Fechar Ads

Ata do COPOM e PCE nos EUA

Ata do COPOM e PCE nos EUA devem guiar os mercados até o fim da semana. Política monetária no Japão também tem potencial de estressar mercados
Por  Alexandre Aagesen -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

E começa o “sextou” do ano. Última semaninha com alguma liquidez, algum trânsito, algum leitor e alguma atividade no Legislativo. Semana que vem tem negócio? Lógico que sim, mas não muito. A liquidez do mercado seca, enquanto molham-se as gargantas dos gestores. Como diria Gabriel, o Pensador: chope na tulipa, vinho na taça. Mas isso é para semana que vem. Esta semana é completamente full-gas! Ata do COPOM, GDP e PCE.

O COPOM vai ter que sambar nessa ata de amanhã. Ou vai flexibilizar o tom do comunicado e abrir a porta dos 75 bps, ou vai ter que explicar por que o tom duro no mesmo dia que o FOMC relaxou. Quinta a gente tem o último dado do PIB americano do terceiro trimestre, mas esse já sabemos que vem forte e nem deve(ria) fazer barulho. PCE, e particularmente o Core PCE, sim. Esse sim deve fazer barulho, mas só na sexta-feira, dia 22. Aquele timing gostoso e sem liquidez pra carimbar o clima do ano.

Essa semana temos também decisão de política monetária no Japão, Chile e Colômbia. Japão tem poder de fogo aqui (se vier mais hawk). Chile e Colômbia, menos (deve vir mais dove). Enquanto isso, vamos reler o texto final(mente) aprovado pelo Congresso da Reforma Tributária. Não dá para eu enfatizar o suficiente o impacto disso no Brasil. Meus filhos não vão viver no mesmo ambiente tributário que carregamos até aqui. E digo “carregamos”, com todo impacto que essa palavra implica. Mas isso é só daqui 10 anos. E falando em esperar vários anos, o Banco Safra mudou de opinião e decidiu apoiar o plano de recuperação da Americanas. Termino com a pauta que sozinha resume Emerging Markets (e alguns Developed): a presidente do Banco Central da Turquia (Hafize Erkan – ex-First Republic) reclamando que o aluguel em Istambul está muito caro e voltando pra casa dos pais. Sério, puro suco de 2023.

Ficou com alguma dúvida ou comentário? Me manda um e-mail aqui.

Alexandre Aagesen Com mais de 15 anos de mercado financeiro, é CFA Charterholder, autor do livro "Formação para Bancários", host do podcast "Mercado Aberto" e Investor na XP Investimentos

Compartilhe

Mais de One Page