Máquinas, aço e petróleo: o jogo de influência no pré-sal

Entenda como industriais e ambientalistas viraram o jogo político.
Por  Eduardo Galvão
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

 

A descoberta do pré-sal em águas brasileiras despertou o interesse de empresas e setores industriais que identificaram grande potencial de negócios e investimentos. Começava então uma disputa setorial pela regulamentação da exploração – um negócio que demandará investimentos da ordem de R$ 1 trilhão, segundo estudos da Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados.

O passo inicial era a liberação para que a Petrobras não tivesse que ser a operadora única no pré-sal. Pela legislação antiga a petrolífera brasileira devia atuar como operadora única dos campos do pré-sal, tendo participação mínima de 30% do consórcio vencedor das licitações de cada bloco. Devia também ser a responsável pela execução de todas as atividades de exploração, desenvolvimento e produção. Para superar essa barreira à entrada de novos empresas, um projeto de lei de autoria do senador José Serra aprovado em 2016 deu fim à exclusividade.

Aberto o espaço para participação de outras petroleiras, era tempo de facilitar o investimento estrangeiro. A Medida Provisória 795, editada em agosto de 2017, pouco antes do leilão do pré-sal, suspendeu até 2022 os tributos cobrados nos investimentos para exploração, desenvolvimento e produção de petróleo – Imposto de Importação, IPI, PIS/Pasep-Importação e Cofins-Importação para importação de máquinas e equipamentos, matérias-primas e produtos intermediários.

A MP 795 desonerava os investimentos das petroleiras, interesse atribuído às gigantes do setor como Shell, BP e Premier Oil e ainda a Petrobras. Por essa razão, era de interesse do Governo, como acionista da Petrobras, defender a medida. Mas isso prejudicava as empresas brasileiras de setores que fornecem para as petroleiras, como os de máquinas e aço. O jogo de defesa de interesses teria então como palco a comissão mista (composta por deputados e senadores) e os plenários da Câmara e do Senado.

Uma emenda apresentada pelo deputado Jerônimo Göergen, presidente da Frente Parlamentar da Indústria de Máquinas e Equipamentos – FPMaq, propunha que a suspensão desses tributos seria aplicada somente se não houvesse similar nacional. Ou seja, caso o produto a ser importado tivesse similar fabricado no Brasil, a importação não teria o benefício fiscal, incidindo todos os impostos. Essa emenda foi rejeitada na comissão mista e, apesar dos protestos de parlamentares da oposição, a medida provisória foi aprovada com folga.

Ao seguir para apreciação na Câmara dos Deputados aconteceu algo inesperado que trouxe um revés no jogo. O jornal britânico The Guardian publicou a matéria “UK trade minister lobbied Brazil on behalf of oil giants” noticiando que o Ministro do Comércio do Reino Unido pressionou o Brasil em nome de grandes empresas do petróleo. Segundo a matéria, um telegrama obtido pela ONG Greenpeace mostra que o ministro inglês defendeu junto ao Governo brasileiro o relaxamento das regulamentações fiscal e ambiental para exploração do pré-sal, o que teria culminado na edição da MP 795. Essas tratativas entre governos seriam uma contradição à posição do Brasil nas negociações climáticas ocorridas na mesma semana.

Sob essa motivação, o Greenpeace e ativistas ambientais realizaram um trabalho de grassroots lobbying para convencer os deputados a votarem contra a MP. Na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP 23), a MP foi criticada por convidados que chamaram o Brasil de “Fóssil do Dia”, por incentivar a exploração de fontes poluentes. E trabalharam ainda via lobbying direto – uma carta assinada por mais de 120 organizações e redes da sociedade civil, incluindo WWF e Observatório do Clima, foi enviada aos presidentes da Câmara e do Senado alertando para os prejuízos econômicos e climáticos. Segundo a carta, a medida “expõe o país a risco econômico e o mundo a risco climático intoleráveis”. Com essa munição o plenário da Câmara foi preenchido com discursos contra a MP e críticas à política que beneficiava empresas estrangeiras retirando empregos do Brasil.

Os setores de máquinas e equipamentos e de aço, capitaneados pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – Abimaq e pelo Instituto Aço Brasil, foram novamente a campo travar uma batalha de influência junto aos parlamentares, contando com o apoio de deputados integrantes da FPMaq. Os setores da indústria nacional argumentavam que, se a isenção fiscal fosse aprovada, todas as compras para exploração do pré-sal seriam feitas no exterior e que, já que o petróleo é um bem do Brasil, em contrapartida à exploração deveria haver investimentos que assegurem a geração de empregos e o desenvolvimento econômico e tecnológico no país.

Em Plenário a indústria nacional já contava com o apoio da FPMaq, da oposição e de parte da base do Governo, que a essa altura já estava dividida, indicando que a disputa seria decidida de maneira apertada, voto a voto.

A solução para o impasse surgiu ao melhor estilo Ótimo-de-Pareto. Foi proposto que, em troca da aprovação da Medida Provisória com a isenção fiscal, fosse apresentado um projeto de lei para garantir índices mínimos de conteúdo local para as diferentes fases da exploração do pré-sal. Com isso ficaria garantido que parte dos investimentos deveria ser destinada à aquisições de máquinas e equipamentos nacionais. A proposta veio em boa hora e agradou os setores empresariais, as petroleiras, os deputados e o Governo.

Com isso alinhado, a Medida Provisória foi aprovada e um projeto de lei (garantindo índices mínimos de conteúdo local em cada etapa) foi apresentado pelos deputados Jerônimo Göergen, Leonardo Quintão e demais envolvidos na negociação e está sendo apreciado em regime de urgência.

Este aceno parece garantir uma solução equilibrada que resguarde os interesses do Brasil. Exemplo de como a participação social nas discussões de políticas públicas, de maneira técnica e profissional, aliada à negociação baseada em princípios, é capaz de gerar resultados equilibrados com soluções favoráveis a todos os envolvidos.

 

Compartilhe

Mais de Pensando Política

Pensando Política

América Latina: intensa agenda eleitoral em 2018

No próximo ano, os países da América Latina terão uma intensa agenda eleitoral. Eleições presidenciais ocorrerão na Costa Rica, Paraguai, Colômbia, México e Brasil. Declarações do presidente cubano Raúl Castro afirmam o seu compromisso em promover a transição e a transferência de poder para um novo presidente. Já na Venezuela a vitória do partido do […]
Pensando Política

RenovaBio, uma ótima política

Por: Donizete Tokarski, diretor-presidente da União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio) Mario Campos, presidente da Associação da Indústria Sucroenergética de Minas Gerais (SIAMIG) Daniel Furlan, gerente de Economia da Associação Brasileira da Indústria de Óleos Vegetais (Abiove) Bruno Alves, colaborador do Pensando Política do InfoMoney
Pensando Política

O impacto das “fake news” nas eleições

Este artigo apresenta as experiências internacionais no monitoramento das fake news e discute como o Brasil pode lidar com o fenômeno na campanha eleitoral do próximo ano. Este é um processo complexo e dinâmico que envolve diversas estratégias e engajamento de diversos grupos sociais. Evitar as distorções geradas pela difusão de conteúdo falso será um importante passo para o fortalecimento da democracia.
Pensando Política

A crise do porto de Santos

O maior porto da América Latina tem uma deficiência secular na gestão da dragagem, o que prejudica a competitividade dos exportadores e a rentabilidade dos terminais portuários.