Universitários ganham bolsa apenas para estudar

Diante de cenário de falta de mão-de-obra qualificada, estudantes 'tops' de engenharia ganham bolsa de empresa sem precisar trabalhar

SÃO PAULO – Imagine ganhar dinheiro de uma empresa apenas para estudar, sem ter que trabalhar na companhia e podendo fazer um outro estágio. A situação é almejada por muitos estudantes do Brasil, mas apenas poucos deles conseguem contar com o privilégio.

São os universitários ‘tops’ do País do curso de engenharia. A profissão vive um cenário bastante interessante: faltam profissionais qualificados para ocupar as vagas oferecidas no mercado de trabalho e, por isso, as empresas investem em qualificação.

A educação no Brasil não acompanhou a expansão econômica de alguns setores e, por causa disso, faltam pessoas para ocupar os empregos. Quem se prepara, por sua vez, acaba por ter privilégios, inclusive enquanto estiver na faculdade.

Programa de bolsa

PUBLICIDADE

Para premiar os alunos com excelente nível acadêmico no curso de engenharia, a TenarisConfab, empresa fabricante de tubos de aço soldado, aplica um processo seletivo nos estudantes com melhores notas, indicados pela própria faculdade, para oferecer uma bolsa.

“Damos R$ 750 mensais para o aluno, até o final do curso, e não há compromisso formal. A bolsa visa impulsionar o aluno para que ele seja o melhor e é depositada mensalmente na conta dele”. Por isso, o valor pode ser usado de acordo com a vontade do aluno.

Em 2005, 14 alunos receberam a bolsa, proporção que saltou para 40 universitários no ano passado. A empresa, porém, só possui três pessoas que participaram da bolsa trabalhando como estagiários. O que ela ganha com o processo? “A gente, através disso, divulga a empresa nas universidades”.

Estágio para engenheiros

De acordo com o diretor-presidente do Nube (Núcleo Brasileiro de Estágios), Seme Arone Júnior, dados do MEC (Ministério da Educação) indicam um total de 247 mil alunos de engenharias em todo o Brasil. Por outro lado, existe mais de meio milhão de estudantes em Direito.

Com a falta de estagiários, o que acontece é que os salários começam a inflacionar. “Existem empresas que oferecem R$ 3 mil para um estagiário”.

No caso das engenharias, Arone disse que os setores em que os alunos são mais disputados são o de construção civil, com o aumento do mercado imobiliário; o de eletrônicos, com os recordes de vendas de computadores; e o de automóveis, com a expansão do mercado.