentável e mais cara do mundo no segmento.” O link da carta está aqui.

Mas na carta do último domingo, Squadra deu ‘nome aos bois’:

“Desde que o IRB realizou sua abertura de capital em bolsa de valores, no ano de 2017, temos dedicado esforços na análise de seus negócios e resultados. Nesse processo, encontramos indícios que apontam lucros normalizados (recorrentes) significativamente inferiores aos lucros contábeis reportados nas demonstrações financeiras da Companhia. Essa disparidade entre lucro contábil e lucro normalizado foi crescente durante o período e atingiu sua maior diferença nos resultados trimestrais mais recentes.”

A carta (link aqui) é uma aula para quem sempre ‘sonhou’ em ler uma análise profunda feita por uma gestora que há quase 12 anos vem entregando retornos consistentes ao seu cotista. De abril de 2008 pra cá, o raiz Long Only e o nutella Long Biased acumulam retornos de 825% e 693%, respectivamente, contra apenas 89,5% do Ibovespa.

PUBLICIDADE

Em um mercado que não está acostumado a ver gestoras vindo a público expor os motivos de não gostar de uma empresa (o ep. 23 do Stock Pickers abordou bem os desafios de uma gestora expor uma posição vendida), o evento derrubou as ações da IRB, que na segunda-feira (3), fecharam em queda de 9,06%.

A IRB não deixou barato: em comunicado, frisou que segue as normas contábeis vigentes no Brasil “com absoluta precisão e rigoroso processo de governança” e ainda informou que avalia medidas cabíveis, uma vez que a Squadra está “vendida” nas ações e tem interesse econômico conflitante com o da empresa.

No meio desse furacão, Daltozo explicou por que mesmo depois de ver as ações se valorizarem 380% desde o IPO feito em 2017, ele ainda está otimista e tem recomendação de compra em IRB (IRBR3). Além da elevada rentabilidade que a companhia trimestralmente vem divulgando (ROE de 23% no IPO para 37% no 3°tri/19), um dado legal que ele trouxe e que corrobora o que foi dito no último Stock Pills que fizemos sobre Lojas Renner (link) é o fato de mais uma empresa usar tecnologia e conhecimento de dados a seu favor.

Para saber mais detalhes da visão de Daltozo em IRB, escute abaixo o Stock Pills que preparamos para você:

View this post on Instagram

A empresa de resseguros IRB (IRBR3) e a renomada gestora carioca Squadra, têm sido os protagonistas de um intenso debate no mercado financeiro. Aliás, fazia tempo que não víamos tanta gente engajada em torno de um assunto ‘polêmico’. No último domingo (2/fev) a Squadra soltou uma carta e mais um relatório de 154 folhas detalhando todos os motivos da sua posição vendida (apostando na queda) nas ações do IRB. Em um mercado que não está acostumado a ver gestoras vindo a público expor os motivos de não gostar de uma empresa, o que chamou a atenção foi a conclusão do estudo, que apontou que existiriam indícios para lucros recorrentes significativamente inferiores aos lucros contábeis reportados pela empresa. No meio da trocação, trouxemos Carlos Daltozo, chefe de renda variável da Eleven Financial que há 5 anos acompanha IRB de perto e foi um dos responsáveis por ‘vender’ a história da resseguradora aos investidores no IPO, para ser o juiz desse ringue. Ele explicou por que mesmo depois de ver as ações se valorizarem 380% desde o IPO feito em 2017, ele ainda está otimista e tem recomendação de compra na empresa.

A post shared by Stock Pickers (@stockpickers_) on

Apresentado por Thiago Salomão, analista da Rico Investimentos, o Stock Pickers vai ao ar toda quinta-feira às 17h. Você pode seguir e escutar pelo Spotify, Spreaker, Deezer, iTunes e Google Podcasts.

Matheus Soares

Matheus Soares é analista da Rico Investimentos e um dos responsáveis pela Carteira Rico Dividendos 8+