Por que Bolsonaro deveria buscar o livre comércio com os EUA?

Colin Grabow e Juan Carlos Hidalgo, ambos do instituto Cato, comentam, neste texto, sobre o tratado de livre comércio que está sendo discutido por Donald Trump e Jair Bolsonaro para possível implementação em 2019. A iniciativa é vista com bons olhos pelos especialistas, já que seria uma forma do Brasil impulsionar o crescimento de sua economia e dos Estados Unidos, por sua vez, de fortalecer as relações comerciais com o país sul-americano.
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Existem obstáculos políticos e técnicos para uma negociação, mas um acordo de livre comércio beneficiaria ambos os países.

Essa é a possibilidade oferecida pelo presidente dos EUA, Donald Trump, após a eleição de Jair Bolsonaro, alguém com um perfil semelhante ao seu. Bolsonaro provavelmente será um dos aliados mais próximos de Washington no continente Americano e um acordo de livre comércio daria o impulso necessário para a economia brasileira que está saindo de uma das suas maiores crises. O acordo também ajudaria os Estados Unidos a lidar com frustrações de altas barreiras tarifárias que o Brasil impõe ao comércio internacional. Mas, para os Estados Unidos chegar a esse acordo com o gigante sul-americano não será tarefa nada fácil.

O primeiro obstáculo é a participação do Brasil no Mercosul, um mercado comum composto, atualmente, por Argentina, Paraguai e Uruguai. Desde 2000, o bloco está amarrado a um acordo que impede seus membros de negociar acordos bilaterais com outras nações. Bolsonaro poderia, claro, tentar negociar por conta própria, mas essa medida seria um golpe mortal ao Mercosul e com um alto custo político.

Uma opção seria Bolsonaro pressionar o início das negociações de acordo comercial com os Estados Unidos através do próprio Mercosul. Embora a Argentina não esteja em seu melhor momento para isso – dadas as atuais lutas políticas do Presidente Mauricio Macri -, o terreno poderia ser preparado para um acordo a ser alcançado caso Macri fosse reeleito no ano que vem.

A verdade é que o Mercosul começou a renascer de um longo período dominado por governos de esquerda que o politizaram e tornaram o bloco mais protecionista. Esse é um dos motivos pelo qual o Mercosul continua sofrendo para alcançar acordos comerciais com outros grandes países ou blocos regionais (as negociações iniciadas com a União Europeia em 1999 permanecem num impasse). Mas não se deve presumir que as conversas com os Estados Unidos seriam condenadas ao mesmo destino.

Outro obstáculo a ser superado é a história recente entre o Brasil e os EUA. O Brasil foi o principal culpado pelo colapso das negociações da Área de Livre Comércio das Américas (ALCA) apoiada pelos EUA na última década. E, enquanto a equipe econômica de Bolsonaro conta com economistas que apoiam o livre comércio publicamente, os principais receios do Brasil para um acordo com os Estados Unidos não vão desaparecer de uma hora para outra. Para o Brasil, os principais problemas da política comercial americana são: os subsídios agrícolas dos EUA, a tarifa americana sobre produtos industriais e a demanda dos EUA de proteção aos direitos de propriedade intelectual.

Os subsídios agrícolas são particularmente uma das maiores preocupações. Em 2014, os Estados Unidos concordaram em pagar US$ 300 milhões para produtores de algodão brasileiros para resolver uma disputa da Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre os subsídios norte-americanos. O programa de açúcar dos EUA é outra fonte de descontentamento brasileiro. O acesso ao mercado dos EUA pelo Brasil, maior produtor mundial de açúcar, é bastante limitado. O governo americano impõe níveis de tarifas punitivas após ultrapassar uma certa cota de importação proveniente do Brasil.

Por último, os exportadores brasileiros de aço e alumínio acreditam ser prejudicados pelas tarifas e cotas impostas pela administração Trump no início deste ano.

Claro que os Estados Unidos também têm seus próprios motivos para estarem frustrados com o Brasil. Grande parte desse descontentamento se deve a barreiras não-tarifárias, como os famosos requisitos de conteúdo local. O presidente Trump também disse publicamente que o Brasil tem tratado os Estados Unidos de maneira “muito dura” citando suas “tarifas muito grandes”. Dessa forma, para que as negociações de livre comércio ocorram, há uma sensação de que o Brasil deve primeiro alinhar seu marco regulatório com os Estados Unidos antes que o trabalho de base pode realmente ser feito.

Ainda assim, os países se beneficiariam muito de um acordo de livre comércio. O Brasil é o 12º maior parceiro comercial dos Estados Unidos, e um acordo entre os dois países poderia impulsionar o PIB dos EUA em US$ 24 bilhões e o do Brasil em US$ 38 bilhões, segundo dois estudos de 2016. Conta a favor de Trump, o fato que os Estados Unidos tiveram um superávit comercial com o Brasil de quase US$ 27 bilhões em 2016.

Existem inúmeros incentivos para o Brasil também buscar esse tipo de acordo. Jair Bolsonaro demonstrou diversas vezes sua preocupação com o maior parceiro comercial do Brasil, a China. Um acordo de livre comércio com os Estados Unidos – o segundo maior parceiro do país – poderia ser um meio de reorientar a economia para longe de Pequim e assim depender menos dos chineses. Mais importante ainda, o acordo de livre comércio enviaria um sinal necessário de que a retórica pró-mercado, adotada por seu principal assessor econômico [Paulo Guedes], é mais do que simples palavras.

A recente conclusão das negociações do Brasil sobre um acordo de livre comércio com o Chile, um membro associado do Mercosul, poderia servir como modelo. Entre um dos acordos mais abrangentes que o já Brasil negociou, pode ser uma indicação de que Brasília está se posicionando para buscar o tipo de acordo amplo que os Estados Unidos provavelmente exigiriam. Um incentivo adicional é o fato que o Brasil também abriu negociações comerciais com o Canadá este ano através do Mercosul.

O Brasil ainda está se recuperando dos efeitos de sua pior crise econômica da história e precisa de reformas estruturais para evitar outra recessão. A abertura comercial – incluindo um Acordo de Livre Comércio com os Estados Unidos – proporcionaria um impulso de confiança necessário e contribuiria para combater o alto custo de vida do país, o custo Brasil.

Porém, o que o Brasil precisa e o que pode conseguir são duas coisas diferentes. As restrições impostas pela participação no Mercosul são um sério obstáculo para a conclusão de um acordo de livre comércio. Enquanto muitos brasileiros reconhecem a necessidade de uma maior abertura econômica, contrariar grupos de interesse e políticas desordenadas tem se mostrado não ser nada simples. O compromisso de Bolsonaro com uma economia mais liberal continua a ser visto. Além disso, ele também desfruta de um dos maiores apoios populares conquistado nas urnas na história democrática brasileira. Vamos esperar que ele o use para o bem!

 

 –

Grabow é analista de políticas no Centro Herbert A. Stiefel de Estudos de Políticas Comerciais e Hidalgo é analista de políticas da América Latina no Centro para Liberdade e Prosperidade Globais, ambos no Instituto Cato.

 

Bibliografia:

GRABOW, Colin; HIDALGO, Juan Carlos. Why Bolsonaro Should Pursue Free Trade with the U.S. in Americas Quarterly. Disponível em: <https://www.americasquarterly.org/content/why-bolsonaro-should-pursue-free-trade-us>. 19 Dez. 2018.

IFL - Instituto de Formação de Líderes O Instituto de Formação de Líderes de São Paulo é uma entidade sem fins lucrativos que tem como objetivo formar futuros líderes com base em valores de Vida, Liberdade, Propriedade e Império da Lei.

Compartilhe

Mais de IFL-Instituto de Formação de Líderes

IFL-Instituto de Formação de Líderes

Qual o papel da Lei e do Estado?

Que tipo de qualidade de vida você e sua família teria se pudesse ter mais liberdade de escolher para onde vão os frutos das suas faculdades (do seu trabalho), que atualmente são espoliados pelo Estado em forma de impostos para gastos que não necessariamente estão alinhados com as suas necessidades?