Dia dos Namorados

Hoje temos FOMC e - Principalmente Dot Plot. Digo, principalmente Dia dos Namorados.

Alexandre Aagesen

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Publicidade

Hoje é Dia dos Namorados e você tem um encontro com seu crush. Ele já te decepcionou antes, é verdade, mas você continua voltando. O frio na barriga, o nervosismo, será que seu cabelo está legal? Puxa, você está há 6 semanas esperando por isso. Tomara que tudo corra bem. O chocolate derrete enquanto o suor desce. Seu crush chega só às 15 horas e você já começa com as preliminares. Consumer Price Index, o CPI, a inflação de maio. Bem, não esqueça de levar proteção. Digo, hedge. Facilita sua vida, amor. O relógio anda devagar. Verifica a cada 5 minutos, mas só passaram 2. Meio-dia, 13h, 14h, 14:30, 14:45, 14:55 ele está chegando, 14:59, agora vai. Más notícias, o nome dele é Jay Powell, e sua performance é bastante instável. Hoje, pleno Dia dos Namorados e os homens só pensam numa coisa: Dot Plot.

E cá estamos, mais uma vez, buscando entender esse o mercado. Dizemos “O” mercado, mas talvez haja uma falha de sintaxe aqui. O mercado, parece um rival, alguém a ser batido, um adversário, algo a ser confrontado. Talvez “mercado” devesse ser uma palavra feminina. Ninguém (em sã consciência) bate de frente com uma mulher. Tenho uma esposa e uma filha em casa, e não guardo ilusões quanto ao meu lugar por ali. É uma dança, não uma disputa. Fluida e harmônica. Muita graça e muita, muita humildade. Normalmente se você vai contra o mercado, é você que está errado. É assim no mercado (e é assim lá em casa).

E por fim, ontem o Fernando Ferreira, Estrategista-Chefe da XP, deu uma entrevista à Bloomberg Línea, muito interessante. Já falamos aqui que em agosto empresas brasileiras listadas fora do Brasil (como XP, Stone, Nubank e PagSeguro) vão poder fazer parte do índice global como ativos brasileiros (mesmo não sendo listados aqui). Estamos falando do MSCI, e – por exemplo – do EWZ. Essa mudança pode até ser boa para as companhias em questão, mas – segundo o Ferreira – seria negativo para a bolsa brasileira em termos de fluxo e liquidez. Faz sentido, o bolo vai ser dividido com empresas brasileiras listadas lá fora. Vale a leitura, é um bom ponto.

Continua depois da publicidade

Ficou com alguma dúvida ou comentário? Me manda um e-mail aqui.

Tópicos relacionados

Autor avatar
Alexandre Aagesen

Com mais de 16 anos de mercado financeiro, é CFA Charterholder, CAIA Charterholder, autor do livro "Formação para Bancários", professor convidado e Investor na XP Investimentos