Seu dinheiro: um plano para superar a crise do coronavírus

Com tudo o que estamos vivendo nesta crise do coronavírus, é fundamental olharmos para as finanças pessoais e criar um plano para atravessarmos este período tão difícil.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

O fato de os consumidores estarem trancados dentro de casa em quarentena suspende a demanda por produtos e serviços – e, desta forma, trava a economia.

Lojas, restaurantes, fábricas e indústrias também começam a parar. O mesmo vale para prestadores de serviço.

As demissões começam a aparecer e a confiança dos consumidores, a sumir. Como consumir nesta fase? Instaura-se um ciclo vicioso.

PUBLICIDADE

Tenho visto gente preocupada em como pagar as contas neste “novo normal”. O fato de termos mais de 60 milhões de inadimplentes no Brasil só piora este cenário.

Como ficam os milhões de brasileiros que não possuem uma reserva de emergência?

Nesta verdadeira calamidade, criei, com as ferramentas da educação financeira, um plano para quem estiver com dificuldade de pagar as contas nestes tempos de crise. Confira:

1. Faça cortes emergenciais de gastos

É difícil andar para trás na vida – e ninguém gosta de abrir mão de algo que já se tornou um padrão.

No entanto, é fundamental entender que existem diversos gastos que podemos cortar neste momento.

Viagens podem ser adiadas, assinaturas de revistas e aplicativos podem ser canceladas. Dá para trocar planos de celular, TV a cabo, pacotes de tarifa do banco… tudo para conseguir economizar o possível neste momento.

PUBLICIDADE

Além disso, quem está de quarentena já reduz automaticamente as despesas com transporte, alimentação e lazer fora de casa.

Quanto mais leve ficarem os seus gastos durante a crise, mais fácil será de superar todo este período.

2. Saque os seus benefícios

O governo já anunciou uma série de medidas que trazem benefícios para a população. Além do auxílio de R$ 600 a trabalhadores informais, autônomos e sem renda fixa, foi liberado um novo saque de R$ 1.045 do FGTS.

3. Reveja as suas dívidas

Na esteira dos pacotes do governo, os maiores bancos estão anunciando medidas para apoiar os endividados. Este é, portanto, o momento para renegociar dívidas – tanto para pessoas físicas, quanto jurídicas.

Já é possível pausar o pagamento de financiamentos imobiliários e de automóveis, por exemplo, e os maiores bancos do país poderão prorrogar dívidas por até 60 dias.

Além disso, o próprio Serasa Experian anunciou que o Feirão Limpa Nome online irá permitir o parcelamento das dívidas em até 48 vezes – o programa fica disponível até dia 31 de março.

4. Foque em investimentos com liquidez

Todo o dinheiro que for economizado deve ser aplicado em investimentos de alta liquidez. Neste cenário de crise, até o Tesouro Direto tem enfrentado dificuldades e suspendido as negociações quase que diariamente.

Por isso, o ideal é deixar o dinheiro aplicado em fundos DI taxa zero – a melhor opção para o curto prazo até que a situação se estabilize. Quem tem reserva de emergência durante a crise consegue dormir com mais tranquilidade à noite.

5. Caso precise resgatar, tire dos investimentos com maior liquidez também

PUBLICIDADE

Nestes momentos, fica clara a importância de ter uma reserva de emergência. Ela existe para ser usada exatamente em tempos como este.

Caso precise resgatar dinheiro de alguma aplicação, priorize fazer os saques dos investimentos que possuem maior liquidez e menor cobrança de Imposto de Renda.

Quem precisar de recursos que estiverem aplicados na Previdência Privada, por exemplo, pode acabar pagando uma alíquota altíssima.

Receba em primeira mão e com exclusividade as colunas de Carol Sandler em seu email
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.

Carol Sandler

É fundadora da plataforma online Finanças Femininas e da TV Carol Sandler, a primeira TV digital de uma influenciadora brasileira, além de sócia e diretora de conteúdo da Ella's Investimentos. Também é autora do livro Detox das Compras e coautora de Finanças Femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos.