O “novo” mercado automotivo e as Concessionárias de… Serviços!

No meio do "caos automotivo" o pessoal está se re-inventando.
Por  Raphael Galante
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Encerrado o primeiro trimestre do ano, com queda nas vendas de -16% para veículos leves; ou -55% para o pessoal que vende veículos pesados; ou quase -11% para motocicletas, o que percebemos é que o negócio de revender veículos (ou seja, ser concessionário) já não é (faz tempo) a melhor opção de negócio.

Lógico que existem exceções! Algumas marcas se sobressaem neste mercado – ou, pelo menos, sofrem menos. Por exemplo, o nosso quarteto asiático. Ou o mercado de carros de luxo, veja aqui!

Mas, em geral, a tônica para os próximos dois anos (2015 e 2016), será de margens achatadas para as montadoras e, principalmente, para as concessionárias de veículos.  E, após analisarmos os mais diversos DEFs (Demonstrativos Econômicos Financeiros), das mais diversas marcas, percebemos que o concessionário de veículos está virando um “concessionário de serviços”.

Mas, como assim? O objetivo final da concessão é revender um veículo com uma certa margem estipulada em contrato. Com um mercado recessivo (esse será o terceiro ano de queda nas vendas), as margens de lucro de veículos novos – e até usados – estão virando pó!

Um exemplo que ilustraremos, é o que acontece no mercado americano e que servirá de referência para nós.

Nos últimos cinco anos, uma concessionária americana registrou uma lucratividade média (antes do IR) de 2,2%.  Percentual baixíssimo, se considerado todo o investimento que é feito no negócio. O gráfico abaixo ilustra melhor essa evolução.

 

 

Mas onde está a lucratividade do concessionário americano? Bem, em geral um dealer norte-americano realizou em 2014, um faturamento total próximo de US$ 50 milhões (a precisão cirúrgica é de US$ 49.163.233) e teve um lucro de US$ 1,1 milhão.

Convenhamos… 2,2% de lucro líquido não é o melhor dos negócios.

Se pegarmos a operação desse concessionário nos últimos cinco anos, ele teve um faturamento de US$ 210 milhões e lucro líquido de US$ 4,6 milhões.

E a pergunta de ouro aqui é:

Quanto vocês acham que esse concessionário americano ganhou na venda do veículo novo? Ou seja, quanto representa a lucratividade do carro novo sobre os US$ 4,6 milhões?

LEMBRETE: em geral, em qualquer franquia (qualquer mesmo) o franqueado tende a ser o que menos ganha dinheiro.

Pois bem, respondendo à nossa pergunta de ouro, um concessionário médio americano teve um lucro líquido na venda de carros novos, nos últimos cinco anos, na ordem de VINTE MIL DÓLARES/ANO ou CEM MIL DÓLARES NO PERÍODO DE CINCO ANOS.

Você dúvida?? Parte desses dados eu posso repassar para quem quiser. Mande um e-mail solicitando: contato@oikonomiaconsultoria.com.br

A questão aqui é que mais de 1/3 desta lucratividade de uma concessionária, veio do departamento de serviços (peças e oficina) e este departamento corresponde por apenas 11% do faturamento da concessionária.

Enquanto as vendas de veículos novos geraram lucratividade anual de US$ 20 mil, o departamento de serviços, no mesmo período, gerou lucratividade de US$ 345 mil; ou apenas 17 vezes a mais que o departamento de novos!

Outra parte da lucratividade da concessionária veio também das receitas de F&I (F&I – no conceito original seria o comissionamento de vendas de Financiamentos “F” e Seguros “I”), e também nas vendas de veículos usados. No caso americano, o veículo CPO virou a bola da vez.

O grande ponto interessante foi que o concessionário americano se reinventou e descobriu uma nova maneira de sobreviver, algo que o concessionário brasileiro vem fazendo nos últimos anos. A rentabilidade do concessionário brasileiro (das sete marcas que analisamos) ficou muito próxima a média americana. Em alguns casos, bem abaixo.

Sei que a maioria dos leitores vai falar do preço do carro, são: (absurdamente caros)², e já apontamos uma pequena explicação sobre o impacto da carga tributária nos preços dos veículos (veja aqui), que os elos da cadeia automotiva ganham muito dinheiro e por ai vai.

No lado das concessionárias – tirando marcas que estão na contramão do mercado – eles são franqueados! E, em geral – assim como todo franqueado – é muito trabalho e pouca lucratividade (2,2% de net profit).

Já o dono da franquia… bom, deixa pra lá….

Raphael Galante Raphael Galante é economista, trabalha no setor automotivo há mais de 20 anos e atua como consultor na Oikonomia Consultoria Automotiva.

Compartilhe

Mais de O mundo sobre muitas rodas

O mundo sobre muitas rodas

Os vários “Brasis” dentro do Brasil

Quando falamos do mercado automotivo brasileiro, independentemente do setor, sempre temos que ter em mente que existem vários “brasis” dentro do Brasil. Num país continental como o nosso, não temos aquela verdade absoluta. E, neste singelo post, vamos tentar mostrar algumas das principais diferenças