Como escolher moedas digitais para investir e não cair na cilada das “meme coins”

Como qualquer ativo, no mundo das criptomoedas é essencial pesquisar e conhecer o assunto

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Dogecoin (DOGE) é uma criptomoeda que surgiu em 2013 a partir de um meme com um cachorro da raça Shiba Inu. Entretanto, o que se viu nos anos seguintes não tem nada de brincadeira.

Só em 2021, esse ativo chegou a ter valorização de 14.000% e foi adotado por ninguém menos do que Elon Musk, CEO da Tesla. Muita gente conseguiu ganhar dinheiro com o aumento dela, mas seu sucesso representa a exceção que confirma a regra.

O mercado cripto está cheio de ativos inspirados em memes e conteúdos virais que pouco têm a oferecer a investidores e consumidores. Mas como identificar quais apresentam mais riscos e escolher as melhores? Como qualquer ativo, é essencial pesquisar e conhecer o assunto.

Confira uma lista de boas práticas para identificar as melhores opções:

1) Avalie o projeto por trás da moeda digital

A primeira recomendação é conhecer a fundo o projeto que sustenta a moeda digital em questão. Isso significa saber um pouco da história por trás da criação do ativo, seus objetivos, as funcionalidades e até das empresas que estão por trás do desenvolvimento e da utilização desse recurso.

Enquanto as criptomoedas “memes” estão mais preocupadas em fazer graça com os usuários na internet, os projetos mais sérios de moedas digitais têm propósito, finalidade e objetivos.

2) Identifique a reserva de valor

A função mais importante de qualquer moeda, física ou digital é a capacidade de preservar o seu poder de compra ao longo dos anos. Na prática, significa que o valor segue vantajoso para o usuário e representa a principal forma de medir a riqueza do ativo.

O mercado cripto, evidentemente, é bem mais volátil do que os investimentos tradicionais, mas as melhores opções conseguem demonstrar uma reserva de valor interessante ao longo do tempo graças a sua popularidade e seu uso constante no dia a dia.

3) Confira o fluxo e o volume de negociações

Outra dica interessante para verificar a viabilidade de uma moeda digital e sua diferença em relação aos “memes” é o monitoramento de todas as negociações realizadas pelos ativos.

PUBLICIDADE

Projetos mais sérios carregam consigo todo o know-how e expertise de seus criadores, sendo adquiridos e vendidos a todo instante – o que também contribui para as alterações de seu valor. As criptomoedas que só valem pela brincadeira costumam ser restritas a uma comunidade pequena, o que dificulta a adesão e participação de novas pessoas.

4) Descubra as plataformas e exchanges digitais

Moeda digital de verdade, seja cripto ou token, depende do trabalho de plataformas e exchanges digitais. Sem essas soluções tecnológicas, é inviável estabelecer alguma relação de troca com o ativo.

Enquanto as primeiras garantem o ecossistema necessário para adquirir o ativo, estipulando regras, informações e até carteira digital, as segundas são o ambiente em que o mercado secundário se constitui, ou seja, onde os usuários podem negociá-lo com outras pessoas, numa espécie de bolsa de valores.

5) Informe-se em canais especializados

Por fim, a informação e o conhecimento seguem como dicas importantes para diferenciar o meme que não vale nada de uma moeda digital séria e que tem muito a oferecer às pessoas.

Se ainda há dúvida se determinado ativo possui algum lastro ou não, busque conteúdo em portais especializados no mercado cripto. Neles, é possível ver as principais notícias relacionadas à moeda digital, a própria evolução do valor ao longo do tempo e demais informações que ajudam a tomar a melhor decisão na hora de alocar seu investimento

Cássio Rosas

Diretor de Novos Negócios e Estratégia da Wiboo, plataforma com utility token que promove um programa de fidelização entre varejistas e consumidores por meio de moedas digitais

Leia também

Opinião - Especialistas convidados O fim do teto de gastos