…local, local, local… X …gente, gente, gente…

sse é, mesmo, um fator importantíssimo e acabou se transformando na marca registrada da MRV cujas construções sempre priorizaram esse aspecto, situando as habitações que oferecemos em localizações perfeitas quando se examinam os requisitos de existência de comércio local, proximidade de creches e escolas, proteção contra a criminalidade, acesso fácil aos meios de transporte, perspectiva de valorização futura e outros atributos que impactam diretamente a qualidade de vida e a salvaguarda patrimonial dos moradores.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

Trabalho com construção imobiliária há cerca de 40 anos, sendo que, nos últimos 35, estive à frente da MRV Engenharia, empresa que ajudei a fundar. Desde a fundação da nossa construtora ouvi, ressoando dentro da minha cabeça, a ladainha “…local, local, local…” repetida como mantra pelos empreendedores desse setor, sintetizando a recomendação, segundo a qual, uma empresa da Construção Civil somente terá êxito se acertar, rigorosamente, a localização perfeita para as suas edificações. Esse é, mesmo, um fator importantíssimo e acabou se transformando na marca registrada da MRV cujas construções sempre priorizaram esse aspecto, situando as habitações que oferecemos em localizações perfeitas quando se examinam os requisitos de existência de comércio local, proximidade de creches e escolas, proteção contra a criminalidade, acesso fácil aos meios de transporte, perspectiva de valorização futura e outros atributos que impactam diretamente a qualidade de vida e a salvaguarda patrimonial dos moradores. Mas, a experiência ensinou-me que, embora importantíssimo, esse mantra não é o único e nem o mais importante de todos.

Com efeito, acabei por descobrir e seguir rigorosamente outro mantra ainda mais importante e que já há muitos anos ressoa dentro da minha cabeça, disputando espaço com o anterior: a ladainha: “…gente, gente, gente…”.Hoje estou convencido de que a nossa Construtora somente pôde atingir as marcas que ostentamos (de uma das maiores edificadoras do mundo, daquela que mais construiu no Brasil em todos os tempos e da empresa responsável por fornecer o endereço atual de um a cada trezentos brasileiros), porque reconhecemos a importância primordial de formarmos uma equipe com mais de 24 mil colaboradores profundamente envolvidos no nosso projeto, como um time dedicado, ético, apaixonado pelo que faz e que compartilha os princípios e valores da Companhia.

Toda a nossa política de recursos humanos passou a ser modelada para o desenvolvimento organizacional lastreado em programas de identificação e retenção de talentos em todos os níveis, de capacitação e treinamento continuado dos colaboradores, e de estímulo ao comprometimento com metas e à formação do sentimento de pertencimento à organização e à equipe. Além disso, investimos fortemente na meritocracia e adotamos, há mais de 18 anos, a cultura do “partnership”, em que colaboradores e executivos transformaram-se em sócios da MRV. Com isso, passamos a distribuir, anualmente, os valores de participação nos lucros e resultados (PLR) devidos aos colaboradores como forma de reconhecimento pelo esforço da equipe e de estímulo ao crescimento futuro.

Decidi incluir esse depoimento pessoal no espaço deste blog, porque tenho certeza de que essa política não serve apenas para garantir o sucesso de empresas do mercado imobiliário, mas, também, para qualquer outro grande empreendimento nos variados setores econômicos. Em resumo, a nossa experiência mostrou que toda grande companhia, qualquer que seja ela e quaisquer que sejam os seus mantras originais, tem muito a ganhar se deixar a cabeça aberta para receber e praticar a ladainha “…gente, gente, gente…”.

Rubens Menin