Concordar em discordar

Por  Alexandre Aagesen
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

E chegou a tão esperada ata. Nada foi dito sobre política, claro, e o que foi avaliado foi apenas se vale a ou não quebrar a expectativa do mercado. Quatro membros achavam que o ritmo de corte impacta menos que a taxa terminal nas expectativas, e que valia mais manter o guidance da última ata. Cinco achavam que, dado que o mercado já estava precificando 25 bps, o guidance anterior já não valia tanto e seria melhor reduzir o ritmo agora, para ancorar as expectativas de inflação. Ninguém argumentou que o cenário estava bom e tinha que cortar mais por isso. Quem lê a ata sem saber quem foi indicado pelo Lula (os 4 que votaram 50 bps) e quem foi pelo Bolsonaro (os 5 que votaram 25 bps), vê duas argumentações técnicas. Mas o mercado sabe quem foi indicado por quem, e aí é impossível não ver separação política. Pelo menos, é essa a percepção, e percepção importa.

Ainda sobre ontem o mercado voltou a janeiro de 2021. Você vai se lembrar do clima: todo mundo preso dentro de casa, lives sem fim com sertanejos embriagados, happy hours pelo Zoom, máscaras pululando em sua gaveta de meias e um influenciador começando uma campanha para brigar com os grandes Hedge Fund Managers malvadões que estavam apostando contra a pobre GameStop. Pois é, ele voltou. @TheRoaringKitty (o influenciador em questão) fez um novo post ontem, sem dizer absolutamente nada (a foto de capa dessa edição). 24 milhões de visualizações depois, as ações da GameStop estão subindo mais de 110%. Mas deve ser fundamento da companhia melhorando, claro.

Para hoje, olho no PPI e no Powell. Sempre surpresinha, você sabe. Existe um termo do grego que sempre me lembra o Powell. Peripatéticos. Antes que você pense que eu estou falando mal do Powell (normalmente sim, seria o caso), Peripatéticos é a palavra grega para “itinerantes”. Era assim que eram conhecidos os discípulos de Aristóteles, dado que costumavam discutir filosofia enquanto andavam ao ar livre. Não tem nada a ver com o andar do bêbado (random walk) ou sobre a deriva que o Powell poderia (eventualmente) se encontrar. Estou, claro, considerando-o, um discípulo de Aristóteles.

Ficou com alguma dúvida ou comentário? Me manda um e-mail aqui.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Alexandre Aagesen Com mais de 16 anos de mercado financeiro, é CFA Charterholder, CAIA Charterholder, autor do livro "Formação para Bancários", professor convidado e Investor na XP Investimentos

Compartilhe

Mais de One Page

One Page

Na dúvida, precisamos de um Braço Forte

“Um pequeno passo para um homem, um grande salto para a humanidade”. Assim disse Neil Armstrong, o astronauta, momentos antes de ser o primeiro homem e – até onde sabemos – primeiro ser vivo a pisar na lua. Agora Fernando Haddad tem um desafio ainda maior para a humanidade. Ele pretende apresentar um pacote de […]
One Page

De mal a pior

Nenhum problema nasce grande. Mas se você regar direitinho, ele cresce que é uma beleza.
One Page

Sobre expectativas e bolhas

“Unânime”: consenso total, onde todos os membros de um grupo concordam plenamente, sem discordância. Essa é a definição da palavra. Ontem o BCE votou por um corte de 25 bps. Segundo a Lagarde a decisão foi “unânime, a não ser por um votante”. Bom, então não foi unânime, né Lagarde? 9 em cada 10 dentistas […]
Modi participa de comício em Meerut, na Índia 31/03/2024 REUTERS/Anushree Fadnavis
One Page

Quando a lógica não se sustenta

Vamos partir de uma fórmula simples. a=b. Multiplicando os dois lados por a, temos a²=ab. Agora somamos nos dois lados a²-2ab e chegamos em a²+a²-2ab=ab+a²-2ab, ou simplesmente, 2(a²-ab)=a²-ab. Divida os dois lados por a²-ab e descubra que 2=1. Obviamente existe uma falha importante nessa lógica. 2 não é de fato igual à 1, como imagino […]