Frustração

Leilão de Treasury frustra expectativas do mercado.

Alexandre Aagesen

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Publicidade

Algumas coisas são muito frustrantes. Por exemplo, 31 é um número primo, você deve se lembrar do que isso significa. Aí você descobre que 331 também é primo. Se você continuar colocando “3” na frente, vai descobrir que 3.331, 33.331 e 333.331 também são números primos. Ora, 3.333.331 também é primo. E até 33.333.331 é primo. E quando você acha que entendeu como funciona, descobre que 333.333.331 não é. Frustrante. Mas mais frustrante do que isso foi o leilão de treasury curta de ontem. Tivemos leilão de 2 e de 5 anos, e ambos foram piores do que normalmente em qualquer quesito. Menos apetite, mais taxa, mais sobras… o Citi tem um índice de força relativa dos leilões e os dois ficaram muito, MUITO baixos. Quer mais? Então fique de olho que hoje tem leilão de treasury de 7 anos. Quer mais ainda? Amanhã é feriado aqui no Brasil e sexta vai ter bem menos liquidez do que normalmente. Ainda não está satisfeito? Sexta sai PCE nos EUA.

Outra coisa que frustrou os mercados e o próprio Fed ontem foi a falta de frustração dos consumidores norte-americanos. Você leva a taxa básica de juros de zero para mais de 5%, o maior nível desde 2008, isso em um prazo recorde e mesmo assim o emprego segue forte, o consumidor segue confiante, a economia segue aquecida. Frustrante. Então você vai ter que manter os juros mais alto por mais tempo. E isso, por sua vez, frustra os agentes do mercado, que, então, frustram a dinâmica de preços.

De frustração estamos cheios, então vamos a um giro rápido aqui: IPCA-15 saiu melhor que o esperado, com abertura relativamente boa; Nubank passou (de novo) o Itaú em valor de mercado depois de entrar em negócios menos “bank” (quem sou eu para falar quem ganha entre Setubal e Vélez?); ontem o TCU e o Ministério Público entraram na discussão de decisão de Política Monetária versus FOCUS. Estão imaginando se o FOCUS não tem mais peso do que deveria, e se está ou não sendo manipulado. Se o FOCUS estivesse muito pior que as implícitas, eu até comprava essa conversa, mas é exatamente o oposto. E para hoje, além de tudo, vamos de dados de emprego e IGPM aqui no Brasil. Boa sorte, meus amigos. E bom feriado!

Continua depois da publicidade

Ficou com alguma dúvida ou comentário? Me manda um e-mail aqui.

Tópicos relacionados

Autor avatar
Alexandre Aagesen

Com mais de 16 anos de mercado financeiro, é CFA Charterholder, CAIA Charterholder, autor do livro "Formação para Bancários", professor convidado e Investor na XP Investimentos