Seu Apartamento Ideal – Localização

A localização é o fator mais relevante na garantia da melhor qualidade de vida possível para cada comprador ou diante das possibilidades e exigências de sua família. Portanto, esse fator deve ser examinado criteriosamente. Em qualquer cidade, alguns bairros ou regiões são muito valorizados e o custo de aquisição dos terrenos acaba encarecendo as moradias neles construídas.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Muitas pessoas pedem a minha opinião, ou até mesmo conselhos, na escolha da moradia certa para compra, na maior parte das vezes visando à aquisição de um apartamento, que é o tipo de habitação mais procurado e mais oferecido também. É difícil ajudar nessa escolha, mesmo quando se conhece bem o mercado imobiliário, porque muitos dos quesitos que influenciariam na seleção dependem de preferências, prioridades e possibilidades do próprio comprador e de sua família. Ou seja, a melhor escolha é aquela que melhor se ajusta aos interesses, à vontade e ao perfil do potencial comprador.

Mas, existe um método simples de análise que permite ao comprador examinar objetivamente os principais fatores envolvidos na escolha, ponderando a importância de cada um deles: localização, tamanho, acabamento e preço. Assim, decidi desenvolver, neste blog, uma série de tópicos, com a minha opinião resumida sobre esses fatores, começando pela localização (que reputo ser o item mais importante).

A localização é o fator mais relevante na garantia da melhor qualidade de vida possível para cada comprador ou diante das possibilidades e exigências de sua família. Portanto, esse fator deve ser examinado criteriosamente. Em qualquer cidade, alguns bairros ou regiões são muito valorizados e o custo de aquisição dos terrenos acaba encarecendo as moradias neles construídas. Essas regiões, descritas como sendo as “mais nobres” nem sempre se localizam nas periferias das grandes cidades, de vez que ainda é muito recente e incipiente, no nosso país, a tendência de construir as moradias charmosas e de arquitetura mais sofisticada em bairros exclusivos e afastados das áreas mais centrais e adensadas. Embora recente, essa tendência já pode ser vista com alguma freqüência no entorno da cidade de São Paulo, materializando a opção das famílias que preferem que seus adultos se submetam, diariamente, a um percurso mais longo e demorado para que, em troca, as suas crianças possam desfrutar de moradias melhores, mais espaçosas e mais seguras.

Mas, quase sempre, os bairros mais valorizados situam-se, ainda, na área conurbada das grandes cidades, não sendo rara a situação em que a maior valorização ocorre nas regiões centrais ou próximas do centro. Às vezes, essa maior valorização decorre do charme de determinados bairros, de modismos transitórios e de preferências subjetivas sobre a possibilidade de se ostentar um endereço sofisticado. Todavia, eliminadas essas preferências, o que sobra é a realidade concreta que atribui valor a esses mesmos bairros: existência de boa infraestrutura, de unidades escolares, de instalações para lazer, entretenimento e diversão, de equipamentos de saúde, de bom sistema de transporte público e de comércio diversificado, além da desejável proximidade dos locais de trabalho e da imprescindível segurança. São esses fatores que devem ser examinados pelos compradores, em uma análise objetiva de custo x benefício.

Todos devem se conscientizar de que a opção por um bairro que reúne maior benefício implicará, necessariamente, o pagamento de um preço mais caro pelo imóvel, já que ele embutirá um prêmio equivalente à existência e ao usufruto de todos os qualificativos mencionados. O exame deve ser bem criterioso porque, nem sempre, esse prêmio será justo e poderá estar agregando as preferências subjetivas que já mencionei antes. Vou exemplificar com situações específicas de bairros localizados nas duas maiores cidades brasileiras. Quem mora no Leblon, no Rio de Janeiro, paga um prêmio muito elevado por sua opção. Mas é um prêmio razoavelmente justo, pelas regras do mercado, porque o bairro não tem mais para onde crescer (limitação da oferta) e disponibiliza uma rede de comércio e serviços muito sofisticada e diversificada. Por outro lado, quem optou por morar na Vila Nova Conceição, em São Paulo, estará pagando um prêmio elevadíssimo, porque os bairros vizinhos cobram prêmios muito menores e oferecem os mesmos tipos de facilidades ou benefícios. Por ponderar muito as preferências subjetivas, o prêmio cobrado nesse bairro paulistano pode mostrar-se relativamente injusto para muitos compradores.

Finalmente, para concluir essa resumidíssima abordagem sobre o fator localização, quero enfatizar a sua importância na valorização futura do imóvel. O potencial comprador tem que examinar esse aspecto com bastante critério, principalmente pela circunstância de que os imóveis, quase sempre, constituem-se em itens preponderantes do patrimônio familiar. Ele não pode se desvalorizar com o tempo. Essa é uma tendência difícil de se prever. Mas, um bom indicador a ser observado é se o bairro escolhido tem sido ou está sendo objeto de investimento governamental na implantação de melhorias ou na construção de infraestrutura. A resposta positiva a esse quesito já é um indicativo de que o bairro escolhido continuará se valorizando ou, pelo menos, não se desvalorizará com o tempo.

Rubens Menin