Quando a lógica não se sustenta

Vamos partir de uma fórmula simples. a=b. Multiplicando os dois lados por a, temos a²=ab. Agora somamos nos dois lados a²-2ab e chegamos em a²+a²-2ab=ab+a²-2ab, ou simplesmente, 2(a²-ab)=a²-ab. Divida os dois lados por a²-ab e descubra que 2=1. Obviamente existe uma falha importante nessa lógica. 2 não é de fato igual à 1, como imagino […]

Alexandre Aagesen

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Publicidade

Vamos partir de uma fórmula simples. a=b. Multiplicando os dois lados por a, temos a²=ab. Agora somamos nos dois lados a²-2ab e chegamos em a²+a²-2ab=ab+a²-2ab, ou simplesmente, 2(a²-ab)=a²-ab. Divida os dois lados por a²-ab e descubra que 2=1. Obviamente existe uma falha importante nessa lógica. 2 não é de fato igual à 1, como imagino (espero) que você saiba. Só porque algum argumento parece lógico, não significa que ele seja.

Mas agora você está na cadeira do Roberto Campos Neto, e hoje é dia 15 de abril de 2024. Todos os dados americanos são ruins, tudo aquecido, juros das treasuries na lua. Logicamente você perpetua a tendência imediata nos seus modelos, decide puxar o plug no forward guidance e forçar uma redução no ritmo de cortes. Mas o que parece lógico nem sempre é. Desde então os dados nos EUA só melhoraram – pelo menos do ponto de vista inflacionário, que é o que o banqueiro central está olhando. Pode escolher o dado, estão todos desacelerando. Para ajudar, ainda essa semana devemos ver o primeiro corte do BCE. E agora? Como agir? Voltar atrás, ou double down?

Ontem tivemos JOLTS mais fracos que o esperado. Hoje temos ADP. Se eles forem indicadores antecedente do Non-Farm Payroll (e – em geral – são), sexta-feira podemos ter uma nova onda de apostas em mais cortes no FOMC esse ano. Ontem mesmo essas apostas já subiram bem. Mas uma economia americana menos aquecida, puxou commodities, que puxaram nossa bolsa que performou mal mesmo com PIB mais forte. Faz parte, somos EM. E falando em EM, ontem a Índia “Mexicou”. Depois que o Modi não conseguiu os 80% do congresso (é sério esse número) que alguns analistas esperaram, e ficou “só” com pouco mais de 40%, o mercado azedou, e a moeda apanhou. Faz parte, também são EM.

Continua depois da publicidade

Ficou com alguma dúvida ou comentário? Me manda um e-mail aqui.

Tópicos relacionados

Autor avatar
Alexandre Aagesen

Com mais de 16 anos de mercado financeiro, é CFA Charterholder, CAIA Charterholder, autor do livro "Formação para Bancários", professor convidado e Investor na XP Investimentos