Fechar Ads

A teoria, na prática

O ano de 2024 promete te ensinar uma série de conceitos que você já ouviu, mas raramente vê na prática
Por  Alexandre Aagesen -
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Agora sim. Bola rolando, já está valendo. Bem-vindos ao ano do afrouxamento monetário sincronizado (mas não coordenado). Ao longo do ano, você vai aprender mais sobre um conceito antigo, que você já deve ter ouvido, mas, como bom brasileiro, sempre ignorou: risco de reinvestimento. No Brasil, com juros recorrentemente altos, perfil imediatista e o principal benchmark com duration de um dia (CDI), o tema é menos debatido fora da academia. Lá fora, isso é gigante! Enquanto em 2023 cash was king, em 2024 essa temática vai mudar: cada vez mais você vai ouvir a recomendação de adicionar duration aos portfólios.

Existe um termo grego, criado por Heráclito, defendido por Platão e reforçado por Jung, chamado “enantiodromia”. Formado por “enantios = opostos” e “dromos = pista de corrida”. O conceito é amplo, mas, em suma, é a ideia do pêndulo: uma força desproporcional para um lado cria uma reação desproporcional para o outro. Nas commodities, o preço alto gera interesse, investimento, sobre-oferta e preço baixo. Nos investimentos, volatilidade gera aversão a risco, redução de alavancagem/equities/duration, leva a pouca volatilidade e mais risk premium. Em política, gera a boa (ruim) e velha (velha mesmo) polarização. Estão aí mais alguns exemplos práticos que 2024 vai nos trazer.

E se eu estou aqui fazendo previsões, elas não são nada comparadas às que eu recebi desde a coluna de ontem. Três vezes mais previsões do que nossas melhoras estimativas até agora (esperávamos uma). Surpreendente. E o que o mercado está esperando surpresa (se é que isso existe) para hoje é na ata do Fed e no Jolts, ambos a serem divulgados durante o pregão. Vale ficar de olho. Vale também ficar de olho no ano difícil que o Japão tem tido (e hoje é dia 3): terremoto, tsunami e acidente “aéreo” (no chão). Esperamos que tenha acabado. Nota final de algo que acabou e vai deixar saudade (mas não vai fazer preço): rádios de amplitude modulada – o famoso rádio AM.

Ficou com alguma dúvida ou comentário? Me manda um e-mail aqui.

Alexandre Aagesen Com mais de 15 anos de mercado financeiro, é CFA Charterholder, autor do livro "Formação para Bancários", host do podcast "Mercado Aberto" e Investor na XP Investimentos

Compartilhe

Mais de One Page

One Page

O balanço de Nvidia

Depois do pregão, vamos acompanhar de perto o balanço (e o guidance) de Nvidia. Os números e, principalmente, os desdobramentos secundários