ABEV3? BEER3! Será que tickers mais criativos atrairiam mais investidores?

Sejamos sinceros: quem não gostaria de ter em sua carteira as ações BEER3 ou, quem sabe até, CHOP3

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

SÃO PAULO – A Ambev S.A. migrou para o Novo Mercado na bolsa e, portanto, unificou suas ações ordinárias (AMBV3) e preferenciais (AMBV4), criando a ABEV3. Muitos investidores, apesar de reconhecer a qualidade dos papéis de uma empresa como essa – sólida e que apresenta bons resultados – não gostaram da escolha do novo ticker, que, de acordo com eles, é “feio, sem graça e pouco atrativo”.

Diante dos diversos comentários de nossos leitores criticando o ticker, comecei a pensar: será que tickers mais criativos atrairiam mais investidores? Acredito que sim.

É obvio que nenhum investidor vai comprar as ações somente por conta do código legal e criativo, principalmente se a empresa for ruim, afinal, esse seria o cúmulo da inexperiência com o mercado de ações. No entanto, se uma empresa é sólida, com bons fundamentos, lucro expressivo trimestre após trimestre, uma dívida controlada ou até caixa líquido positivo e, ainda assim, tiver um ticker criativo e que chame atenção, acredito que ela atrairia mais investidores do que aquela com um código sem sal nem açúcar, como ABEV3.

Sejamos sinceros: quem não gostaria de ter em sua carteira as ações BEER3 ou, quem sabe até, CHOP3. Cairia como uma luva para a Ambev S.A. e seria uma jogada de marketing e tanto, principalmente para uma empresa sólida como esta.

Em nossa bolsa, são raros os tickers que chamam a atenção pela sua criatividade. Um deles vem da grande sacada da Minerva Foods, produtora de carne bovina, com seu código BEEF3. Outras ótimas ideias, na minha opinião, foram da Localiza, locadora de carros, com seu ticker RENT3; da Lojas Marisa, que teve o feeling e a sensibilidade de colocar o código AMAR3 – o que é genial se lembrarmos que a companhia é focada no público feminino (de mulher para mulher Marisaaaa); e da T4F Time for Fun, maior empresa de entretenimento ao vivo da América do Sul, com seu código SHOW3.

Pois é, a nova Ambev S.A. perdeu uma grande oportunidade de revolucionar com um BEER3, assim como a Saraiva também vacilou ao escolher SLED4 ao invés de, quem sabe, um BOOK4; a Marfrig, com seu óbvio MRFG3 no lugar de um, talvez, MEAT3; a BRF com o também pouco criativo BRFS3, no lugar de um mais interessante FOOD3; entre tantos outros exemplos que poderíamos dar.

No entanto, não podemos perder as esperanças. Quem sabe o Habib’s não faz um IPO e lança na bolsa a SFHA3 ou… Que tal, KIBE3?! Fica a dica.

Arthur Ordones

Leia também