Turnaround em construção: o caso da RNI

Hoje comentaremos sobre um setor que não costuma estar presente nos nossos filtros de seleção de empresas, mas em função da crise que o impactou, mereceu nossa análise. Vamos tratar do setor de construção civil.

arrow_forwardMais sobre

O setor de construção viveu áureos momentos com o boom de IPOs das construtoras (2007-2011), todas ávidas por recursos com o objetivo de adquirir o maior número de terrenos possível.

Nessa época, o Brasil estava na moda e tinha sido lançado o maior programa habitacional do mundo, o Minha Casa Minha Vida (MCMV), além de estímulos na concessão de crédito imobiliário pela Caixa Econômica Federal (CEF) para imóveis destinados à classe média.

Essa festa do crédito farto e barato propiciou nosso primeiro boom imobiliário aferível pelo mercado.  Nesse período, os fundos imobiliários também tiveram enormes valorizações.

PUBLICIDADE

Com os recursos dos IPOs as empresas implementaram seus planos de obras e o Brasil virou um enorme canteiro, sendo que foi dada pouca atenção aos custos, uma vez que o valor dos imóveis comportava qualquer desaforo.

Foi nesse ambiente “favorável” que a maioria dos IPOs foi feita.

Como as festas sempre acabam, porém, as construtoras foram pegas no contrapé com a piora do ambiente macro, que teve como consequência o aumento da inflação e dos juros, culminando com a elevação expressiva do desemprego que se encontrava nos menores níveis históricos.

A queda na renda atingiu em cheio o setor de construção. Isso associado a uma legislação que protegia o consumidor amplificou ainda mais a crise. Além da parada brusca nas vendas, as empresas passaram a receber de volta os imóveis vendidos, e foram obrigadas a devolver os valores pagos aos clientes, piorando muito a situação financeira que já vinha frágil.

É o que chamamos de tempestade perfeita.

Grandes empresas do setor entraram em recuperação judicial e até hoje não tiveram suas situações regularizadas, como é o caso da PDG.

PUBLICIDADE

Diante desse cenário devastador de depressão econômica associada a uma legislação injusta que beneficiava o comprador de imóveis, passamos a analisar as empresas do setor em busca de oportunidades.

De cara, verificamos que o setor de casas populares, mesmo na crise, continuou desempenhando bem, o que pode ser comprovado pelos resultados da MRV, hoje a maior empresa aberta do setor imobiliário. Isso confirma que, mesmo com a crise, a necessidade básica de ter um teto persiste, diante do nosso enorme déficit habitacional.

Das empresas analisadas, buscamos como norte uma atuação diferenciada, sabendo que seria contraproducente competir em áreas onde a MRV é dominante com seu processo construtivo industrial e escalável e capacidade negocial em fazer preço.

Sendo assim, analisamos as empresas menores, que estavam fora do radar da maioria dos investidores, e encontramos a RNI Negócios Imobiliários.

A RNI é a empresa de negócios imobiliários da Rodobens, que é um dos maiores e mais importantes grupos empresariais do país, com 68 anos de atuação preponderante no ramo de vendas e consórcio de veículos pesados. 

Por que uma empresa focada na venda de meios de transportes entraria no ramo imobiliário? Uma das respostas é que todo caminhoneiro precisa de uma casa, e o cadastro e a ficha de análise de crédito para a compra de um caminhão e de uma casa popular se assemelham.

Com uma atuação no interior dos principais estados do Brasil, principalmente aquelas cidades cujas suas atividades econômicas giram em torno do agronegócio, a RNI se posicionou nesses locais para oferecer como produtos loteamentos de casas nos arredores urbanos. Posteriormente, ingressou com o modelo industrial de casas construídas pelo sistema de moldes para atender o programa MCMV faixa 2 e 3, que tem um risco bem menor.

Normalmente essas casas ficam em condomínios fechados com segurança e ampla área de convivência. Têm ao menos duas vagas de garagem e um quintal que permite ao proprietário fazer a ampliação do imóvel ou utilizá-lo como uma pequena área de lazer.

Ou seja, verificamos uma inteligência na forma como a RNI encara o seu negócio. Atuação em cidades do interior ligadas ao agronegócio, condomínios horizontais, modelo construtivo industrial e qualidade de vida dos seus clientes foram os ingredientes essenciais para nos interessarmos pela empresa.

Essa estratégia faz um contraponto com o modelo negocial da MRV. Assim uma não atua na área da outra, e a RNI não tem de competir com a maior empresa do setor, nem enfrentar suas vantagens competitivas.

Sendo essas as qualidades intrínsecas da empresa, começamos a notar uma melhora no ambiente macro.

A queda nas taxas de inflação e dos juros, associada à aprovação da lei que regula os distratos, que impõem multas severas àqueles que vinham especulando no mercado imobiliário, além da venda do estoque de imóveis, trouxeram as condições para a retomada do setor.

O elemento macro faltante dessa equação, que precisa ser retomado, é a volta do emprego.

Por fim, com o processo de restruturação concluído, que consiste na redução de endividamento, baixa do estoque de imóveis prontos, além de um banco de terrenos que garanta seu crescimento nos próximos anos, a RNI se encontra, neste momento, em um novo ciclo de crescimento apta para captar a retomada das vendas de imóveis.

Nunca é tarde para lembrar que, em relação a seus pares listados na Bolsa, a empresa está muito descontada quando analisamos seus múltiplos. 

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações!

* O Fundo Venture Value FIA possui ações da RDNI3 desde janeiro de 2018.

João Paulo Reis

É gestor do Venture Value FIA, sócio da Venture Investimentos desde o seu surgimento em 2006, acumulando experiência na seleção e análise das empresas listadas na bolsa de valores.