AO VIVO Por Dentro dos Resultados: CEO e CFO do Fleury falam sobre o balanço da rede de laboratórios

Por Dentro dos Resultados: CEO e CFO do Fleury falam sobre o balanço da rede de laboratórios

Transações bancárias por meios eletrônicos podem crescer 40% na baixa renda

Já entre a classe intermediária e alta o uso desse tipo de serviço é mais intenso e vem crescendo ao longo do tempo

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – As transações bancárias através de meio eletrônico de pagamento, como Internet Banking e Mobile, podem crescer 40% entre os indivíduos de baixa renda em 2011.

Segundo estudo do Instituto de Pesquisa Fractual, estima-se que o uso de cartões, por esse público, cresça 30% este ano. Mesmo assim, o uso do papel moeda continua em alta. Atualmente, 55% dos salários são recebidos em dinheiro pelos trabalhadores e 72% das transações são realizadas em espécie.

O estudo revela ainda que a expansão dos meios de pagamento eletrônico foi impulsionada pelas máquinas de auto-atendimento, localizadas dentro das agências bancárias e estabelecimentos comerciais. “Houve um aprendizado relevante pelo consumidor para a estruturação dos novos hábitos de uso de bancos, acompanhado pela formação da então nova cultura para aceitação dos meios eletrônicos”, afirmou o diretor presidente do Fractal, Celso Grisi.

Aprenda a investir na bolsa

Renda intermediária e alta
O uso desses meios de pagamentos por pessoas de renda intermediária e alta é mais intenso e vem crescendo ao longo do tempo.

Estes usuários abandonam o uso do cheque mais rápido, mas têm medo de não encontrar estabelecimentos que possuam meios de pagamentos eletrônicos.

A posse de cartões para este público ainda está associada ao prestígio que as marcas conferem a eles e ao credenciamento financeiro que o indivíduo passa a ter ao ostentar uma marca nobre e exclusiva.

Outro fator que contribui para o uso cada vez mais constante do dinheiro de plástico pelas classes mais altas é a aceitação no exterior e os serviços associados a viagens internacionais. A capacidade de diferir as despesas e de maximizar o fluxo de caixa das camadas intermediárias também são fatores de grande relevância nesse uso.