Do Zero ao Gain Uma aula gratuita com André Moraes sobre gerenciamento de risco, stop, alvo e tamanho de capital

Uma aula gratuita com André Moraes sobre gerenciamento de risco, stop, alvo e tamanho de capital

Senador apresenta emenda para estender aumento real do mínimo aos aposentados

Em pronunciamento, o senador Paulo Paim (PT-RS) informou ao Plenário a apresentação de uma emenda ao projeto da LDO

SÃO PAULO – Em pronunciamento ao Senado, o senador Paulo Paim (PT-RS) informou ao Plenário a apresentação de uma emenda ao projeto da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) para 2011, que estende aos aposentados do INSS o mesmo reajuste real que poderá ser concedido ao salário mínimo, em janeiro próximo.

De acordo com informações da Agência Brasil, o relator do projeto da LDO, senador Tião Viana (PT-AC), optou por inserir nas bases da proposta um item que estabelece aumento real do salário equivalente à média do crescimento da economia em 2008 e 2009, além da inflação.

Isso representará um reajuste real de pelo menos 2,55%, fora a inflação dos 12 meses anteriores, que deverá ficar próxima de 5%.

PUBLICIDADE

Responsabilidades 
Segundo Paim, seria injusto se os aposentados e pensionistas recebessem apenas a inflação passada.

“Eles devem ter ganhos reais, assim como os trabalhadores que recebem apenas o salário mínimo – disse, prevendo que o mínimo poderá chegar a R$ 550 em janeiro, contra os atuais R$ 510”, disse.

Na quarta-feira (23), por meio de comunicado, a Força Sindical anunciou “uma luta para que o reajuste do salário mínimo de 2011 seja o resultado do PIB (Produto Interno Bruto) para o ano de 2010 mais a inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor)”.

Ainda em nota, os dirigentes da central afirmam ter ligado para o senador Tião Viana, solicitando uma audiência para discutir o aumento do salário mínimo para 2011. Os líderes do Congresso Nacional também estão no foco das conversas da entidade.

“Entendemos que um reajuste digno para o salário mínimo é uma forma de distribuir renda e fortalecer o mercado interno, aumentando o consumo, a produção e, consequentemente, gerando novos postos de trabalho”, diz a nota.